A NFL e o sindicato dos jogadores de futebol americano (NFLPA) estão discutindo novos termos para um acordo trabalhista (CBA) que deve alterar alguns pontos dos quais já estamos acostumados na Liga. As alterações incluem mudanças no teto salarial das equipes, mudanças na estrutura de jogos da temporada regular e até algumas alterações nos playoffs da NFL. Um ponto interessante para os fãs observarem é a mudança na estrutura dos playoffs e na tabela. Confira o que pode ser alterado:

Número de times na pós temporada

Sete times por Conferência se classificariam para os playoffs com a mudança. Assim, o número total de times na pós temporada seria 14. Esta mudança já vale a partir de 2020.

Apenas uma equipe na bye week

Com um número diferente de times nos playoffs, apenas a melhor campanha de cada uma das Conferências teria a primeira semana de folga. Hoje, os dois melhores times folgam

Uma semana a mais de temporada regular (a partir de 2021)

A maior discussão entre a Liga e os jogadores é a tentativa da alteração de 16 para 17 no número de partidas da temporada regular. Além de ser uma partida a mais; o que potencialmente pode ser nocivo do ponto de vista biológico; a remuneração oferecida pela Liga por esse jogo a mais não agrada às grandes estrelas.

Segundo insiders, a remuneração máxima que a NFL pretende oferecer para essa partida a mais seria de 250 mil dólares. Os jogadores com maior salário da NFL, claro, recebem bem mais do que isso por jogo.

Apesar disso, essa mudança pode ser boa para os jogadores que recebem o salário mínimo da liga, aumentando seu honorário. Além disso, vale lembrar que todos os jogadores votam e, os que recebem quantias milionárias, são minoria. A NFL se mostrou aberta para negociação e alguns jogadores já se mostraram contra essas novas condições:

 

 

 

ATUALIZAÇÃO: O CBA foi aprovado pelos jogadores por 1019 a 959 na madrugada do domingo. Algumas outras medidas começam a valer nas próximas temporadas:

Mais dinheiro pros jogadores

A partir da temporada 2021, o percentual de lucro da liga que vai para os atletas aumenta de 47 pra 48% (podendo chegar a 48,5% assim que a temporada regular subir pra 17 partidas). Haverá aumento também nos salários mínimos para calouros (mais US$100 mil em 2020, US$ 50 mil em 2021 e US$45 mil por ano a partir de 2022) e veteranos (mais US$ 90 mil em 2020, US$ 80 mil a US$ 105 mil em 2021 e US$ 45 mil por ano a partir de 2022).

Jogadores serão pagos por 34 semanas no lugar das 17 atuais (evidentemente o salário será redistribuído nesse período). Além disso, times que conseguirem a folga na primeira rodada de playoffs também pagarão os jogadores como se estivessem jogando.

Os contratos de jogadores selecionados na primeira rodada do draft 2018 em diante terão uma alteração na opção de 5º ano: o valor é 100% garantido caso a equipe opte por ativar a opção, mesmo em caso de lesão.

Aumento no elenco

Até a temporada 2019, os elencos finais da NFL tinham 53 jogadores. Esse número passa a ser de 55 com o novo CBA. Além disso, o número de atletas ativos para cada partida sobe de 46 para 48, com a condição de que 8 OLs sejam listados.

O Practice Squad também será aumentado: de 10 em 2019 para 12 em 2020 e 14 em 2021. Dois jogadores do PS podem ser ativados no elenco principal por semana, e podem voltar para o practice squad duas vezes por temporada sem precisar passar pelo período de waivers.

Aposentadoria

Os atletas ativos na liga terão um aumento no benefício de 10%, junto com um aumento na contribuição. Oftalmologia agora faz parte do plano de saúde coletivo. Os atletas aposentados também receberão um aumento retroativo no valor recebido e na possibilidade de participar do plano de aposentadoria: agora o mínimo de temporadas necessárias pra entrar no regime é de três.

Uma nova rede de hospitais será construida para que ex-jogadores recebam tratamento gratuito físico e psicológico.

Mudanças disciplinares

Um mediador independente substituirá a figura do Comissário na maioria dos casos disciplinares da NFL, que também diminuirá as multas das franquias.

A janela de testes de uso de drogas pra maconha passa a ser de apenas duas semanas do início do training camp, não mais quatro meses. A punição por uso de maconha também será reduzida, inclusive os jogadores não serão mais suspensos se testarem positivo para esta droga.

Mudanças imediatas

Com um novo CBA em curso, as equipes podem voltar a realizar algumas operações que estavam em regime especial de último ano de CBA, como restruturação de contratos convertendo salário base em bônus (estava limitado a 30%), assinatura de contratos com “anos nulos” (como o último de Drew Brees com o Saints, em que ele contaria US$ 20 milhões contra o cap mesmo aposentado) e distribuição do dead money em múltiplos anos (antes todo o impacto teria que ser absorvido imediatamente, pelo último ano do acordo).

DEIXE UMA RESPOSTA