No mesmo ano em que negociou um contrato para transmitir partidas do Thursday Night Football pelo Twitter, a NFL resolveu lançar um pacote de medidas para restringir a propagação de imagens ao vivo das partidas. Para isso, a NFL regula mídias sociais das franquias, multando aquelas que postarem gifs/Vines/vídeos de lances que acontecerem entre 1h antes do jogo e 1h após o seu término.

A nova política, que teve seu início na última quarta-feira (12), informa que as franquias que postarem vídeos durante esse período de restrição terão que pagar multas de até US$100.000. Entrevistas coletivas pós-jogo poderão ser exibidas, contanto que usem as plataformas Periscope ou Youtube. Além disso, ficam regulados também a quantidade de gifs, vídeos e afins postados em dias sem partidas, em torno de 45.

Medidas semelhantes já haviam sido adotadas anteriormente por outras organizações esportivas, como o Comitê Olímpico Internacional, a Premier League, e até mesmo a própria NFL, quando solicitou suspensão de contas dos sites Deadspin e SBNation por postar no Twitter gifs das partidas que estavam acontecendo. Na contramão da medida, Adam Silver, comissário da NBA, afirmou que não emite ordens de retirada de conteúdo online porque “vídeos de highlights são marketing gratuito para a liga” (Twitter e NBA assinaram um acordo para o streaming de programas especializados na NBA ). As empresas que tem contrato de transmissão digital afirmam que estariam perdendo milhões com os vídeos não postados por eles, mesmo que vindo dos próprios times que estão em campo gerando as imagens que eles exibem.

Consequências

Numa demonstração de bom humor diante das proibições, Philadelphia Eagles e Cleveland Browns adotaram formas alternativas de manter seus seguidores informados. Veja como o Browns reportou o touchdown marcado por Terrelle Pryor na partida contra o Tennessee Titans:

 

E o Eagles postou assim em seu Twitter a interceptação retornada para touchdown de Malcolm Jenkins: