Faltam 53 dias para a 100ª temporada da NFL e hoje relembramos mais uma grande história da liga: quando um fullback muito grande marcou um Touchdown! Acesse fumblenanet.com.br/nfl100 para conferir outras histórias da NFL.

O vigésimo Super Bowl foi o palco da vitória de uma das defesas mais marcantes da história da Liga, os Chicagos Bears de 1985. Foi também, numa corrida de uma jarda, que um fullback de quase 140 quilos tornou-se o maior Running Back a marcar um touchdown num Super Bowl.

William Perry foi draftado pelo Chicago Bears como a 22a escolha da primeira rodada do Draft de 1985. Foi em Clemson que o All-American defensive-tackle ganhou o apelido de Refrigerator (Geladeira), ou apenas “The Fridge”, que carregou em sua carreira de 11 anos no esporte e pelo qual continua sendo referenciado até os dias de hoje. Os companheiros diziam que não havia muita coisa no esporte que ele não pudesse fazer a despeito de seu tamanho e seu peso e muita gente se surpreendia ao vê-lo correndo ou enterrando bolas de basquete. 

A temporada como calouro nos Bears não poderia ser melhor. Por conta de uma incômoda disputa interna entre o coordenador defensivo, Buddy Ryan, e o head-coach Mike Ditka, The Fridge acabou sendo usado na maioria das vezes como bloqueador para as corridas de Walter Payton. Em algumas vezes no entanto, quando o ataque precisava de poucas jardas (ou como uma vingança pessoal contra os 49ers), Ditka passou a usá-lo como fullback. Foi desta forma, um tanto multifuncional, que Perry, que já havia conquistado os fãs por seu jeitão divertido e seu sorriso aberto (literalmente), acabou ganhando a NFL.

Como fullback, nosso intrépido Refrigerator – sempre posicionado ao lado de Payton – se tornou o primeiro atleta com mais de 300 libras a marcar um touchdown. Em 1985, ele acabou marcando três touchdowns na temporada regular: duas corridas de uma jarda cada (contra os Packers e contra os Falcons, nas semanas 7 e 12, respectivamente) e uma recepção de 4 jardas (também contra os Packers na semana 9). A ideia era surpreender a defesa adversária, normalmente preocupada com Walter Payton. 

E assim também aconteceu em 26 de janeiro de 1986, contra o New England Patriots no Super Bowl XX. Enquanto a defesa avassaladora de Chicago mantinha o placar adversário espremido em 3 pontos, a defesa dos Patriots também atingia seu objetivo principal: aniquilar toda e qualquer tentativa de corrida de Payton. Mike Ditka precisava mais do que nunca diversificar as jogadas de ataque e foi assim que o outro RB, Matt Suhey, correu 11 jardas para marcar, o quarterback Jim McMahon chegou duas vezes à endzone (2 e 1 jardas, respectivamente) e o kicker Kevin Butler marcou 3 fields goals. Quando o DB Reggie Phillips retornou uma interceptação para touchdown (28 jardas) no terceiro quarto, o jogo estava praticamente ganho: 3×37. 

O placar elástico não impediu os Bears de chegarem à linha de uma jarda do campo adversário mais uma vez. E mais uma vez Perry se posicionou ao lado de Walter Payton. Vale ressaltar aqui que não havia dúvidas sobre a capacidade de Payton para marcar touchdowns, mas o fato é que, nesse jogo, ele não obtinha sucesso. A defesa de New England conseguiu pará-lo em diferentes jogadas, reduzindo sua produtividade a pífias 61 jardas. E isso foi decisivo para que, nesse drive – a despeito do placar – Ditka optasse por entregar a bola para William Perry. A opção por Perry não seria exatamente uma surpresa, pois era a mesma dos dois touchdowns anteriores do FB (contra os Packers e os Falcons) mas, mesmo assim, o estrago se fez: The Fridge passou pela defesa dos Patriots como faca quente em manteiga. Para delírios dos fãs e dos narradores: “mais um recorde no Super bowl, a primeira ‘geladeira’ a marcar um touchdown!”

O jogo acabou com o placar de 10×46 e sem touchdowns para Walter Payton, a maior estrela da franquia em todos os tempos. Na coroação de uma temporada quase perfeita, a opção por Perry acabou tirando de Payton a chance de marcar um touchdown em um Super Bowl. Mike Ditka chegou a revelar em entrevista recente que se arrepende dessa decisão. William Perry – que obrigou a liga a confeccionar o maior anel de Super Bowl da história até hoje – passou a jogar na defesa e, mesmo com uma carreira de sucesso, nunca mais marcaria outro touchdown. Daquela noite em diante, homens grandes passaram a ter vez na endzone e esse é, definitivamente, o principal legado de William “The Fridge” Perry para o esporte.

DEIXE UMA RESPOSTA