Após escrever sobre os linebackers, falarei agora sobre a classe de tight ends do próximo draft. Todos sabem que a posição de tight end é bastante necessitada na equipe do Saints, pois Brees e Payton adoram acionar esses jogadores e não tem um alvo confiável desde Benjamin Watson. Falando agora dos prospectos desse ano, apesar de não ver nenhum jogador que valha a pena ser selecionado na primeira rodada, (como ano passado via OJ Howard e David Njoku) penso que a classe desse próximo draft é muito mais profunda do que a de 2017, e apresenta alguns prospectos muito interessantes que irei avaliar agora.

  • Mike Gesicki, Penn State

Jogos observados: vs Ohio St, vs Michigan St, vs Rutgers

Apesar de que alguns olheiros avaliem Gesicki como um jogador “cru”,      que ainda precisa de bastante evolução, eu o vejo como o melhor tight end dessa classe. Seu atleticismo impressionou em Penn State, fazendo verdadeiras acrobacias para a recepção, é um jogador que tem mãos muito confiáveis, e que sabe o que fazer após a recepção. Sua combinação de tamanho e velocidade o tornam um jogador extremamente difícil de ser marcado. Apesar disso tudo, em questão de bloqueio Gesicki falha bastante, e isso pode fazer com que caia no draft, pois um tight end de sucesso na liga precisa saber bloquear bem. Por ser um jogador mais leve, acredito que isso o atrapalhe nesse quesito, contudo, o treinamento certo e o ganho de peso podem fazer com que ele melhore nos bloqueios e se torne um tight end de muito prestígio na liga. Caso seja draftado por New Orleans, Gesicki se tornaria uma arma poderosa no ataque de Sean Payton.

Highlights: https://www.youtube.com/watch?v=nneCOB3AQVs

Nota: 8,0

  • Hayden Hurst, South Carolina

Jogos observados: vs Missouri, vs Michigan

Hurst é o jogador mais “underrated” dessa classe em minha opinião, pois mostrou ser em South Carolina, um tight end completo, cumprindo bem todos os requisitos da posição. Pelos jogos em que assisti, acredito que seja o prospecto mais veloz entrando no draft, Hayden também é muito bom bloqueando e tem uma mão bastante confiável, além de ser eficiente nas rotas e nas “yards after catch”. Mesmo achando que o teto de Gesicki seja mais alto, acredito que o tight end de South Carolina entrará na liga mais pronto, pois se mostrou um atleta completo, e à medida que o draft for se aproximando, vejo Hurst subindo cada vez mais nos quadros das equipes. Apesar de não ver isso como motivo de preocupação, alguns analistas ressalvam o fato de que ele é um jogador mais velho, e que começará a temporada com 25 anos.

Highlights: https://www.youtube.com/watch?v=rqhFG2IxqGI

Nota: 8,0

  • Dallas Goedert, South Dakota State

Jogos observados: vs North Dakota St, vs TCU , vs Villanova

Dallas Goedert é na grande maioria dos quadros, o tight end número #1 dessa classe, tanto que é o que mais aparece sendo selecionado na primeira rodada nos mocks dos analistas. Esse hype é bastante compreensível, pois Goedert apresentou grandes performances na universidade, e muitos atributos que as equipes procuram em tight ends. Ele mostrou ser um excelente recebedor, com mãos confiáveis e ótimas execuções de rotas, além de fisicamente se sobressair com seu atleticismo. Dois pontos me preocupam em relação a Goedert; por ter sido a melhor (e talvez única) opção ofensiva da equipe, vi poucos snaps em que Dallas devesse bloquear, dificultando minha avaliação nesse quesito; a outra preocupação é em relação a competição que ele enfrentou no college, pois isso influencia bastante nas performances dos atletas. Talvez o combine nos dê uma ideia melhor de como Goedert irá ser avaliado junto a classe de tight ends.

Highlights: https://www.youtube.com/watch?v=S8XIc9WLYOI

Nota: 8,0

  • Mark Andrews, Oklahoma

Jogos observados: vs TCU, vs Kansas St, vs Georgia

Andrews foi em 2017, o melhor alvo de Baker Mayfield em Oklahoma, o que o fez ser muito bem avaliado para o próximo draft. Em minha opinião, ele é o tight end mais completo da classe, cumprindo bem todos os requisitos que a posição pede, e será uma escolha segura para a equipe que o selecionar. Andrews é ótimo na execução de rotas, é um jogador alto e veloz, e é competente nos bloqueios, porém nos jogos em que observei, vi que o tight end de Oklahoma não possui das mãos mais confiáveis, e sofreu com alguns drops fáceis. Contudo, na equipe certa, e reparado esse problema nas recepções, vejo Andrews se tornando um tight end sólido na liga

Highlights: https://www.youtube.com/watch?v=-RnPzeF_xYI

Nota: 7,5

  • Troy Fumagalli, Wisconsin

Jogos observados: vs Iowa, vs Indiana, vs BYU

Fumagalli é o melhor bloqueador entre os tight ends desta classe, e é um jogador, que assim como Andrews, cumpre todos os requisitos da posição. Diferente dos outros prospectos, ele raramente era alinhado no slot ou como receiver, ficava mais fixado na linha, tem mãos confiáveis e sabe executar bem as rotas. O que faz Fumagalli não ser tão bem avaliado como os outros tight ends, é sua falta de atleticismo, que o limita basicamente a rotas curtas e médias, o que atualmente na liga caracteriza os TE #2. Apesar disso, um bom combine, que mostre que as análises quanto ao seu físico estão erradas, pode fazer com que Fumagalli suba bastante, pois os outros atributos ele mostrou muito bem em Wisconsin.

Highlights: https://www.youtube.com/watch?v=Ch0PQz5r8ss

Nota: 7,0