Se pergunte a posição em que Roosevelt Nix joga. Obviamente você deve ter na ponta da língua o nome “fullback”. E não está errado. Parabéns para você que acertou. Para quem não acertou, tem outras “tentativas”.

Entretanto, contudo, todavia… Isso o limita bastante, segundo o próprio atleta. Ele gosta mais de ser conhecido como um JOGADOR DE FUTEBOL AMERICANO. Só dá o trabalho para ele e vai cumprir pelo amor ao esporte. E é esse tipo de cara que Mike Tomlin descobre, dá chance, banca, defende até nos momentos mais difíceis.

Roosevelt Nix começou sua carreira estrelar na modesta Kent State, time da primeira divisão do college football. Joga na “MAC querida”, conferência que revelou apenas jogadores como Ben Roethlisberger, Antonio Brown, James Harrison e Jack Lambert para o Steelers. Chegou já em 2010 na universidade como titular jogando na DL e quebrando vários e vários recordes defensivos.

Seu freshman year com incríveis 20 tackles for loss, 10 sacks e 4 fumbles forçados, rendeu para ele o prêmio de melhor jogador defensivo da MAC, onde ele disputou com ninguém mais ninguém menos que um jovem jogador da Universidade de Buffalo chamado Khalil Mack. Os dois eram jovens sensações na MAC. Comparando o número de cada jogador no seu primeiro ano na universidade:

  • Roosevelt Nix: 43 tackles, 20 tackles for loss, 10 sacks e 4 fumbles forçados.
  • Khalil Mack: 68 tackles, 14.5 tackles for loss, 2 fumbles forçados e 0.5 sack.

Na medida que os anos foram passando, Nix continuou sendo o grande nome defensivo em Kent State. Terminou sua carreira como recordes históricos da universidade. Seus 25 sacks ainda é a maior marca na história da universidade. Seus 65 tackles for loss acumulados ao longo dos 4 anos é a quarta maior marca da história da NCAA.

Era um defensor extremamente dominante, como já dá pra ter noção. Então, você pode estar se perguntando…

 “Como ele não se tornou uma estrela estilo Khalil Mack?”

 “O que aconteceu? Teve alguma lesão? Problema fora do campo?”

É simples. É o que mais mata na transição de muitos talentos da NCAA para a NFL. Roosevelt Nix não tem físico algum para jogar em uma defesa profissional. Com 1,80 m de altura e 112 kg, muitos scouts o desprezaram e ele teve até poucas oportunidades de mostrar seu real valor. No draft de 2014 ele não foi escolhido. Assinou um contrato como undrafted com o Atlanta Falcons mas não chegou nem a jogar partida de pré-temporada. Foi cortado ainda antes.

Todo esse background o rendeu um apelido de um jogador familiarizado com o Steelers: “Deebo clone”. Sim, James Harrison também estudou em Kent State e foi completamente ignorado no draft. Teve histórias de ser cortado várias vezes até explodir com o Steelers anos e anos depois. O físico dos jogadores também se assemelha. Harrison tem 1,83 m de altura e 110 kg.

Então, logo depois de ser cortado pelo Atlanta Falcons em 2014, Nix decidiu seguir a carreira na Arena Football League pelo Cleveland Gladiators. Sem sucesso. Carreira se acabando e as memórias parece que seriam só da época de college… Mas assim como Harrison, Nix continuou seguindo seu grande objetivo.

Em Janeiro de 2015 o Steelers assinou com ele como um jogador para compor elenco de treino pode dizer. Geralmente são jogadores sem expectativa alguma de ficar na equipe até para a pré-temporada. São cortados até mesmo durante o Training Camp. Mas Nix era diferente. Mudou de posição, adaptou seu corpo, ganhou massa e queria impressionar o Steelers. Apresentou-se como Fullback, posição inédita na sua carreira e que cada vez mais vai sumindo na NFL. Na época, o time de Pittsburgh tinha Will Johnson, soberano na posição, versátil. Corria, recebia, alinhava como TE e jogava no special team.

Que chance o menino franzino de Kent State teria, né?

Pois bem. Daqui só foi sucesso na sua carreira por aqui, como já vemos. Sobrevivendo aos cortes e chegou de forma inédita a preseason em 2015. Teria chance de mostrar seu valor e não decepcionou nada. Tomlin foi só amor por ele quase de imediato, culminando em um punt bloqueado pelo jogador em uma partida contra o Jaguars na semana 4 da preseason. Não tinha como cortar esse menino do roster e ele foi para a surpresa de muita gente para a temporada regular.

Com dois fullbacks no roster, Nix sabia que precisava mostrar seu valor no special team e foi o grande astro da unidade durante a temporada passada. Lembrando do tempo de defesa em Kent State, fez um lance decisivo contra o Oakland Raiders na semana 9, forçando um fumble no retorno e deixando o Steelers em ótima posição de marcar. Incrivelmente essa jogada o rendeu ainda a titularidade na posição de FB e Will Johnson, até então unânime, foi escanteado por ele.

Surgiu uma nova estrela. Nix chegou em 2016 mais uma vez unânime e de contrato novo. Tem estabilidade na sua carreira e se mostrou ao mundo mais uma vez na partida contra o Bills, atuando no special team e abrindo caminhos sensacionais para as corridas de Le’Veon Bell. É mais uma arma surpresa no ataque.

Na coletiva pós-jogo, Nix foi um dos nomes mais elogiados por Mike Tomlin. HC tem uma confiança sobrenatural em seu FB. É uma relação muito semelhante a que James Harrison tinha com Dick LeBeau e vimos os bons frutos que isso rendeu para a franquia. Dada as proporções, “Deebo clone” pode ser outro rapaz de Kent State a deixar sua marca na história do Steelers e incrivelmente sem números. Só com força de vontade, superação de realizar seu sonho de ser um atleta de futebol americano.

#HereWeGo