1. Meu pai me ensinou desde criança que brigar é errado, mas confesso que sempre fui o mais esquentadinho da turma. De toda forma, uma das regras não-escritas de duelos físicos é que não se bate em alguém que não pode se defender.

O motivo de toda essa baboseira ter aparecido no item é que Rob Gronkowski parece não-compactuar com tal regra. O hit em Tre’Davious White — fora de campo, com o jogo parado e o resultado já definido, causando uma concussão no calouro do Buffalo Bills— foi extremamente sujo, e não há forma alguma de defender o tight end do Patriots aqui. A NFL recentemente suspendeu Aqib Talib e Michael Crabtree por brigas no campo. Não faria sentido algum deixar Gronkowski escapar apenas com uma multa aqui mesmo após o pedido de desculpas: ele causou uma lesão gravíssima noutro jogador de forma injustificável.

2. Eu preciso que você leia a próxima afirmação sem dar risada, pois ela será justificada posteriormente (e, eu juro, isso é verdade).

O Browns tem peças bastante sólidas para construir seu futuro em volta delas.

Não, sério. Tem mesmo.

A fábrica de tristeza denominada Cleveland Browns tem um front seven formidável, um playmaker de qualidade em Duke Johnson Jr. e, embora tenhamos como base exatamente 01 jogos depois de mais de 1000 dias longe da liga, o talento de Josh Gordon fornece-o o benefício da dúvida nesses últimos jogos da temporada.

Dito isso, eu posso lhe garantir que a posição de quarterback não é o maior problema do atual elenco da franquia. Nem mesmo se algum coordenador ofensivo montasse um plano de jogo aonde sua equipe passasse a bola em todos os snaps, a defesa de Gregg Williams não seria capaz de parar o ataque aéreo dos adversários. Isso porque a falta de talento na secundária somada com as incríveis falhas de posicionamento — os safeties ficam longe do resto da defesa assim como a Avril Lavigne costuma ficar longe de seus fãs nas fotos do Meet-and-Greet. Os problemas na posição de safety foram a principal causa do Browns ter ido 1–15 em 2016, e são a principal causa do Browns estar 0–12 em 2017.

3a. O Chargers começou a temporada com quatro derrotas consecutivas, o Raiders começou a temporada com duas vitórias consecutivas e o Chiefs foi o último time a perder a invencibilidade na NFL, fazendo-o apenas na sexta semana da temporada. Incrivelmente, todas essas equipes se encontram empatadas com .500 na liderança da AFC West. Nós vamos chegar no Broncos mais embaixo, mas o que acontece na divisão Oeste da conferência americana é incrivelmente bizarro — ainda mais levando-se em consideração que Los Angeles é o time mais competente da divisão há semanas. Numa temporada aonde absolutamente nada faz sentido, é quase como se a disputa pela melhor campanha dentre o grupo fosse uma representação americana do famoso reality japonês Slippery Stairs — com a diferença que, enquanto você se diverte vendo a versão japonesa, toda semana desperta um novo sentimento confuso na versão yankee.

3b. Se você nunca viu Slippery Stairs, abra o YouTube agora mesmo e assista-o. Eu prometo que vale o tempo gasto.

4. Num universo paralelo, eu sou um importante membro da comunidade que tem poder de decisão na NFL e tenho de dar meu voto para o prêmio de técnico do ano. Nesse universo, eu não teria dúvida alguma de que o escolhido seria Todd Bowles, HC do Jets.

O Jets não faz uma campanha brilhante — 5–7, o que representa 5 vitórias a mais do que eu esperava antes do início da temporada. O que impressiona em Bowles é que todo mundo (sim, todo mundo. Você também. Não se faça de desentendido) esperava um Jets que não competiria em momento algum da temporada, e a equipe de New York o faz com uma equipe bastante abaixo da média em termos técnicos, compensando a deficiência em talento com vontade e competência. Não, o Jets não deve ir aos playoffs, e é bem verdade que cada vitória a mais significa uma posição pior no Draft para buscar o tão sonhado franchise quarterback nessa classe. Todavia, New York não foi adepta do tank em momento algum, contrariou diversas expectativas e nesse momento está viva na temporada. Bowles merece total reconhecimento.

5. O quarterback mais lindo a já ter pisado num campo de NFL finalmente fez a estreia pelo San Francisco 49ers e ajudou a equipe a vencer o Chicago Bears, mostrando que a teoria de que qualquer-jogador-que-saiba-ler-uma-defesa-consegue-produzir-no-ataque-do-Shanahan é verdadeira. Não foi uma vitória de impressionar — os 49ers venceram por 15–14 chutando 5 field goals, e Garoppolo teve 26/37, 293 yds e 1 INT na stat line — ; contudo, agora que a nova estrela de San Francisco já conquistou a primeira vitória pela nova equipe, podemos focar no que realmente importa: a beleza do jogador.

6. São 13 semanas no passado e eu ainda não tenho a menor ideia do que é o Detroit Lions em 2017. O time começou 3–1. Depois, 0–3. Depois, 3–0. Agora, 0–2. O Lions é extremamente inconsistente e você nunca sabe o que lhe espera durante a semana, o que é frustrante para o torcedor.

7. Mike McCarthy confia em Brett Hundley tanto quanto você confia naquele amigo preguiçoso que sempre atrasa os trabalhos do colégio/faculdade. De alguma forma, no entanto, o Packers continua vivo na temporada e a possibilidade de Aaron Rodgers voltar na semana 15 é o boost necessário para a arrancada rumo a pós-temporada. Green Bay (6–6) deve vencer com tranquilidade Cleveland na próxima semana e ter confrontos importantíssimos contra Carolina, Minnesota e Detroit. O Packers está vivo.

8. Eu diria que a temporada do New York Giants está abaixo do que seria considerado ideal; ainda assim, um mea culpa se faz necessário: eu dei risada quando o Giants draftou Evan Engram na primeira rodada, e ele tem sido o único ponto positivo num ataque que teve 24 pontos como a maior pontuação da temporada. Com Beckham, Marshall, Shepard e Engram juntos e saudáveis em 2018 (e, o torcedor do Giants espera, com uma linha ofensiva que não seja tão ruim), New York tem tudo pra voltar a ameaçar na NFC East.

9. Essa é a estreia da coluna, que vai ao ar na segunda-feira de manhã no Fumble na Net, tentando rever a rodada de um jeito diferente e mais informal. Tem alguma crítica ou sugestão? Conte-nos no Twitter @henrique_bulio! Perdeu os lances dos jogos? Clica aqui e assiste aos melhores momentos da semana!