Fala pessoal, como havia prometido desde o inicio da offseason, tá aqui o meu mock draft do Steelers 2017- versão final. Fiz vários, mas durante a offseason o board fica muito dinâmico, e a gente não sabe se o first rounder do mês passado vale ser first rounder de hoje. Principalmente depois de ver vários jogadores despencando nos boards por problemas físicos, atléticos (principalmente pós Combine) e até de extra campo, esse foi o meu Draft final, buscando aliar o suprimento das necessidades do time com a tentativa de ser o mais próximo possível da realidade do que o nosso Front Office (FO) pode vir a executar, visto que todos os jogadores presentes no mock visitaram/receberam visita/foram entrevistados em eventos sobre o Draft pelo Steelers, além de serem jogadores que o time mostrou bastante interesse durante todo o período pré-Draft.

Eis então, o meu mock final:

1st ROUND

30rd JARRAD DAVIS – ILB – FLORIDA

Esse ano é o ano do Steelers se fazer no Draft. O time não tem needs absurdas e tem titulares para começar jogando nas posições do time – tanto na defesa quanto no ataque – desde o dia 1. Por isso, o Steelers começa o Draft com a mentalidade de pegar o melhor jogador disponível, o popular BPA, e que cara melhor do que um LENHADOR feito Jarrad Davis?

Velho, o cara é um monstro, não só isso, mas muitas coisas indicam que ele tem tudo pra ser o first round pick do Steelers. O indicativo principal quem deu foi ninguém menos que o Head Coach do time, Mike Tomlin, quando citou que, alem de habilidade atlética e técnica, a pick se baseará em um “índice de vontade”, ou seja, o quanto de determinação e foco o jogador tem pra ser um vencedor. Aliás, isso não é novidade se pensarmos na pick de primeiro round mais recente, o Artie Burns, que foi uma mistura de upside com esse “índice de vontade” que acabou resultando nessa escolha.

Sobre o jogador em si, temos que ressaltar que ele não é o mais rápido, não é o maior, tampouco o mais forte dos linebackers que já apareceu no Draft. Porém, o que ele tem de ponto mais importante é a sua mistura de velocidade e força, seus braços longos (33 ½ polegadas) o ajudam na envergadura e a sua técnica de mãos e de tackle é pra lá de assustadora. Ele mesmo diz que o mais gosta de fazer é descer a lenha nos seus adversários. É o que ele faz de melhor, identificar jogadas terrestres e descer a lenha no corredor. Além disso, ele tem algo que vinha faltando e decaindo no velho Lawrence Timmons: uma boa cobertura quando “dropa” para defender o passe. É um fit perfeito para disputar vaga com o Vince Williams e se tornar num novo MITO da AFC North.

2nd ROUND

62nd DEREK RIVERS – OLB – YOUNGSTOWN STATE

Quem disse que não ia ter OLB com potencial bom sobrando no segundo round? Vai ter sim! E aqui, temos mais um jogador que vai chegar na NFL surpreendendo bastante. Não é nenhum segredo que precisamos de um OLB pra chegar e ser titular, mas quem cairia para a segunda rodada e seria esse cara? Sem duvidas, o Derek Rivers tem tudo pra ser esse cara. É um EDGE extremamente talentoso que está saindo de uma escola pequena, a Youngstown State, que está longe de figurar entre as melhores escolas de futebol americano do país, o que fará com que o jogador chegue na NFL com um “chip on the shoulder”, ou seja, tendo que se provar para todos! E nada mais motivante do que fazer isso no Pittsburgh Steelers e sendo o sucessor (e aprendendo) com James Harrison, não é verdade?

Sobre as habilidades dele, o que mais me agrada no Derek Rivers é algo que não me agradava no Bud Dupree (e foi uma escolha que eu comemorei bastante), que é o trabalho com as mãos. O Rivers tem as mãos PESADAS, mas não é só com as mãos que a gente vê ele levando vantagem, mas também com os seus pass rush moves (que são bastante agressivos), e a sua capacidade de ser rápido, ágil e ainda transformar toda essa velocidade em força ao chegar no QB. É realmente um pass rusher nato, que quase nunca é dominado e raramente perde a batalha pro OL, basta assistir a tape e você nota como ele usa bem o seu repertório de pass rush moves, o uso das mãos, movimentos de cintura/quadril perfeitos e, o que mas me deixa entusiasmado em tê-lo como um Steeler: um first step ABISSAL! O cara já ta no pescoço do OL quando acontece o snap, o timing é espetacular e isso tudo, combinado com um atleta extremamente forte e rápido, ainda vem com uma carreira longa (três anos como starter) que deu a ele uma boa bagagem e com raríssimas lesões. Ah, e só a cereja do bolo: ele também é sensacional contra o jogo corrido, identifica muito bem as jogadas e dificilmente se torna ineficiente nas trincheiras. O cara é MUITO completo, e vai chegar na NFL muito determinado a se superar e mostrar que o cara de Youngstown State pode sim se tornar um dos gigantes numa franquia lendária.

Ps.: O meu sonho aqui era que sobrasse um tal de Carl Lawson, porém, com tanto time precisando de EDGE, fica difícil sonhar com a chegada do mito de Auburn na 62.

Ps2.: Não duvidem da qualidade do cara só porque ele vem de uma escola pequena! Não esqueçam que Big Ben, o próprio, veio de uma escola pequena também, e deu no que deu, assim como o nosso atual NT e 3rd round pick de 2016, Javon Hargrave, que teve uma produção absurda no College e foi selecionado apenas no terceiro round por desconfiança sua qualidade perante ausência de disputa com adversários de nível mais alto. O Hargrave já chegou na NFL chutando o pau da barraca e só não foi o nosso Rookie of the Year porque o Sean Davis acordou no meio da temporada e começou a descer a porrada em todo mundo!

3rd ROUND

94th Eddie Jackson – FS – Alabama

É nesse terceiro round que o nosso Steelers tem a chance de bater um home run: com a possibilidade de queda do safety de Alabama para o fim do terceiro round, especificamente, graças a uma lesão complicada na perna que o tirará, pelo menos, do Rookie mini-camp, OTAs e training camp. Assim, podemos ter uma escolha que pode terminar sendo o grande steal do Draft inteiro.

O Eddie Jackson é um ex-cornerback que foi movido para jogar de Free Safety. É um cara com um excelente football IQ, que consegue identificar as jogadas e rotas do WR adversário sem maiores problemas, além de conseguir identificar o passe observando os olhos do QB e, o melhor, ele sabe muito bem defender o passe contra TEs, que vem sendo um dos pesadelos da nossa secundária há anos. Quem assistiu as ultimas derrotas para New England em temporada regular, lembra o que o Gronk foi capaz de fazer com a nossa secundária. Porém, após todo esses pontos positivos no jogo aéreo, ressalto aqui a deficiência do Jackson na sua técnica de tackle. Leituras contra o jogo corrido não são ruins, o problema é a técnica de tackle, que é fraca, não sabe transformar a sua velocidade em força e geralmente chega no corredor com um ângulo terrível. Ele era CB, e parece que nem todos os CBs no College saem com a técnica de tackle tão aperfeiçoada e não são tão eficientes contra o jogo corrido quanto deveriam ser. O Eddie Jackson, apesar de ser um safety, sofre com isso. Ele é muito mais um cover safety, um jogador para jogadas aéreas do que um box safety, que é aquele cara que vai jogar quase como um LB, próximo da linha de scrimmage e que desce a lenha em todo mundo. O Eddie Jackson não é esse cara, mas ele tem habilidades espetaculares no jogo aéreo e na cobertura do passe que poderão ser determinantes para suprir uma deficiência antiga na nossa secundária. Por fim, não posso esquecer de pincelar o fato do Jackson ter problemas com lesões, elas não são poucas e a ultima preocupou bastante, uma fratura na perna que o deixou fora do fim da temporada e, possivelmente, não estará 100% no inicio da temporada regular.

105th Rasul Douglas – CB – Western Virginia

Ora, ora. Finalmente um corner neste mock! Eu estou sonhando com Ahkello Witherspoon ou Cameron Sutton caindo tanto, mas aqui preciso ser realista e pensar num jogador que atenda as capacidades que o nosso FO está buscando. O problema desta pick é que, nessa altura do campeonato, não encontraremos nenhum corner sólido e pronto para chegar na NFL e jogar, e sim jogadores que encaixam nas características do que o time está procurando, com upside bom. Porém, como todo pick no Draft, é uma aposta. Só que uma aposta um pouco mais arriscada.

O Rasul Douglas chama a atenção, primeiro, pela sua altura. Um corner de 1,88m não é qualquer coisa, é um cara bem alto e que produziu MUITO BEM no seu ano de sênior. Vamos aos números e veremos que ele foi um dos que mais conseguiu interceptações no país da bola oval na ultima temporada de College, com 8 INTs. Além disso, pareceu ter uma técnica de tackle bastante interessante, é um cara que tem ótimas ball skills. Porém, tem alguns problemas que afetaram seu draft stock, mesmo com essa grande produção no seu ultimo ano. Um desses problemas é a sua habilidade com os pés.

Todo corner precisa ter movimentos dos pés perfeitos, um backpedalling ágil e que consiga ter explosão e agilidade para acompanhar o WR na execução da rota. O Douglas demonstra falhas nesse ponto e pode ser que isso seja um problema custoso no próximo nível. Além disso, o status de “alto e lento” parece ter virado uma tag no nome do Douglas, principalmente depois de testar 4.59s no 40yd dash do combine. Olha, eu sei que isso é um problema para os corners, mas temos exemplos de CBs que foram lentos no Combine e chegaram detonando na NFL, claro, reservando suas devidas proporções na comparação, o próprio Joe Haden, corner e estrela do Cleveland Browns, fez um 4,57s no Combine. O que não quer dizer que ele seja lento, mas ficou claro que a sua agilidade e perfeição no trabalho de pés foi determinante para o seu sucesso na NFL.

Aqui faço uma menção honrosa ao CB Shaquill Griffin, de Central Florida, que foi o jogador que fiquei em duvida junto com o Rasul Douglas nessa pick. Por muito pouco não escolhi o Griffin, que é um pouco mais baixo que o Douglas, porém, muito mais rápido e mais atlético, com um 40yd dash em 4.38s, um tempo bom, e altura que ajuda a colocá-lo no radar do Steelers nesse momento do Draft, principalmente após visitar o time. Porém, a produção do Douglas pesou bastante na hora da minha escolha.

4th ROUND

135th Joshua Dobbs – QB – Tennessee

Chegou a hora de você fechar esse mock ou de tacar pedra ou  de me xingar nos comentários, mas eu peço pra não desistir nessa pick, não fiz por mal. Sei que 90% dos torcedores do Steelers NÃO querem QB cedo, sério, galera, eu também não quero. Mas quis trazer esse mock o mais perto possível da real situação de Draft. E, peguem os mocks mais recentes, opiniões de insiders do Steelers e coletivas do nosso FO, está CLARO que eles vão pegar um QB cedo nesse Draft. Inclusive, creio que Dobbs ou o Brad Kaaya (Miami U) possa ser a nossa escolha de 3rd round na compensatória. Porém, acreditando que a posição dele em valor no Draft seja de 4th rounder, aqui o selecionei.

Ontem escutei de um scout veteraníssimo da NFL, o Dave-Te’ Thomas, no Terrible Podcast, programa da turma do Steelers Depot e David Todd, uma breve comparação da possível escolha do Josh Dobbs com a escolha que o Seattle Seahawks fez com o Russell Wilson. Essa comparação foi feita, principalmente, pelo potencial dessa pick ser um steal nessa altura do Draft. Também vejo muita gente pedindo pro Steelers draftar um QB que seja o nosso Dak Prescott, aquele cara que vai chegar na NFL jogando TUDO, ou alguém que poderá ficar como backup do Ben por alguns anos e depois tomar conta do pedaço e tocar a franquia sendo o novo franchise QB.

O Josh Dobbs é um cara extremamente inteligente, e ele mesmo diz isso. Então, chegar na NFL, pegar um playbook complexo de um ataque dinâmico feito o nosso parece que não será um problema para ele. O Dobbs é um quarterback atlético que tem um braço forte, ótima presença de pocket MESMO quando está sob pressão, com ótima visão do campo quando está fazendo o scramble, sabe se livrar rápido da bola. Tem uma ótima agilidade e habilidade com os pés e é um QB rápido e que pode se tornar um ball carrier quando tiver espaço para executar corridas.

Os pontos ruins do Dobbs estão no snap, pois não lembro de ter visto um snap dele na posição de under center e, mesmo tendo provado ter um braço forte e boa visão do campo, não usou muito essa força em lançamentos longos. Além disso, sofre com fumbles e tem uma mecânica de passe ruim, precisa ter esses pontos trabalhados.

No mais, é um QB muito inteligente, bastante atlético e com um upside bom, que pode ser o nosso backup de confiança que muitos torcedores pedem, inclusive, que eu vejo no Landry Jones, mas a torcida do Steelers discorda majoritariamente que o Jones seja confiável. Então, o Dobbs tem tudo pra ser esse cara.

5th ROUND

173rd George Kittle – TE – Iowa

Ninguém confia mais na saúde do Ladarius Green e a sua participação da próxima temporada pelo Steelers é uma incógnita. Por isso, decidi escolher o George Kittle (que será um baita steal se realmente sobrar para nós no 5th round). O Kittle é um TE excelente bloqueando tanto na linha quanto em espaços em campo aberto, é um cara muito forte e físico, que, além disso, é confiável no jogo aéreo, recebendo mais de 60% dos passes lançados na sua direção. O que eu gosto do Kittle é o seu upside e a sua tag de Steeler, tá escrito na testa dele que ele é um Steeler, principalmente pelo jeito que ele joga, o quão físico é o seu jogo, a sua vontade dentro de campo (lembra o que eu disse na pick do Jarrad Davis sobre vontade?) e que mostra muita garra e determinação, chegando a jogar no sacrifício. Porém, aqui não estamos falando de nenhum Evan Engram ou OJ Howard ou até protótipo do Ladarius Green, e sim de um TE mais bloqueador e que tem boas recepções na carreira, não é o mais ágil dos TEs, tampouco o mais rápido, tem deficiência na execução de rotas, mas nada que não possa ser trabalhado. Acho que o Steelers se daria muito bem com essa pick, já que o FO quer sim insistir no Green e na sua velocidade.

6th ROUND

213th James Conner – HB – Pittsburgh

Pick mais caseira e manjada, impossível! O cara é cria da casa, e tem uma história pra lá de admirável, combateu um câncer durante os seus anos de faculdade e venceu. É uma história que se junta a um jogador que tem muita garra e determinação, e, com isso, tem tudo pra ser um ótimo backup do Le’Veon Bell.

O Conner é um running back GRANDE, acho que o maior da classe com o seu 1,88m de altura, 106kg de pura massa muscular. É um cara que tem uma boa habilidade de receber passes e um ótimo blocker, bastante forte e com boa produção durante a sua carreira no College. Porém, o Conner é um HB lento, como esperado pelo seu tamanho, não é um dos mais ágeis, principalmente quando tem um open field. Mas é capaz de executar as jogadas que temos no nosso playbook e é bastante determinado, um vencedor nato. Seria uma pick que me deixaria feliz e ficaria bastante satisfeito em tê-lo como backup do Bell.

7th ROUND

248th Ryan Switzer – WR – North Carolina

SE TIVESSE UM MOCK DRAFT MEU SEM UM CRUSHZINHO POR UM WR DESCONHECIDO, NÃO TERIA SIDO FEITO POR MIM! Pois é, amigos. O Ryan Switzer é o meu draft crush nesse mock, uma das picks que eu mais sonho nesse Draft é a desse cara no sétimo round (apesar de achar que ele possa sair no sexto). O Ryan Switzer é, sem muita empolgação… O NOVO JULIAN EDELMAN! “Ah meu deus, outro slot receiver? Precisamos de WR alto!”. Não penso assim. Depois do Martavis Bryant ter sido reintegrado a NFL, temos vários WRs altos como, além do Bryant, o Justin Hunter, que chegou na free agency, o Sammie Coates, o Darius Heyward-Bey, o Cobi Hamilton, entre outros que têm essas características e estavam no nosso practice squad na temporada passada. Eu vejo MUITO espaço pra Ryan Switzer no Steelers, principalmente por ter a possibilidade de desbancar o Eli Rogers, que eu até gosto, mas é bem meia boca pra ser o slot receiver de um time feito o nosso.

Meus amigos, o Ryan Switzer é EXTREMAMENTE hard worker, o cara é um workaholic, que tem mãos EXCELENTES, dificilmente sofre com drops (eu sei que aqui você já ta começando a se apaixonar, e vem mais por aí), ele executa as suas rotas perfeitamente, é um excelente route runner e sabe vender muito bem essas rotas para a cobertura, tem um excelente trabalho nos pés, é ágil e sempre tem movimentos que enganam CBs adversários, mudando de direção ou com quebras suaves, mas que são o bastante para o CB se perder na jogada. É um cara que tem um talento nato em se desvencilhar da marcação, em ficar livre e encontrar espaços na secundaria adversária, além de ter uma execução de rota perfeita. Por fim, para terminar, a cereja do bolo: é um ótimo punt returner. Tudo o que queríamos, já que já temos um retornador de kickoffs no Knile Davis, agora teremos um cara que era especialista nisso no College (e era mesmo). E aí, gostou das características? Elas lembram um tal de Antonio Brown quando saiu do College, principalmente no ponto mais negativo do Switzer: o tamanho. Ele é muito baixo, conta com apenas 1.75m, além de não ser tão rápido assim, mas tem agilidade e características que o faz ser um fit perfeito pro nosso ataque.

Espero que todos tenham gostado, entendo que as picks não são perfeitas, algumas eu não quis fazer, mas é o que faria sentido pelas “needs” do time, seja para melhora de posição ou seja para ter um backup mais qualificado. Entendo, no entanto, que alguns podem não ser o melhor disponível da posição no momento, por isso escolhi me baseando em: interesse do Front Office no jogador + meu gosto pelo atleta.

E não deixe de conferir o nosso Mock Draft no podcast #039!