Osso duro de roer ou acessível?

Ah, a offseason! Aquela época maravilhosa em que a gente, por saudade da NFL, briga por qualquer tipo de migalha para falar alguma coisa sobre futebol americano.

São horas analisando milhares de tapes de jogadores, centenas de minutos no Twitter atualizando o feed em busca de uma notícia quando abre a free agency e, é claro, aquela tradicional análise (MUITO!) precoce do calendário que os times terão pela frente quando setembro chegar.

Antes de começar a análise, vale ressaltar: o texto não terá um pingo de clubismo (mentira, terá sim e muito) e, obviamente, a análise feita hoje não reflete, necessariamente, a opinião que teremos quando a temporada começar.

Até lá, muita coisa vai acontecer. Temos o draft pela frente em poucos dias, todo um período de treinos antes da pré-temporada, os jogos de pré-temporada, os calouros que podem surpreender positiva e negativamente e, é claro, as temidas (e já tradicionais) lesões. Sendo assim, vamos projetar:

As duas primeiras semanas (@Dolphins e Cardinals) nos reservam dois jogos que temos obrigação de ganhar se quisermos sonhar com pós-temporada. O time de Miami praticamente entrou em modo rebuild e o Cardinals tem muito a melhorar antes de parecer um time ameaçador jogando no M&T Bank Stadium.

Sequência pesada!

Weddle contra os Chiefs na temporada 2018
Créditos: David Eulitt/Getty Images

Na semana 3, o buraco é mais embaixo. Como vimos na última temporada, enfrentar o Chiefs em Kansas City não é nada fácil, a tendência é uma derrota, mas já provamos em 2018 que podemos surpreender.

A seguir, três confrontos de divisão, nas semanas 4, 5 e 6: Browns, em Baltimore, Steelers, em Pittsburgh, e Bengals, novamente em casa.

Por melhor que o elenco do Browns esteja, a vitória é possível. Difícil, mas possível. Quanto ao Steelers, é difícil saber o que esperar do time após tantos problemas e a saída de sua principal estrela. Vencemos lá na última temporada e dá pra repetir. Será a primeira partida do Lamar Jackson contra o rival e começará essa história com uma vitória épica.

Cincinnati Bengals no M&T Bank Stadium. Uma pedra no sapato que conseguimos tirar na última temporada e precisamos repetir esse ano.

Na semana 7 é hora de atravessar o país para visitar o ninho do Seattle Seahawks, o temido CenturyLink Field. Jogos entre um time da costa leste e um da costa oeste tendem a ter uma vantagem natural para o time da casa, não projeto uma vitória aqui (SPOILER: o mesmo vale para a partida contra o Los Angeles Rams).

Após a bye week, na semana 9 é hora de receber o Thanos em Baltimore. New England Patriots. Talvez o jogo mais difícil de projetar em todo este calendário. Por ser o Patriots, não apostaria em uma vitória, mas o Ravens tem relativo sucesso jogando após a bye week. Projeto a derrota, mas fica a ressalva de que o Harbaugh pode surpreender com duas semanas de preparação.

Semana 10 é hora de reencontrar o Cincinnati Bengals, dessa vez fora de casa. Mais um jogo complicado, especialmente considerando nosso histórico. Difícil prever o que será do Bengals com a nova comissão técnica, mas é possível vencer.

Hora de decidir

Vitória do Baltimore Ravens sobre os Steelers no primeiro confronto de 2018
Créditos: Philip G. Pavely / USA TODAY Sports

Na sequência (semana 11, não se perca), um confronto com o Houston Texans, em Baltimore. Jogo que promete ser muito equilibrado, mas, jogando em casa, precisamos vencer para sonhar em brigar pelo título da divisão.

Pela frente, nas semanas 12 e 13, duas equipes da NFC West: Los Angeles Rams no Coliseu, para mim derrota certa, e San Francisco 49ers, em casa, mais um jogo que precisamos vencer, justamente por conta da vantagem física de ter o time saindo de San Francisco (Santa Clara na verdade, né?!) para jogar do outro lado do país.

Mais uma sequência de duas equipes da mesma divisão pela frente (nas semanas 14 e 15), dessa vez AFC East: Buffalo Bills, em Buffalo, e New York Jets, em Baltimore.

Primeiramente, o pesadelo de qualquer time da NFL: jogar em Buffalo em dezembro. Considerando a nossa força no jogo corrido, podemos vencer apesar da friaca. Talvez tenhamos até um benefício por isso. Contra o Jets, no reencontro com o CJ Mosley, o Ravens precisa se aproveitar da vantagem esportiva que é ter um Thursday Night em casa e somar mais uma vitória.

A partir daí, é hora de decidir a divisão (eu espero, né?!). Na penúltima semana uma viagem para Cleveland em uma partida que pode perfeitamente ser remanejada para o Sunday Night Football. A minha projeção (nada clubista) é que esse jogo esteja valendo a divisão para uma das duas equipes. Não apostaria na vitória aqui, vamos torcer para que isso apenas mantenha a divisão aberta e dependendo só de nós mesmos para conquistar ela…

… na última semana contra o Pittsburgh Steelers, em Baltimore. É hora da briga de foice no escuro. Enfrentar o maior rival, na última semana, dois dias antes do ano novo, para decidir nossa temporada. Hora de vencer e se garantir nos playoffs novamente. Dessa vez, para ir longe.

Projeção: 11-5 (totalmente isenta)

1 COMENTÁRIO

  1. será uma grande temporada… uma surpresa a cada jogo… mas dizem a o titulo assim é mais gostoso… quando eh suado… sofrido 😀

DEIXE UMA RESPOSTA