Quando o rei se vai:

Quando um grande ídolo se vai, é comum pensar quase que imediatamente em seu sucessor. Existem casos e casos, alguns, podem sim, ter dado muito certo. Sidney Crosby sucedendo Mario Lemieux na NHL, Aaron Rodgers sucedendo Brett Favre na NFL e Luka Doncic sucedendo Dirk Nowitzki na NBA. Decerto essa esperança sempre irá existir nesses momentos, aos casos citados foram de sucessão instantânea, já que os sucessores chegaram a jogar lado a lado com as antigas lendas.

Com aposentadoria de Buster Posey, fica vago o posto de Receptor titular em San Francisco, e aí entram os concorrentes: Ricardo Genovés, Patrick Bailey e em especial, Joey Bart.

 

 

O que sai a frente na corrida: Joey Bart

A resposta óbvia de quem seria o sucessor de Buster Posey até o ano passado, sem dúvidas seria, Joey Bart. Escolhido na 2ª escolha geral do draft de 2018, Bart era visto como o prospecto de altissímo valor, não atoa recebeu o maior bônus de assinatura da história de um jogador de posição ($7,025,000).

Logo em seu primeiro ano de Minor League, Joey Bart começou a fazer valer toda a esperança que se tinha nele. Bart liderou a Rookie League rebatendo números sensacionais .298AVG/.369OBP/.613SLG, com 13 home runs e 39RBI em 41 jogos. Esses números concederam a Bart nomeações a All-Star das Minors e uma bela crescida no ranking de prospectos.

Em 2019, Bart já figurava no Spring Training dos Giants e foi promovido a Single-A. Contudo, no ano de 2019, perdeu alguns meses por ter quebrado sua mão em um hit by pitch. A lesão não impediu que Bart voltasse em alto nível e conquistasse mais uma vaga de All-Star nas Minors.

Mas nem tudo são flores na vida de Joey Bart, principalmente se tratando do ano de 2020, onde ele foi do céu ao inferno. Com o anuncio de que Buster Posey havia optado por não jogar a temporada por questões pessoais envolvendo a Covid-19, Joey Bart recebeu a chance de fazer sua estréia na MLB.

O experimento, óbviamente deu errado. O principal prospecto de San Francisco não estava nem de perto preparado para atuar na Major League, dada a baixa quantidade de jogos que ele tinha nos niveis inferiores. Joey Bart chegou em base em menos de 30% das oportunidades e rebateu próximo aos 23%, além de algumas boas falhas defensivas.

Para muitos, o valor de Joey Bart caiu muito desde então. O que fez que o prospecto perdesse muito da graça com uma parte da torcida. Porém, voltando para 2021, no seu segundo ano completo de Minors, Joey Bart fez uma temporada muito sólida na Triple-A, além de aparecer bem nos dois jogos que foi solicitado na MLB.

A chegada de Bart na Major League já era ventilada por muitos nomes dentro da franquia. Era esperado que já em 2022, Joey Bart subisse como reserva de Buster Posey. Porém, com a aposentadoria de Posey, Bart talvez tenha que amadurecer ainda mais rápido se quiser recuperar o carinho da torcida.

É esperado que ele seja o sucessor imediato na posição, dessa vez, como titular. Metade de um ano ruim, não desqualifica Joey Bart como um nome promissor da franquia. Seus números nas Minors são provas de que ele merece mais uma chance real, na Major League Baseball. Caso Bart se firme na MLB, sua carreira nas ligas menores terá sido tão curta, como a de Buster Posey.

 

O Golden Boy: Patrick Bailey

Selecionado na 13ª escolha geral do draft de 2020, Patrick Bailey é uma verdadeira jóia nos sistema de farm dos Giants. Bailey rebate com potência em ambos os lados do plate, com um jogo defensivo tão impressionante quanto o ofensivo. Após rebater 29 home runs em sua temporada no College, o front office não pode deixar de o selecionar, mesmo com Joey Bart já fazendo parte da organização.

Patrick Bailey não atuou no ano em que foi draftado por conta da pandemia da Covid-19. No começo de 2021, foi designado a já começar no Eugene Emeralds na High-A. Apesar do começo forte já rebatendo home runs, o passo certamente foi maior que a perna, com isso, Bailey teve que retornar a Low-A. Contudo, jogando por San Jose, Patrick não decepcionou, sendo um dos melhores jogadores da divisão. O prospecto rebateu com maestria, acúmulando números de .322AVG/.415OBP/531SLG com 7 home runs, 24 RBIs e 16 duplas em 47 jogos.

Certamente a temporada que fez Patrick Bailey acendeu uma luz vermelha no retrovisor de Joey Bart, por mais distante que Bailey ainda esteja de ser uma possibilidade na MLB. A previsão de chegada a liga é para o ano de 2023. Bailey é para quem a organização irá olhar, caso Joey Bart realmente não se torne o que se espera dele.

 

 

Contra todas as apostas: Ricardo Genovés

Certamente Genovés nunca foi o favorito nessa briga, ainda mais competindo com dois prospectos gigantescos. Porém, encontra-se coragem em locais inesperados. O Venezuelano que assinou com os Giants em 2015 passou fora dos radares por muito tempo, até essa temporada.

Genovés fez em 2021, a sua melhor temporada da carreira em Minors. Apesar de estar na organização desde 2015, Ricardo chegou com apenas 16 anos a San Francisco. Com muitas coisas ainda a melhorar, foi considerado desde o seu scout como um futuro ‘reserva útil’.

Em 2021, o Catcher latino rebateu de forma irrepreensível. Começando do nível mais baixo das Minors, Genovés terminou o ano na Triple-A, o nível mais alto. É temerário postular que Genoves já figura como um dos principais nomes para figurar na MLB, mas é certo falar que seu nome já pode ser cogitado em pouco tempo.

 

A sucessão do Rei

 

São muitos nomes e o futuro é incerto, porém uma coisa é fato: Não se faz um novo Buster Posey da noite para o dia, talvez nunca se faça. O que resta ao torcedor dos Giants é a paciência com os jovens que já estão na organização, pois essa farm é considerada por muitos especialistas como a melhor nos últimos 40 anos. Posey foi um Catcher de tamanho inenarrável, rebateu .300 a carreira inteira jogando em uma posição tradicionalmente defensiva. Talvez o futuro na posição seja algum jogador mais defensivo, como Travis D’Arnaud. Talvez o futuro seja um catcher de potencial ofensivo gigantesco, como o Will Smith. Quiçá o destino tenha a gentileza de contemplar San Francisco novamente com um Catcher do calibre de Buster Posey, com virtude tanto em ataque quanto em defesa.

Mas de uma coisa o torcedor da baía de San Francisco sabe, a camisa 28 sempre será incomparável e insubstituível.

DEIXE UMA RESPOSTA