Faltam 46 dias para a 100ª temporada da NFL e hoje relembramos mais uma grande história da liga: a magnífica despedida de Jim Brown! Acesse fumblenanet.com.br/nfl100 para conferir outras histórias épicas!

Jerry Rice, Lawrence Taylor, Reggie White, Tom Brady. Jim Brown. Não é fácil ser considerado um dos melhores atletas da história de um esporte como o futebol americano. Não é trivial ser reverenciado e destacado do meio de Barry Sanders, Walter Payton, Gale Sayers, entre outros. Apesar de não possuir mais os recordes de outrora, é impossível não lembrar no camisa 32 quando o assunto é running back.

Jim Brown foi draftado em 57 por outro Brown, Paul. Apesar de não terem sempre a melhor das relações, o respeito mútuo e a gana pela vitória sempre foi constante na dupla. Ainda em sua temporada de calouro, correu para 237 jardas numa só partida. Recorde que manteve por 14 anos.

A posição de Jim é marcada por ter uma “vida útil” menor, devido à quantidade inacreditável de pancadas que levam durante a carreira. É corriqueiro ver corredores se despedindo por volta dos trinta anos de idade. Foi exatamente o que ele fez. Mas, ao contrário de vários, não foi por lesões, decadência, nem nada do tipo. Ele se foi… porque quis.

Ainda em 64, um ano antes de sua última temporada, ele havia gravado seu primeiro filme, Rio Conchos. Brown tomou gosto pela atuação. E, apesar de ter vencido o campeonato daquele ano, decidiu pela aposentadoria dos gramados após 1965.

Dos nove anos de sua carreira, ele foi a todos os Pro Bowls. Além disso, foi oito vezes selecionado para o primeiro time do All-Pro. Em sua temporada derradeira, pela oitava vez e terceira consecutiva, Brown liderou a liga em jardas (1544). E ainda anotou 21 touchdowns totais, a melhor marca da carreira. Caso fosse necessário um exemplo para a aposentadoria no auge, esse certamente seria Jim Brown.

E, se essa breve história não satisfizer, gravamos um podcast inteiro dedicado à carreira do maior running back da história.

DEIXE UMA RESPOSTA