Faltam 40 dias para a 100ª temporada da NFL e hoje relembramos mais uma grande história da liga: a força de John Riggins no Super Bowl XVII! Acesse fumblenanet.com.br/nfl100 para conferir outras histórias épicas!

A temporada de 1982 da NFL ficou marcada pela greve dos jogadores em busca de melhores remunerações. Por conta dela a quantidade de jogos foi reduzida a somente nove. Com a melhor defesa do ano, um ataque mediano já era o suficiente para o Washington Redskins sonhar com vôos mais altos. Joe Theismann, Art Monk e John Riggins responderam ao chamado.

Com oito vitórias na temporada regular, Washington teve a melhor campanha da AFC. À época não existia semana de bye. Assim, o time teve que bater três adversários para chegar ao Super Bowl XVII. Confirmando o favoritismo, derrotaram Lions, Vikings e Cowboys por um placar combinado de 83 a 31. O último deles, inclusive, pode ser assistido por inteiro no Youtube.

O jogo

No ensolarado Rose Bowl Stadium, logo após empatar em 10 a 10, o Redskins viu o Dolphins responder com um golpe duro. Fulton Walker recebeu o kickoff e retornou 98 jardas direto para a endzone. 17 a 10.

Com uma desvantagem de 4 pontos no último quarto, o time de Joe Gibbs precisava de algo a mais. Faltando 10 minutos pro término do jogo, eles tinham uma decisão a tomar: 4ª para 1 na linha de 43 do ataque. Devolver e confiar na defesa ou arriscar e tentar o touchdown? Gibbs chama a corrida. Riggins recebe e, tal qual um aríete, quebra o tackle logo após a linha de scrimmage. Corta pra esquerda e segue livre até o fim. Virada.

Charlie Brown ainda anotaria o terceiro touchdown num passe de seis jardas. Mas, todo o crédito foi merecidamente reservado para Riggins. Além do êxito na jogada crucial da partida, terminou o certame com 166 jardas em 38 corridas. Mais do que Theismann, que lançou para 143. Além de garantir o Super Bowl para seu time, Riggins recebeu o prêmio de MVP e, posteriormente, adentrou o Ring of Fame da franquia e o Pro Football Hall of Fame.

DEIXE UMA RESPOSTA