Até pouquíssimo tempo atrás quando se falava em Steelers, ótimas defesas, físicas, agressivas e explosivas eram associadas à franquia de Pittsburgh. O que está sendo visto em 2016, ou melhor, de uns 3 anos para cá, é exatamente o contrário. Uma defesa do Steelers cheia de falhas, com uma secundária muito fraca e atuações ruins. Em 2016 tudo isso pode ser somado a um pass rush totalmente ineficiente.

Em seu segundo ano à frente da defesa do time, Keith Butler, que substituiu o lendário coordenador defensivo Dick LeBeau, que ficou no comando da defesa entre 2004 e 2014, está sofrendo para tentar trazer a unidade de volta ao lugar onde ela ganhou fama. Não é exagero algum falar que o Steelers historicamente tem tido as melhores defesas da era Super Bowl. Claro que já vimos outras defesas sensacionais além da Steel Curtain da década de 70, como a Purple People Eaters, do Minnesota Vikings nos anos 70, Chicago Bears em 1985, Baltimore Ravens em 2000, Tampa Bay Buccanneers em 2003, Seattle Seahawks em 2013 e mais recentemente, o Denver Broncos de 2015. O próprio Steelers nos anos 2000 chegou a ter a melhor defesa da liga em anos consecutivos e quase sempre esteve entre as top 5 em jardas e/ou pontos cedidos. Nos últimos 26 anos, a defesa do Steelers esteve entre as 10 melhores incríveis 19 vezes, liderando a NFL em 6 temporadas.

O cenário desde 2013 começou a mudar. As escolhas questionáveis nos últimos drafts estão atrapalhando a manutenção da unidade, que começou a sentir as consequências. Em 2012 e 2013 o time esteve fora dos playoffs, mas a defesa ainda não foi tão mal, porém os jogadores que fizeram grande sucesso nos anos 2000, como Troy Polamalu, Brett Keisel, James Harrison (ainda com o time aos 38 anos de idade) e cia estavam ficando velhos e não rendiam mais como no auge de suas carreiras.

Em 2014, último ano de LeBeau comandando a defesa, a unidade foi muito mal, ficando entre as 10 piores da liga, o ataque segurou as pontas, ganhou a divisão, porém caiu no wild card diante do Baltimore Ravens. Com isso, o Steelers resolveu cortar laços como o coordenador defensivo, que desde 2015 está no Tennessee Titans. Dentro da filosofia “Next Man Up”, o time promoveu Keith Butler, que já estava com a franquia desde 2003, como técnico de linebackers. Em 2015, em seu primeiro ano, o time teve uma piora significativa no número de jardas cedidas por jogo, porém houve uma melhora muito grande jogando na redzone. Foi um dos melhores da liga evitando pontos nas últimas 20 jardas do campo e foi o 11º em pontos cedidos na NFL. A defesa contra o jogo corrido se consolidou muito bem e pressões nos QBs adversários eram muito comuns. O time ficou em 3º em número de sacks na temporada, perdendo apenas para Broncos e Patriots. Com altos e baixos na temporada, o time caiu no Divisional Game, diante do Broncos, que – com uma forte defesa – viria a ser o campeão do Super Bowl.

Steel Curtain - Dwight White, Ernie Holmes, L. C. Greenwood e “Mean Joe” Greene
Steel Curtain – Dwight White, Ernie Holmes, L. C. Greenwood e “Mean Joe” Greene

Parecia que a defesa estava renascendo das cinzas, que o legado da lendária Steel Curtain não seria apagado tão fácil…chegamos em 2016. Aqui o negócio fica tenebroso. Com sete jogos disputados, o time ainda lidera a divisão e descansa na semana 8, voltando a jogar apenas na semana 9 fora de casa contra o arquirrival Baltimore Ravens. A defesa contra o jogo corrido, antes da partida contra o Miami Dolphins na semana 6 era a 9ª colocada, após esse jogo e a derrota para o New England Patriots no último domingo, o time ocupa a 16ª colocação no quesito. Contra o passe o negócio fica ainda mais feio. O time ocupa a 28ª posição defendendo o jogo aéreo, à frente de Browns, Saints, Falcons e Raiders. Historicamente o Steelers nunca teve uma secundária poderosa, a chave do sucesso da defesa sempre esteve na linha defensiva e linebackers que conseguiam pressionar os QBs adversários, forçando turnovers ou passes incompletos, encerrando campanhas de maneira prematura. Era assim que a secundária e toda a defesa sobrevivia, foi assim que a defesa sobreviveu em 2015, no famoso “enverga, mas não quebra”, ou seja, cede um caminhão de jardas, mas segurava bem os ataques no fim do campo, sendo um dos principais times forçando turnovers na redzone.

Como já foi falado, talvez uma das grandes causas do que vem acontecendo nos últimos 3 anos com a defesa seja os drafts. Em 2014 o time conseguiu bons nomes em Ryan Shazier e Stephon Tuitt, nas duas primeiras rodadas, porém antes disso passou um bom período sem “formar” bons nomes defensivos. Em 2015 dedicou novamente as duas primeiras escolhas na defesa. Na primeira rodada veio o bom, porém cru OLB Bud Dupree, que teve um bom começo de temporada, mas caiu muito de produção. Na segunda rodada veio o CB Senquez Golson, que até hoje não pisou nos gramados da NFL, após graves lesões. Em 2016, o time foi além, escolheu dois jogadores de secundária nas duas primeiras escolhas (Artie Burns e Sean Davis) e ainda escolheu um DL na terceira rodada. O time não escolhia um defensive back na primeira rodada desde o já aposentado e ídolo da torcida Troy Polamalu em 2003. O front office com certeza buscava um rápido impacto no time, para tentar melhorar a defesa contra o jogo aéreo.

Defesa do Steelers em 2008, quando foi a melhor da NFL
Defesa do Steelers em 2008, quando foi a melhor da NFL

Folgando na semana 8, o time amarga a última posição em sacks, com apenas 8, além de continuar falhando em fundamentos básicos do jogo, como dar tackles. Apesar de ser “prata da casa”, o DC Keith Butler vem sendo muito criticado pela torcida pela maneira conservadora de posicionar sua defesa, aceitando passes curtos e tentando parar os avanços nos tackles, mas claramente isso não vem dando certo.

Vale ressaltar também que o time ficou sem suas principais estrelas defensivas, Cam Heyward e Ryan Shazier durante alguns jogos, por causa de lesões. Shazier já está de volta, e Heyward espera voltar em breve, talvez já no próximo jogo, porém mesmo com eles, o comportamento da unidade, como um todo, não vem agradando a torcida, que está perdendo a paciência… Novamente, Steelers sempre foi conhecido pelas fortes defesas, e atuações como essas vem surpreendendo negativamente quem é fã do jogo e sempre foi acostumado a ver a intensidade dos defensores da franquia.

Talvez o time precise de outro draft como o de 1974 (considerado o melhor draft já realizado por um time em todos os esportes), para tentar acabar com essa situação. Muito dificilmente esse raio cairá no mesmo lugar, porém o front office precisa começar a acertar nas escolhas dos jogadores para poder colher bons frutos no futuro. Com um ataque poderoso, o time vem sendo sempre apontado como um dos favoritos para ganhar o Super Bowl, mas fica difícil colocar todo o fardo apenas em um dos lados da bola. Olho no futuro.