O término da preseason da NFL é sinônimo de fim do sonho de chegar a NFL de mais de 1000 atletas. Este é um dos momentos mais difíceis da temporada, onde decisões duras são feitas com homens que estão buscando seu espaço no esporte.

Steelers, como sempre, procura tratar o momento com o máximo de respeito possível. Evita vazar nomes para a mídia e faz de tudo para que a notícia chegue ao jogador vindo do próprio time. O fato de reservar esse momento é um dos maiores motivos que faz Mike Tomlin repudiar o reality showHard Knocks“, produzido pela HBO. Quando o time de Pittsburgh era um dos “elegíveis” para participar o HC logo tratou de tirar sua equipe da reta. Ele não quer que a “demissão” de jovens jogadores fique registrada na TV ou se torne um “viral” de internet.

Quem passou por essa sensação de ver seu sonho “interrompido” em várias situações foi James Harrison. O OLB saiu da gloriosa Kent State em 2001, chegando no Steelers em 2002 como um undrafted rookie. Considerado pequeno para os padrões da NFL na época (1,83M) foi rapidamente cortado do roster principal e parou no practice squad, onde ficou por 2 anos. Em relato para NFL Network recentemente, o ex-LB do Steelers James Farrior comentava que Harrison era um “cabeça de vento”.

“Nós estávamos no training camp e ele não fazia ideia do que estava fazendo. Ele parava e jogava as mãos para o alto, pedindo a comissão técnica para tirá-lo de campo. A gente pensava que ele era louco”, disse Farrior.

Após esse insucesso no Steelers em 2002, ele foi cortado e parou no Baltimore Ravens no fim de 2003. Mais uma passagem sem destaque e Harrison cruzou o oceano e pousou no Rhein Fire da Alemanha, na época da NFL europa. Também foi cortado.

Após voltar em 2004 para os Estados Unidos, Harrison já estava pensando em abandonar a carreira de futebol americano mas o Steelers decidiu dar uma nova chance ao jogador após o OLB titular Clark Haggans se machucar na offseason. Com uma bagagem maior e mais maduro, o camisa #92 conseguiu pela primeira vez na carreira ficar no roster final em 2004 e finalmente entrar na NFL. Durante entrevista posterior, ele comentou que essa seria sua última tentativa de alcançar seu sonho e caso não conseguisse, iria tentar seguir a carreira de VETERINÁRIO ou motorista de caminhão.

Em grande parte de 2004, Harrison participou só do special team do Steelers. A chance de ser titular como LB foi de forma inesperada e caiu do céu. Na semana 14 desse mesmo ano, o OLB titular da época, Joey Porter, se envolveu em uma briga com o HB William Greene do Cleveland Browns DURANTE O AQUECIMENTO da partida e ambos foram expulsos antes do kickoff. Restou para Cowher apostar no “menino” de 26 anos. Ele apareceu bem, terminando o jogo com 6 tackles e 1 sack.

Com mais notoriedade e segurança no “emprego”, Harrison chegou em 2005 muito confiante e foi titular de 3 partidas, incluindo um simbólico jogo contra o Chargers em San Diego onde foi personagem principa de uma das imagens do ano da NFL. Após interceptar o QB Drew Brees, Harrison “pulou” por cima de Ladainiam Tomlinson no retorno da jogada. Sua popularidade dentro da liga foi consumada quando ele imobilizou um torcedor do Cleveland Browns que invadiu um campo. 

Em 2007 foi um ano de mudanças no Steelers. Mike Tomlin assumiu o cargo de HC e cortou uma das “estrelas” da equipe, OLB Joey Porter por conta do alto salário. James Harrison viu a oportunidade pela primeira vez na carreira de ser titular na NFL e foi monstruoso. Terminou o ano com 8.5 sacks, 7 fumbles forçados e 98 tackles. Isso rendeu para ele sua primeira ida ao Pro Bowl.

Neste ano ele também protagonizou uma das melhores performance individuais de um jogador na história do Steelers. No Monday Night Football contra Baltimore, Harrison teve incríveis 3.5 sacks, 3 fumbles forçados e 1 interceptação. O time venceu aquela partida por 38 x 7.

Mas foi em 2008 que Harrison chegou ao seu auge na NFL. Terminou a temporada regular com 16 sacks, quebrando o recorde do Steelers. Tamanho número rendeu para ele o prêmio de Defensive player of the year. Foi a primeira vez na história que um undrafted ganhou o prêmio. Para coroar o ano perfeito, James Harrison ainda protagonizou um dos maiores lances da história do Super Bowl: Após interceptar Kurt Warner, o camisa #92 retornou para mais de 100 jardas e anotou o TD. Ele eternizou-se na história da NFL.

Em 2013, Harrison foi dispensado pelo Steelers após não aceitar um “paycut” e foi parar no Bengals, onde não deu muito certo. Após a vitoriosa carreira, ele anunciou a aposentadoria em 2014 como jogador do Pittsburgh Steelers.

Isso durou nem 1 mês.

O jogador, 5 vezes cortado na NFL, voltou aos campos com a camisa do Steelers, onde se mantém até hoje como principal figura na defesa. Nesse tempo, Harrison quebrou o recorde de sacks na história do Steelers. Em plena forma física e aos 39 anos, é difícil prever quando ele vai pendurar as chuteiras. Tamanha resiliência no início da carreira com seus cortes faz com que ele queira voltar cada vez mais forte na próxima temporada.

Que continue assim. Nós só temos a ganhar com esse ser humano maravilhoso que continua inspirando essa jovem geração em Pittsburgh.