Por Pedro Jorge Marinho

Colaboração: Carol Vago

O JOGO

Como sempre, não há jogo tranquilo quando se trata da franquia Indianapolis Colts. Após ceder dois touchdowns rápidos, e com mais uma INT do Brissett no OT, parecia que perderíamos mais uma. Mas em uma tarde inspirada do rookie Marlon Mack e fator o ADAM VINATIERI, conseguimos uma vitória em um fim de semana de homenagens ao nosso eterno QB #18 Peyton Manning.

Em nossa primeira campanha, variamos bem passes e corridas e chegamos rapidamente ao ataque. Mas após um sack e um false-start do T.Y. Hilton, recuamos e perdemos a chance do TD. Mas ainda temos um kicker que muito time sonha em ter. Adam Vinatieri manda uma bomba de 52 jardas no filó. 3×0! Chega a vez de Brian Hoyer ao ataque. Com boas conexões para Garçon e Goodwin, o 49’ers chega também ao ataque, mas falha em capitalizar o TD. Robbie Gould conecta para empatar o jogo, restando 2:37 pro fim do primeiro quarto.

Após uma sequência de seis punts consecutivos entre os times e com 4:56 para terminar o primeiro tempo, o Colts chega na redzone do 49’ers no Two Minute Warning. Mas mais uma vez, com chamadas questionáveis, falhamos para avançar seis míseras jardas. 6×3 e 1:03 no relógio, tempo mais que suficiente para Brian Hoyer encontrar Pierre Garçon completamente livre entre os nossos fraquíssimos ILBs para 25 jardas. Após mais 25 jardas de avanço, o 49’ers empata o jogo com um FG. Vale ressaltar que além de ruim Pagano é fraco, pois Robbie Gould errou o primeiro FG, mas nosso HC pediu tempo para congelar o kicker… Intervalo e vaias.

A primeira posse após o intervalo foi do 49’ers, mas em um momento de lucidez da defesa conseguimos um three-and-out após um sack em conjunto do Jabaal Sheard e Jeremiah George. Alternando passes, corridas e ajudados por duas faltas da defesa, chegamos à linha de 12 do campo de ataque. Não preciso nem dizer o que aconteceu de novo. Primeiro, em uma tentativa de wildcat, Gore recebe o snap, sofre fumble e perde 8 jardas. Na jogada seguinte Brissett sofre um sack, perda de mais 11 jardas. E após 11 jardas num passe para o Turbin, Vinatieri coloca mais um lá dentro. 9×6!

A campanha seguinte do 49’ers terminou em mais um three-and-out, mas escapamos por pouco de ceder um caminhão de jardas na terceira descida. Tudo porque a defesa ficou confusa, o Davis não sabia quem marcar, Bostic estava perdido e só quatro foram na pressão… Sorte que o Sheard chegou a tempo no Hoyer. Mais um sack pra conta do #93, sendo, até o momento, a melhor aquisição de Chris Ballard na free-agency.

Voltamos a campo. Em uma 2nd & 9, Brissett chama um screen pass para Frank Gore. O veterano quebra tackles e ganha 26 jardas na jogada. Na jogada seguinte, Marlon Mack começaria a fazer sua história na partida, com um ganho de 11 jardas. Logo em seguida, uma corrida maravilhosa, fugindo pela lateral, e touchdown de 22 jardas para o calouro. 16×6 para pressionar o adversário, faltando 3:17 para terminar o 3º quarto.

Hoyer consegue conduzir uma boa caminhada do ataque adversário, mas erra um passe fácil na direção do Garçon. Termina em field-goal. 16×9 e 13:39 no último quarto. Em seguida, começamos a campanha que, teoricamente, daria um ponto final à partida. TEORICAMENTE…

Com uma bomba de 63 jardas do Brissett para T.Y, avançamos muito no campo. Mesmo com um holding do Moncrief que quase comprometeu, Marlon Mack mostrou que era seu dia. Numa 3rd & 15, o RB corta para a direita novamente, quebra tackles e para na linha de uma jarda. Na sua especialidade, Brissett confunde a marcação num shotgun e corre para o TD em seguida.

O Colts tinha exatamente 9:56 para segurar a vantagem de 14 pontos e parecia que pelo segundo tempo da defesa, conseguiríamos tal feito. Mas não foi isso que vimos. A arrancada do 49’ers começou com um passe de 20 jardas para o Goodwin. Logo em seguida, Hoyer acerta um passe perfeito de 51 jardas para o mesmo Goodwin. Bola na linha de 8 jardas. E após um passe para Juszczyk, 23×16, numa campanha estilo two-minute drill para vencer um jogo. Tínhamos 8:00 para gastar o máximo de tempo possível… Conseguimos apenas um first-down e queimamos apenas dois minutos e trinta e nove segundos do relógio.

Volta San Francisco… Hoyer encontra seus alvos com extrema facilidade, explorando nossa maior fraqueza que é o miolo defensivo e a péssima fase do Vontae Davis. Controlando o relógio de forma exemplar, a campanha termina com o TD do Kittle. 23×23. Prorrogação… Quase inacreditável…

Com a primeira posse de bola, o Colts é beneficiado com um holding defensivo numa 3rd & 9 onde o passe foi incompleto. Em outra 3ª descida longa, Brissett conecta para Moncrief para 15 jardas. Em seguida, a jogada que parecia determinar o fim do jogo. Outra bomba na direção do T.Y. Hilton para 46 jardas. Faltavam oito jardas… INT… Mais uma no OT… Passe telegrafado pelo #54 Armstrong, que ainda ganha 29 jardas na jogada. O 49’ers precisava avançar 43 para deixar Robbie Gould em condições de anotar o FG da vitória. Mas Hoyer erra um passe crucial para Matt Breida numa 3rd & 15. Punt

Começando na linha de 18 do seu próprio campo e com 3:39 para terminar, conseguimos o first-down num passe de 7 jardas para o Moncrief. E brilhou a estrela do nosso #25. Marlon Mack arranca 35 jardas numa corrida espetacular! Bola posicionada na linha de 33 jardas. Adam Vinatieri, se tornando o 2º na história com mais tentativas de field-goal, nos dá mais vitória. Nada mais justo que o único homem que jogou com Peyton Manning ainda em atividade pelo Colts, colocasse o ponto final na partida. 26×23. UFA!

PONTOS POSITIVOS:

  • Marlon Mack!!! Com 91 jardas em 9 carregadas, o rookie destruiu a defesa do 49’ers e nos permitiu vencer o jogo com o FG no OT. Precisa ser mais acionado e de forma correta. Chamadas onde precisa quebrar os tackles não ajudam. É preciso enganar a marcação para abrir espaços que possibilitem corridas longas pelas laterais, favorecendo o estilo explosivo do jogador;

  • Adam Vinatieri tem que ser eterno. Nosso kicker conectou os quatro FG’s e os dois XP’s. QUE HOMEM!
  • TY Hilton mais uma vez calando os críticos. Com 177 jardas em sete recepções, o WR foi fundamental para nosso avanço em campo, mesmo que não tenha anotado TD;
  • Rigoberto Sanchez está fazendo com que não tenhamos a mínima saudade de Pat McAfee. Com quatro punts (todos dentro das 20 jardas, dois dentro das 10 e um dentro das 5) o ataque adversário se viu obrigado a começar sempre com as costas na parede;
  • Jabaal Sheard está mostrando seu devido valor em campo. Com 1,5 sacks, deu um banho no LT pro bowler Joe Staley. Sob a orientação do futuro Hall of Famer Robert Mathis, nosso OLB tem tudo para crescer ainda mais;
  • Ryan Kelly nos dá uma tranquilidade absurda. Nenhuma pressão veio através dele;

  • Matthias Farley parece se consolidar cada vez mais no time, mais uma vez esteve bem e quase conseguiu mais uma interceptação.

PONTOS NEGATIVOS

  • Vontae Davis não é mais o mesmo. Em mais uma péssima partida, tomando um banho de bola de Marquise Goodwin e de George Kittle, o CB não fez UMA boa jogada a partida inteira;
  • Nossos ILBs… Não interessa quem esteja em campo, não iremos conseguir nada com esse estilo de jogo horroroso onde ninguém marca o meio campo. Bostic, Morrison e George (mesmo com o sack) parecem perdidos;
  • CHUCK PAGANO E TODO SEU STAFF! Não existe você colocar uma defesa em modo prevent com ainda 8:00 para jogar e ainda assim levar passes infinitos nas costas da secundária. É inacreditável! São 99 pontos contra e 25 a favor após o intervalo em apenas cinco jogos! Não há justificativa para a (quase) entregada nos últimos minutos. A trick-play no primeiro punt do 49’ers quase causou infarto coletivo no Lucas Oil Stadium e ainda fez com que o #81 Krishawn Hogan rompesse o ligamento cruzado anterior. Algumas chamadas no ataque foram muito questionáveis, principalmente nos minutos finais. O time pode até ser ruim, mas é muito mais mal treinado;
  • 750 jardas, 4 TD, 0 INT e 69,6%, 110,2 de rating. Esse é o desempenho de Brian Hoyer (!!!) nos últimos dois jogos contra o Colts… É para desgraçar a cabeça de qualquer um…
  • O posicionamento de Jeremy Vujnovich como LG e Joe Haeg como RT não está funcionando. É muita pressão vindo através desses dois. Esperamos que os reais titulares tenham condições de jogo em breve.

AS ATUAÇÕES

O que esperar de uma defesa treinada por Chuck Pagano contra um ataque treinado por Kyle Shanahan? Ainda que as peças disponíveis ao novo HC de San Francisco não fossem tão boas quanto as usadas no ataque do Falcons da temporada passada, o jovem treinador conseguiu colocar em prática o que sabe fazer de melhor: explorar espaços entre os ILBs e demais jogadores de linha ou da secundária.

É difícil para um torcedor ver que o pior homem em campo pelo Colts (Jon Bostic) foi utilizado em todos os snaps defensivos (72). A “dupla dinâmica” de ILBs formada com Antonio Morrison parece piorar a cada jogo. Indecisão durante as jogadas, posicionamento ruim, tackles perdidos… Alguns se perguntam como Sean Spence pode ter sido tão ruim a ponto de perder a vaga no roster para dois jogadores nitidamente incapazes de jogar futebol americano profissionalmente.

Foi exatamente aproveitando a fragilidade do Colts que Pierre Garçon, antigo conhecido do time de Indianapolis, conseguiu receber 8 passes para 94 jardas. De 11 vezes que o recebedor foi alvo de Brian Hoyer, 10 foram em ocasiões de passes curtos. Desde o início do jogo Shanahan usou de artifícios conhecidos desde a temporada passada para castigar a defesa adversária. Parece que Pagano ainda não aprendeu a ver tapes, estudar adversários e posicionar os jogadores de forma a cobrir os espaços no meio do campo em passes curtos.

Enquanto isso, Marquise Goodwin deixava Vontae Davis louco nas laterais do campo. Todos sabemos que Vontae vem se recuperando de lesões (que se tornam cada vez mais recorrentes), no entanto esperava-se uma melhora de rendimento do jogo passado para este. Não foi o que vimos, muito pelo contrário. O CB de 29 anos parece cada vez mais perto da decadência, não consegue se movimentar corretamente e aparentemente a lesão na virilha tem atrapalhado a sua movimentação, mudança de direção e, consequentemente, o poder de marcação. O número de torcedores que acredita que Davis está chegando ao fim da carreira (graças ao combo lesões + idade) tem aumentado cada vez mais, principalmente ao ver as ótimas atuações de Quincy Wilson.

O posicionamento indicado pelos técnicos também não ajudou a secundária. Por diversas vezes vimos marcações um tanto quanto duvidosas: Matthias Farley auxiliando na marcação de Goodwin em profundidade enquanto o S mais veloz, Malik Hooker, era responsável pela aproximação ao box fazendo tackles em TEs. Na jogada do TD de Kittle o safety calouro foi responsável por marcar, sozinho, um jogador quase 20 quilos mais pesado e 10 centímetros mais alto, muito mais forte e capaz de ganhar jardas após a recepção, empurrando Hooker para a endzone. Já passou da hora de Pagano e seu staff repensarem a forma de jogar da defesa ou, quem sabe, na profissão que exercem…

Nossa defesa parece gostar de consagrar Brian Hoyer… alguns irão se lembrar de um Colts @ Texans na semana 5 da temporada de 2015. Na ocasião o Vovô Hasselbeck garantiu a vitória com a ajuda de Andre Johnson, ainda que Hoyer tenha lançado para 312 jardas, 2 TDs e 1 interceptação entrando no jogo  aos 6 minutos do 2º quarto, após início de partida ruim de Ryan Mallet. Dessa vez o “vovô” responsável pela vitória foi Adam Vinatieri, chutando o 27º FG da vitória na carreira, sendo o 10º em prorrogações. Vina ainda ultrapassou Gary Anderson, chutando o 539º (!!!!!) FG de sua carreira, ficando atrás apenas de Morten Anderson, que em 26 FGs a mais.

No próximo Monday Night Football iremos à Tennessee enfrentar o Titans em nosso primeiro confronto de divisão. Ainda sem Andrew Luck, Jacoby Brissett irá comandar o ataque mais vez. Uma vitória seria muito bem-vinda já que possivelmente Marcus Mariota não joga e a defesa do Titans não é essa maravilha toda. Que seja uma semana proveitosa de correção de erros e recuperação dos contundidos para chegarmos no dia 16 descansados e com sede de vitória. GO COLTS!!! (2-3).

PS: Como não se emocionar com a estátua do Peyton Manning na entrada do estádio? Como não ser nostálgico no último snap de Jeff Saturday para Manning que conecta para nosso eterno #87 Reggie Wayne na endzone? Ê, Manning… Como foi bom ver você jogar. Aproveite sua aposentadoria porque sua história está escrita e forjada em Indianapolis e em nossas vidas.