Na coluna de hoje vamos abordar os principais destaques positivos e negativos do último jogo do Steelers e também fazer um preview de leve para a próxima rodada. 21×18 não foi exatamente o placar esperado para uma estreia contra os Browns. O jogo não foi exatamente tão apertado quanto o placar indica, especialmente no segundo tempo. Também vale ressaltar que é apenas a primeira semana da temporada, rodada que tradicionalmente é recheada de resultados estranhos e equipes ainda se adaptando a novos sistemas e jogadores.

O bom

A defesa fez o jogo terrestre dos Browns e nada serem coisas muito parecidas. A pressão constante em DeShone Kizer também foi excelente contra uma linha ofensiva que, em teoria, é muito boa. Alguns dos sete (7!!) sacks devem ser colocados na conta do calouro segurando demais a bola, mas Kizer também escapou de algumas situações difíceis com as pernas. Os Browns foram 3 de 12 em terceiras descidas mostrando que, além de pressionar e parar o jogo terrestre, o cortina de aço conseguiu sair de campo.

TJ Watt e Anthony Chickillo tiveram dois sacks cada. Watt adicionou uma interceptação a sua estreia primorosa e Chickillo um touchdown no special teams. Defesa e equipes especiais aparecendo em um dia que precisamos mais deles do que o esperado.

Antonio Brown agora é o recebedor com mais jogos de 100 jardas (30) da história do Pittsburgh Steelers. Um gigante que apareceu quando o resto do ataque mais precisava.

 

O ruim

Um mísero first down através de corrida e 35 jardas totais pelo chão (oito jardas foram perdidas com Big Ben ajoelhando no final do jogo). Por mais que tenham sido apenas 14 corridas de um enferrujado Bell e do calouro Conner, o desempenho foi muito abaixo. O jogo aéreo também não foi muito melhor. Antonio Brown foi o hall of famer de sempre e contabilizou 182 das 263 jardas de Big Ben, mas o próprio Ben teve uma daquelas interceptações desnecessárias. Bryant, assim como Bell, não teve uma volta ao seu ritmo habitual tão rápida quanto o esperado.

Todd Haley foi muito criticado pelas chamadas mas eu realmente acredito que nosso coordenador ofensivo estava tentando preservar Bell e o jogo corrido, apostando em screens e passes rápidos para substituir as corridas. A esperança é que com Bell e Bryant entrando em sincronia com o resto do time o playbook se diversifique.

Stephon Tuitt desviou uma bala com sua lesão no bíceps. Situação do jogador será avaliada durante a semana, mas não vai perder a temporada como o esperado. Que Tuitt volte rápido já que em seu curto tempo na partida contra Cleveland ele foi excelente.

O próximo jogo

A preocupação com o desempenho ofensivo cresce quando vemos que o adversário do próximo domingo é o Minnesota Vikings. O ataque de Minnesota com a linha ofensiva reforçada mostrou a que veio contra os Saints, com grande partida de Sam Bradford e Stefon Diggs. Como foi contra New Orleans, é seguro dizer que a defesa do Steelers será um desafio bem maior.

A defesa de Minnesota foi bem contendo e pressionando Drew Brees, sem dar espaços para o jogo terrestre de três cabeças. A redzone foi outro ponto de destaque, com a unidade forçando field goals de 20, 21 e 24 jardas dos Saints.

Os Vikings serão o primeiro teste de verdade do Steelers. A equipe é muito completa e fez uma partida quase impecável contra os Saints. Na defesa a chave do Steelers vai ser pressionar Bradford e forçar o QB a ser a máquina de passes curtos da segunda metade de 2016. No ataque, Ben, Brown, Bell e Bryant terão suas oportunidades, mas o vital será finalizar as campanhas com sete pontos e não três.