Foto: ClutchPoints

O Green Bay Packers anunciou há alguns dias a dispensa do tight end Jimmy Graham do seu plantel. Por mais que sua temporada tenha sido superior a alguns outros TE’s da liga; a equipe de Wisconsin entendeu que o jogador não valeu o investimento feito em 2018, quando assinou com o atleta por US$ 30 milhões; se tornando o atleta da posição mais bem pago da NFL na época.

No entanto, Graham nunca correspondeu com o esperado dentro de campo. Quando o contrato foi assinado, os ‘Cheese Heads’ esperavam um TE parecido com aquela máquina de recepções e jardas de New Orleans; ou ao menos o jogador das duas primeiras temporadas em Seattle.

De fato, isso não ocorreu e o jogador foi dispensado. Agora, o novo clube de Jimmy Graham é o Chicago Bears. Por lá, o jogador chega com a moral de ter tido mais jardas e touchdowns do que todos os TE’s dos Bears somados (mesmo em uma temporada muito abaixo). Com a saída do jogador, Green Bay abrirá 8 milhões de dólares na folha salarial.

Por que não funcionou nos Packers?

Foto: Jeff Hanisch-USA TODAY Sports

Como já dito acima, Graham nunca correspondeu com o esperado dentro de campo. No início, as expectativas era de um jogador batendo recordes e mais recordes de jardas recebidas e touchdowns concluídos; já que o quarterback do time é ninguém mais ninguém menos do que Aaron Rodgers.

No entanto, isso não chegou nem perto do que de fato aconteceu. Em suas duas temporadas pelos Packers, Graham contabilizou 93 recepções, 1083 jardas e 5 TDs; metade dos TDs que ele anotou na sua última temporada nos Seahawks (Uma temporada já não muito boa para ele).

Na última, em 2019, ele teve 38 recepções, 447 jardas e 3 touchdowns durante a temporada regular. Isso tudo mesmo atuando num time cujos recebedores são muito contestados; ou seja, ele deveria ser capaz de ter maior participação nesse contexto.

  • Idade

Analisando os motivos pelos quais Jimmy não funcionou em Green Bay, o primeiro deles é o mais óbvio; a idade. Com 33 anos, Graham já vem de quatro temporadas desde sua última “boa jornada”; em 2016, com os Seahawks. Diante disso, é difícil não contabilizar a idade como um fator que não atrapalhou o desempenho do jogador, por mais saudável que ele seja.

Nessa temporada de 2016, ele teve 65 recepções, 923 jardas, e seis TD’s (basicamente o dobro do que teve em 2019). Após esse ano, Graham teve quedas consecutivas de recepções, jardas e, principalmente, touchdowns; se tornando um jogador cada vez mais reativo e com menos participações decisivas em jogos.

  • Jogador de sistema

Além disso, outro fator de muita importância a ser ressaltada é de que o jogador nunca teve grandes habilidades em bloquear para o jogo corrido e isso foi constantemente usado nas últimas duas temporadas em Seattle e durante toda sua passagem pelos Packers.

Ou seja, colocá-lo em posições que ele não tem o mesmo rendimento não funcionou durante toda sua carreira e mesmo assim, insistiam nessa tentativa. Por mais que Graham seja um jogador totalmente diferente dos demais em atuação hoje, é importante frisa que ele é um jogador de sistema; sempre foi e sempre será. Com isso, tirá-lo de sua posição “preferida” é interferir diretamente no seu jogo e diminuir suas qualidades dentro de campo.

Busca da redenção

Foto: Getty Images

Enfim, poderíamos criar uma série de conspirações para explicar o motivo de Jimmy Graham não ter rendido o esperado na franquia de Wisconsin. No entanto, os erros passados do TE mais bem pago da liga até a última temporada podem ser deixados para trás a partir da próxima.

Com sua ida para os Bears, caberá ao atleta e a comissão técnica cuidarem de sua saúde física e ajeitarem seu posicionamento dentro de campo. Afinal, atual em boas condições e no setor do campo desejado, Graham pode fazer grandes estragos, como todos nós já vimos.

Vale ressaltar com isso, que Jimmy é o único TE da história da NFL a ter duas temporadas com mais de 1.200 jardas percorridas e mais de 10 touchdowns (2011 e 2013, com o New Orleans Saints); e o único a registrar quatro temporadas consecutivas com mais de 85 capturas (2011 a 2014, todas com os Saints).

Por mais que já faça alguns bons anos, por que não dar mais uma ficha de apostas a um dos maiores tight ends dos últimos anos?

DEIXE UMA RESPOSTA