Faltam 21 dias para a 100ª temporada da NFL e hoje relembramos mais uma grande história da liga: o herói improvável chamado Malcolm Butler. Acesse fumblenanet.com.br/nfl100 para conferir outras histórias épicas!

“Bola na linha de uma jarda, New England confiando na sua defesa. Seattle tentando entrar na end zone. Ai o Russell Wilson, faz o passe… INTERCEPTADO. VAI NEW ENGLAND PATRIOTS, CAMPEÃO DO SUPER BOWL XLIX. MALCOLM BUTLER É O HERÓI DA NOITE, VAI NEW ENGLAND PATRIOTS CAMPEÃO DA NFL.”

É impossível para o torcedor do Patriots esquecer a narração de Everaldo Marques dessa jogada. A interceptação de Malcolm Butler trouxe o título de volta a New England depois de 10 anos. Considerada uma das finais mais emocionantes da história, o Super Bowl XLIX poderia ter tido um desfecho muito diferente daquele que foi tomado.

O New England Patriots chegava de um massacre em cima do Indianapolis Colts na final da AFC por 45 a 7 – o jogo da “bola murcha”, enquanto o atual campeão Seattle Seahawks eliminaria o Green Bay Packers do MVP Aaron Rodgers, na prorrogação, em uma virada emocionante por 28 a 22 e conquistaria a NFC.

Wilson e Brady se encontram em campo pelo Super Bowl XLIX

No decorrer da partida, o jogo era bem parelho. Porém, Tom Brady, o ídolo da dinastia de New England acabava de ser interceptado – pela segunda vez na partida – e viu Wilson encontrar Baldwin na endzone, marcando 24-14 no placar. Era a primeira vez que algum time conseguiria abrir mais de uma posse de bola de vantagem.

Porém, quando se fala em viradas, é melhor não duvidar do maior vencedor da história do esporte. A defesa de New England conseguiu segurar a pressão de Marshall Lynch e os Seahawks, não cedendo mais nenhum ponto no último quarto. Enquanto Brady, em dois drives longos – o primeiro com 4:15 e o segundo com 4:45 – característica do esquema de Bill Belichick, virou o jogo para os Patriots, 28-24. Era a primeira vez na história que uma equipe conseguiria dar a volta no último período perdendo por 10 pontos em um Super Bowl.

Bola na mão de Russell Wilson. 2:02 no relógio, bola na linha de 20 do campo defensivo. Todos os timeouts e o two minute warning. Só o touchdown interessava. Era o drive do jogo. E Wilson já havia feito um milagre há duas semanas atrás contra o “rei dos milagres” Aaron Rodgers.

Com um passe magnifico para Marshall Lynch, Russell e o Seahawks já estava à frente do meio campo com apenas uma jogada. O próximo drive foi mais complicado, porém Wilson converteu uma 3ª pra 10 e manteve Seattle no jogo. Bola na linha de 38 jardas, 1ª pra 10. Wilson lança Kearse, e após a bola pipocar, o wide receiver consegue uma das recepções mais improváveis já vistas, colocando Seattle à cinco jardas do tão sonhado bicampeonato. A jogada é considerada a sexta maior recepção de toda a história da NFL.

A primeira coisa que veio a cabeça do torcedor do time da Nova Inglaterra foi David Tyree – aquele da helmet catch. Uma jogada improvável estava novamente tirando o titulo das mãos de Bill Belichick e Tom Brady. Com apenas 5 jardas para percorrer e com Marshall Lynch no backfield, era difícil imaginar outro desfecho se não outra derrota.

Primeira para o gol. Bola nas mãos de Marshall Lynch. O running back ganha 4 jardas, colocando o Seattle na linha de uma jarda. Segunda para o gol, com pouco menos de 40 segundos no relógio. Acreditando em sua defesa, Belichick segura seus timeouts. E o que aconteceu depois, entrou para os livros como um dos maiores milagres da história da NFL.

Wilson em shotgun. New England coloca oito jogadores na linha, tentando antecipar uma possível corrida de Lynch. O snap acontece e Lockette no slant entra na endzone. O quarterback de Seattle lança em direção ao companheiro e um dos três defensores que estavam fora da linha – e talvez o mais desconhecido do público – aparece como um “anjo” enviado à secundaria de New England. Malcolm Bulter – se redimindo do lance com Kearse – mesmo desajeitado e quase caindo, faz a interceptação e se torna o herói inesperado, sendo empurrado por Hightower para fora da endzone na linha de uma jarda.

Defesa de New England faz “bolinho” em Malcolm Butler em comemoração

Ainda teve tempo necessário para algumas “cenas lamentáveis” ao final do jogo, dando as jardas necessárias para Brady ajoelhar na bola duas vezes e confirmar o quarto titulo da história do quarterback e de sua franquia. Pete Carroll foi duramente criticado por todos os analistas possíveis por não ter dado a bola para Marshall Lynch correr essa última jarda necessária.

O lance de Malcolm Butler é considerado a segunda jogada mais impactante de todos os Super Bowls e a interceptação mais importante da história, segundo a NFL Films. Também é visto para alguns torcedores do Patriots como o maior momento da história da franquia – sendo altamente disputado com a virada de 25 pontos no Super Bowl LI.

Hoje, Malcolm Bulter defende as cores do Tennessee Titans, mas seu nome sempre será lembrado por toda torcida da Nova Inglaterra. A NFL fez um mini documentário sobre a jogada.

A partida completa pode ser encontrada no canal oficial da NFL no Youtube.

DEIXE UMA RESPOSTA