Você é o General Manager do seu time coração e tem a oportunidade de contratar um wide receiver na free agency que tem nada mais nada menos do que 11.263 jardas recebidas e 75 Touchdowns na carreira. Você faria sem pestanejar, certo? Mas e se esse jogador fosse Antonio Brown? Essa deve ser uma das questões recorrentes durante essa off-season.

O recebedor foi pivô de muitas polêmicas extra-campo durante a última temporada, incluindo duras críticas a ex companheiros de Pittsburgh Steelers; algumas direcionadas ao QB Ben Roethilisberger; especialmente sobre o comportamento dele dentro do vestiário.

Brown quer provar que mudou de atitude, ou ao menos essa é a impressão que ele tem tentado deixar. Na última quarta-feira (12), o jogador fez um post em seu Instagram pedindo desculpas a Big Ben: “Eu nunca percebi o quão bem eu estava”. Ainda acrescentou: “Nunca haverá outra conexão como a que tivemos na última década”. Confira a publicação na íntegra:

Entretanto, não são apenas com chiliques; como os que ele protagonizou em Oakland forçando o time a dispensa-lo depois de tanto caos e problemas de relacionamento; ou como os expostos em Pittsburgh, que os times da liga que estão pensando em adquirir Brown têm de se preocupar. O jogador está sendo investigado pela NFL por agressão sexual, no qual ele foi acusado formalmente pela sua ex treinadora de estupro. A liga também investiga uma má conduta sexual em outra situação, mas dessa vez sem envolver processo judicial.

Como se não bastasse todas essas questões extra campo, também é válido lembrar que AB tem 31 anos e durante a próxima temporada já terá completado 32. Ou seja, obviamente vai existir um declínio físico da sua parte; ainda mais considerando que jogou apenas uma partida pelos Patriots no último ano e desde então não entra em campo e não treina com a intensidade costumeira.

É verdade que a parceria Big Ben e Antonio Brown foi uma das mais mortíferas que a NFL já viu e sua capacidade atlética é inegável. Concentrado e apenas como jogador ele sem dúvida seria um wide receiver muito útil em praticamente todos times da liga. Porém, hoje o “pacote” que envolve adicionar o atleta ao plantel vai muito além do campo, e as questões de relacionamento e as graves investigações; mesmo que infelizmente a liga normalmente não puna com a devida seriedade esses tipos de caso; fazem com que a imagem do jogador esteja extremamente manchada.

Provavelmente ouviremos bastante o nome de Antonio Brown sendo vinculado a várias equipes e, se considerado apenas o atleta, ele com certeza atuaria com facilidade na NFL. Já se pensarmos que é necessário que, no mínimo, um grupo precise de uma convivência saudável, incluir Brown nessa equação não parece ser uma boa ideia. Sendo assim, caberá as franquias analisarem todos os benefícios e malefícios que esse movimento poderia acarretar e concluir se vale a pena correr tal risco.

DEIXE UMA RESPOSTA