O Draft 2017 da NFL se encerrou hoje, dia 29 de abril, e para boa parte da torcida a sensação é de que alguma coisa ficou faltando. E de certa forma eles tem razão. Muita gente especulava e torcia para que um wide receiver fosse draftado pelo menos entre as três primeiras rodadas. Esse jogador não veio e o pensamento se voltou para a possibilidade do staff ter encontrado nas picks mais baixas um daqueles talentos fora dos holofotes que teriam tudo para brilhar na NFL. E mais um vez, a espera foi em vão.
Se de um lado nossa secundária precisava de profundidade e havia a necessidade de um pass rush que funcionasse, do outro lado temos uma linha ofensiva indisciplinada e que não consegue proteger seu quarterback de forma eficiente, além de uma carência no corpo de recebedores, principalmente desde a aposentadoria do WR Steve Smith Sr. Breshad Perriman, uma das grandes esperanças do time, ainda não mostrou para que veio, tornando Dennis Pitta o principal alvo de Joe Flacco. Essa sobrecarga em cima do TE não vem trazendo bons resultados positivos à equipe.
Das novidades para a temporada 2017, apenas o Running Back Danny Woodhead, ex Chargers foi um reforço de peso para o ataque do time, e nomes que se especularam na Free Agency não passaram de especulação, muito por conta do cap limitado dos Ravens.
Para não dizer que a ofensiva dos Ravens foi completamente ignorada, as escolhas de quinto e sexto rounds procuraram justamente atacar as necessidades da OL: o OG Nico Siragusa, de San Diego e o G/T Jermaine Eluemunor, de Texas A&M. Ambos vem adicionar agilidade e versatilidade ao setor: especula-se que Nico Siragusa entre para a equipe como Center, já Eluemunor pode ser colocado tanto na posição de Guard como RT, posição em que que jogou 9 dos 12 jogos que disputou em seu último ano no College.
Bom, mas ainda é pouco para quem desejava ver um reforço no corpo de recebedores do time de Maryland. Nas entrevistas coletivas concedidas após o primeiro e terceiro dias de Draft, o GM Ozzie Newsome mais uma vez reforçou o discurso repetido logo após as contratações de Tony Jefferson e Danny Woodhead, agora com mais ênfase:
“Nós não terminamos de adquirir jogadores. Antes de jogarmos em Cincinnati, o elenco ainda não está pronto”
Juntando isso às declarações de que as escolhas do Draft foram a dos melhores jogadores disponíveis do momento, alguns levam a crer que o time já tem alguns nomes em mente ainda para buscar no mercado. A possibilidade mais forte é de que Anquan Boldin, ex jogador dos Ravens e que atualmente se aposentou pelo Detroit Lions, poderia voltar para mais uma temporada em seu antigo time. O próprio Boldin já manifestou o desejo de jogar mais uma vez e se aposentar como um Raven.
“(…)Eu acho que para mim – eu sei para mim – Baltimore é o único lugar que eu quero jogar. É o último lugar que vou jogar. Para mim, vou aposentar um corvo, não vou usar outro uniforme.” disse o jogador em uma entrevista para o PFF.
Outro nome especulado para a linha ofensiva é de Nick Mangold, que atuou pelo NY Jets e hoje está disponível no mercado. O jogador andou visitando Baltimore e se reuniu com o staff do time, mas não chegaram a um acordo, embora o que se conta é de que as conversas foram bastante produtivas. Mais detalhes dessa notícia, escute o nosso podcast.
Seja como for, só nos resta esperar e aguardar os próximos movimentos até dia 10 de setembro, quando o Baltimore Ravens viaja até Ohio para enfrentar o Cincinnati Bengals. O ditado popular do futebol americano diz que ataques ganham jogos e defesa ganham campeonatos. Então é bom o time começar a se movimentar se quisermos ganhar jogos.
Round 1 (No. 16): CB Humphrey;
Round 2 (No. 47): OLB Tyus Bowser;
Round 3 (No. 74): DE Chris Wormley;
Round 3 (No. 78): OLB Tim Williams;
Round 4 (No. 122): OG Nico Siragusa;
Round 5 (No. 159): G/T Eluemunor;
Round 6 (No. 186): DB Chuck Clark;