O JOGO

Não conseguimos nada na nossa primeira campanha. Seattle veio pro ataque e, logo numa 3rd & 8, Wilson acha Doug Baldwin, sob a marcação de Vontae Davis, para 27 jardas, renovando as descidas. Dessa vez conseguimos parar o ataque na linha de 25. FG de 43 para Blair Walsh converter e abrir o placar.

Na campanha seguinte, conseguimos 32 jardas num passe Brissett → Williams (grata surpresa esse TE), mas as faltas do recém-chegado e improvisado Adam Redmond comprometeram a caminhada. Mais um Punt do Rigoberto, executado com maestria e salvo na linha de 1 jarda por Kenny Moore.

Com as costas na parede, Seattle correu duas vezes e conseguiu 5 jardas. Na 3rd & 5, Hairston conseguiu infiltrar e derrubar Russell Wilson antes que conseguisse lançar a bola. Desafio do Pagano e Safety confirmado. 2×3 e continuávamos vivos no jogo.

Após mais uma campanha improdutiva do ataque, conseguimos vencer mais um desafio. Quando Wilson foi sackado por Jabaal Sheard a arbitragem deu passe completo, mas foi corrigida em nosso favor.

Infelizmente Brissett foi interceptado na campanha seguinte. TD do adversário e 2×10.Nosso QB se recuperou e logo em seguida conduziu uma campanha de 80 jardas e 7 minutos para o TD de Robert Turbin. 8×10 após a falha na conversão de 2 pontos.

O nosso melhor momento do jogo se manteve. Matthias Farley fez a boa cobertura em cima do Jimmy Graham e conseguiu sua primeira interceptação na carreira. Com 3:34 no relógio, Brissett mostrou que havia se recuperado. Achou buracos na defesa de Seattle, conseguiu uma importante conversão de terceira descida num passe para o TY Hilton e, num passe sensacional no canto da endzone, achou Donte Moncrief para virarmos o jogo.

Placar 15×10 e fomos para o intervalo vencendo (na campanha antes do intervalo, Blair Walsh errou um FG de 37 jardas). Mas o desastre estava por vir. Logo na primeira campanha, nossa defesa cometeu quatro faltas. Russell Wilson começou a achar os buracos e, numa 3rd & 10, corre para 23 jardas (um buraco enorme onde deveriam estar os ILBs) e marcou o TD da virada. 15×18 após a conversão de 2 pontos bem sucedida.

Three-and-out em nossa campanha seguinte, volta o Seahawks. Se aproveitando da péssima partida do Jimmy Graham, Malik Hooker, muito bem posicionado, intercepta o passe, avança 22 jardas e nos deixa em condições de anotar mais um TD, que seria crucial para o momento voltar a nosso favor. Mas as más escolhas de jogada nos fizeram chutar um FG. 18×18 e prejuízo quase zero para Seattle. E então, veio a tempestade.

Numa campanha rápida do adversário, J.D. McKissic acha um buraco entre os DLs e corre 30 jardas para marcar o TD do desempate. Mas o terror estava só começando. Logo na primeira jogada, Brissett segura demais a bola, leva um sack, sofre fumble e Bobby Wagner retorna para TD. 18×32…

Mais um three-and-out. Nossa defesa cansou… Seahawks veio com fome e, no início do último período, Wilson acha Willson (!) para virar passeio. 18×39…

Após uma campanha curta do nosso ataque, volta o Seattle. Controlando bem o relógio, alternando passes e corridas, Wilson crava o punhal na defesa após um passe de 27 jardas para J.D. McKissic. 18×46 e fim de jogo. Mais um jogo de 40 pontos para a conta de Chuck Pagano.

AS ATUAÇÕES

O jogo foi marcado para Jacoby Brissett pela estreia como starter fora de casa. Todos esperavam uma partida difícil ao enfrentar uma das melhores defesas da liga em um território tão hostil como o Century Link Field. O jovem QB teve uma atuação bem ruim sofrendo uma interceptação (culpa também da jogada chamada) e um fumble. Turnovers que custaram caro à equipe e fizeram os torcedores do Colts clamar cada vez mais pelo retorno de Luck, deixando bem claro que precisamos do nosso QB titular.

Com pouco tempo para lançar (já que a linha ofensiva pouco ajuda) e com os alvos muito bem marcados por uma secundária de elite, Brissett viu os drives do jogo se tornarem cada vez mais curtos. Conseguiu algumas boas conexões, sendo uma para o TD de Donte Moncrief, que enfrentou Shaquill Griffin graças a uma lesão de Lane. Mas como nem tudo são flores, uma pick-six e um fumble marcaram o jogo tornando muito pouco provável uma vitória (que de fato não ocorreu).

Quando olhamos o jogo corrido, Brissett ainda teve 33 jardas corridas (em uma das corridas conseguiu um avanço de 25 jardas, segundo maior em uma jogada na partida), ficando atrás apenas de Frank Gore que teve 46 jardas em 12 carregadas no jogo. Além da baixa produção de Gore correndo (teve outras 34 jardas recebidas), Robert Turbin teve corridas curtas em situações de 3rd down, sendo novamente efetivo quanto acionado.

A linha novamente teve atuação muito ruim. Já no início do jogo Bond, o Center reserva que substitui Ryan Kelly, sofreu lesão que o tirou da temporada, obrigando o Colts a improvisar Redmond na posição, que é G. Além do improviso, a torcida cumpria seu papel fazendo muito barulho, causando problemas nos snaps ofensivos do Colts, obrigando Vujnovich a auxiliar o C a colocar a bola em jogo.

Joe Haeg pode até fazer um trabalho decente como G, porém a atuação como RT foi no mínimo horrorosa! Cedeu pressões, os defensores passavam facilmente pelo jogador, não tinha velocidade nos movimentos laterais para realizar os bloqueios. Resultado: Brissett pagou caro, sendo engolida pela DL de Seattle inúmeras vezes. Foram 3 sacks e 11 hits no QB, que ainda se livrou bem em algumas jogadas por sua habilidade em correr com a bola.

Assim como se esperava o jogo aéreo do Colts teve muitos problemas. Ainda que com a bola bem distribuída, pouco se produziu, tendo como recebedor com mais jardas o RB Frank Gore (34), seguido do TE Brandon Williams (32). Novamente Jack Doyle sofreu com drops, TY Hilton foi bem marcado por Sherman e Moncrief pouco foi acionado, ainda que anotando um TD.

Em resumo, o ataque novamente rendeu no primeiro tempo: permanecemos por quase 20 minutos em campo (o dobro de tempo do adversário), anotamos 15 pontos contra uma forte defesa, 13 first downs contra 5 de Seattle. Mas como a história se repete, o time parou no segundo tempo, sucumbindo após um fumble sofrido por Brissett e retornado para TD por Bobby Wagner. Uma partida que até pouco mais da metade do terceiro quarto se mostrava equilibrada, e então tudo foi por água abaixo.

Quando olhamos o placar do jogo todos imaginam “Seahawks dominou o jogo todo, o Colts pontuou por sorte… como sempre a defesa entregou o ouro”, mas não foi bem assim. Enquanto o ataque permaneceu e campo com boas campanhas, gastando o relógio, a defesa portou-se bem com exceção aos ILBs.

A DL, ainda que com dificuldades de sackar o QB adversário (muito pela mobilidade de Russell Wilson), conseguiu gerar pressão no ataque graças a fraquíssima OL de Seattle. Foram 3 sacks e 5 QB Hits impostos pelo Colts, sendo um vindo de uma blitz do CB Nate Hairston. Já a efetividade contra o jogo corrido foi bem menor que nos jogos anteriores. É verdade que ocorreram algumas jogadas mais explosivas por parte dos corredores de Seattle, entretanto até quando o placar permanecia empatado a postura do Colts era sólida.

Destaque para Jabaal Sheard: o jogador fez a OL de Seattle ter pesadelos e chegou até Wilson em uma oportunidade. Ainda que converteu apenas uma oportunidade de pressão em um sack, o OLB obrigou Wilson fugir do pocket inúmeras vezes. Ótima atuação, espera-se que continue bem como foi nesse jogo e possa render mais.

Não há palavras para descrever o jogo de Matthias Farley e Malik Hooker. Cada um teve uma interceptação na conta, dando oportunidades ao ataque do Colts de pontuar em cima de erros do adversário. Hooker foi oportunista a roubar uma bola que ficou pendurada no ar após Jimmy Graham tentar realizar uma recepção; já Farley leu bem os olhos de Wilson e cortou a linha de passe para interceptar a bola, mostrando no fim da jogada um excelente senso e controle de posicionamento do corpo antes de sair de campo com a bola.

Em conversa gravada e divulgada pelo Twitter oficial do Colts, Matthias encorajou o jovem Malik, dizendo “esqueça isso, você está prestes a conseguir uma (interceptação), está me ouvindo? Você acredita em mim? Você é um dos melhores safeties na liga agora!”. Dois snaps depois a profecia se concretizou, resultando na terceira interceptação de Hooker na temporada regular com a camisa do Colts. Confira a jogada:

https://twitter.com/colts/status/915315775887544320

 

Destaque para Matthias Farley entre os melhores S da liga

Nate Hairston mais uma vez teve ótima participação. Além de cobrir bem os passes ainda provocou um safety derrubando Wilson em sua end zone e anotando os primeiros dois pontos do Colts na partida. Versátil e efetivo, tem se mostrado um talento muito promissor na secundária do time, enorme steal vindo de uma escolha de 5th round, dono da titularidade.

Em compensação, sempre há uma laranja podre no meio da colheita. Vontae Davis fez sua estreia na temporada após uma lesão ainda na preseason. Completamente fora de ritmo, o que é compreensível, o CB cedeu diversas recepções em sua direção. A cada dia a melhor idade fica mais próxima de Vontae, mais lesões tem ocorrido e o rendimento do CB, que chegou a ser top 5 da liga, tem caído. Talvez seja a hora do Colts repensar o posto de CB1 do time, olhar com mais atenção aos calouros que chegaram ao time e aos prospectos da posição para o próximo draft.

Mais uma vez o miolo do campo foi o calcanhar de Aquilles do Colts. Foram necessários 17 tackles da defesa para evitar maiores avanços aéreos do ataque do Seahawks. O ponto fraco foi muito bem explorado pela equipe de Pete Carroll, resultado de atuações vexatórias de Jon Bostic e Antonio Morrison. Muitas vezes ambos pareciam completamente perdidos em campo sem saber o que fazer, olhando os recebedores de Seattle avançar pelo campo.

Distribuição dos tackles realizados pelo Colts (adaptado de Pro Football Reference)

Ainda que a defesa tenha cedido 39 pontos (boa parte pelo apagão do último terço do jogo, e os outros 7 pontos provenientes da interceptação de Brissett retornada para TD) podemos ter esperanças com relação aos jogadores defensivos, em especial da secundária com seus jovens jogadores.

Como já é quase uma rotina, mais uma partida muito boa de RiGOATberto Sanchez. O punter rookie forçou Seattle a inicar suas campanhas sempre do fundo do campo, sendo uma resultante em um safety (destaque para Kenny Moore nessa jogada, que evitou que a bola entrasse na end zone adversária). Muitos já não sentem mais a falta de Pat McAfee e Matt Overton no ST do Colts graças as boas atuações do LS Luke Rhodes e Sanchez.

*Texto de Carol Vago com colaboração de Pedro Jorge Marinho

  • Vinicius Vinny

    “Em resumo, o ataque novamente rendeu no primeiro tempo: permanecemos por quase 20 minutos em campo (o dobro de tempo do adversário), anotamos 15 pontos contra uma forte defesa, 13 first downs contra 5 de Seattle. Mas como a história se repete, o time parou no segundo tempo, sucumbindo após um fumble sofrido por Brissett e retornado para TD por Bobby Wagner. Uma partida que até pouco mais da metade do terceiro quarto se mostrava equilibrada, e então tudo foi por água abaixo.”

    Perfeito! O time morre no segundo tempo, é incrível como o preparo físico parece abaixo.

    • Carol Vago

      Dessa vez ainda tivemos o fumble que foi determinante pro jogo sair dos trilhos. Aliado a isso, Pagano poucas vezes realiza modificações ou acertos no time com base na leitura do rendimento adversário.

  • Pingback: Colts Brasil Podcast 046 - Colts vs Seahawks - Semana 4 Temporada 2017 - Fumble na Net Podcasts()