Com 92 dias restantes para entrarmos em ação, nesse dia dos namorados vamos conhecer um pouco mais do OLB James Harrison.

Um dos grandes ídolos da história recente do Steelers, e que certamente figurará entre os maiores da história do time, James Harrison entrou na liga em 2002, após ser ignorado no Draft daquele ano. O jogador assinou com o Steelers como undrafted free agent.

Nascido em Akron, Ohio, no dia 4 de Maio de 1978, Harrison é o filho mais novo dentre 14 irmãos. Seu pai, James Harrison Sr. era motorista de caminhão e faleceu no dia 07 de maio deste ano, aos 76 anos de idade.

Harrison, além de nascido, foi criado em Akron e tinha como seu time favorito na infância o Cleveland Browns, que jogava a apenas 60 km de sua casa. Fã do esporte e sempre em boa forma, Harrison teve que convencer sua mãe a deixa-lo praticar o esporte. Jogando de linebacker running back, James foi destaque pela Coventry High School, onde também praticava atletismo. Harrison foi um dos primeiros jogadores afro-americanos a jogar futebol americano por Coventry.

James Harrison, apesar das habilidades, enfrentou dificuldades em se desenvolver como jogador, devido a suas notas baixas na escola. O jogador também tinha um temperamento explosivo e chegou a ser suspenso por dois jogos pela escola, após discutir e chamar o técnico assistente para briga. Logo em seu primeiro jogo, após a suspensão, Harrison, jogando como RB carregou a bola 3 vezes para 100 jardas e 2 TD. Após seu segundo TD, o jogador correu para a endzone adversária e comemorou com gestos obscenos, sendo prontamente ejetado do jogo. O jogador também se envolveu com vários problemas extracampo ainda na escola, o que dificultou muito a ida para uma grande universidade, com bons programas de desenvolvimento de futuros talentos.

Apesar da desconfiança de universidades como Ohio State e Notre Dame, Harrison foi estudar e jogar futebol americano pela Kent State University, e já em seu primeiro ano se tornou titular, liderando o time com 106 tackles, sendo 13 para perda de jardas. O jogador também contabilizou uma interceptação e 3 recuperações de fumbles.

Como sênior, Harrison teve uma temporada praticamente perfeita. Num jogo contra Miami University, do então QB Ben Roethlisberger, James terminou o jogo com 12 tackles, 5 sacks e 1 fumble forçado. No fim do último quarto daquele jogo, Harrison sacou seu futuro amigo e companheiro de time Big Ben duas vezes seguidas, na terceira e quarta descida, para selar a vitória de Kent State por 24 a 20. Naquele ano, James Harrison terminou a temporada com 98 tackles, sendo 20 para perda de jardas e 15 sacks. Ele foi eleito para o time principal na conferencia Mid-American. Em 2013, Kent State aposentou o número 16, usado por ele.

Após ser ignorado no Draft de 2002, com os times alegando que o jogador era muito baixo para jogar de linebacker e muito leve para jogar na linha defensiva, Harrison escolheu o Steelers, após alguns times convidá-lo para participar do training camp. Harrison passou 2 anos com o Steelers, como parte do practice squad, porém foi dispensado três vezes nesse período. Ele chegou a jogar um jogo na temporada de 2002, no time de especialistas. Nesse período, Harrison vestiu a camisa número 93.

Após outra dispensa, o jogador assinou com o Baltimore Ravens, e foi posteriormente enviado para o Rhein Fire, da NFL Europe. Cortado pelo Ravens, o jogador recebeu mais uma chance com o Steelers, dessa vez ele não desperdiçou. Jogando na maior parte do tempo com o time de especialistas, Harrison foi mantido no elenco final, jogando os 16 jogos das temporadas 2004 e 2005, fazendo parte do time campeão do Super Bowl XL.

Foi em 2007 que finalmente a carreira do jogador decolou. Após a saída do técnico Bill Cowher, o jogador viu sua grande oportunidade nas mãos do recém chegado Mike Tomlin. Após o polêmico corte de Joey Porter o Steelers ainda draftou os linebackers Lawrence Timmons e LaMarr Woodley. Mesmo assim, Harrison foi nomeado o titular e teve uma ótima temporada, sendo selecionado para seu primeiro Pro-Bowl, após terminar a temporada com 98 tackles, 8,5 sacks e uma interceptação.

Logo em seu segundo ano como titular, e como alguém já conhecido pelos torcedores e pela liga, Harrison teve seu melhor ano na liga. Com uma temporada praticamente perfeita, o jogador foi literalmente o terror dos ataques adversários. Com grande força nos tackles, e contando com a ajuda de grandes nomes na defesa, Harrison registrou 101 tackles e 16 sacks, além de uma interceptação. Tais números, versatilidade, e atuações monstruosas fizeram com ele fosse eleito o jogador defensivo do ano em 2008. Harrison se tornou o primeiro jogador não draftado a ganhar o prêmio.

No Super Bowl XLIII, James Harrison se torna o protagonista, do que podemos afirmar ter sido a melhor e mais emblemática jogada defensiva da história do Super Bowl. Com 18 segundos restando para acabar o segundo quarto e com a bola na linha de 2 jardas do campo de ataque, o Arizona Cardinals, com o QB Kurt Warner, tinha a chance de virar o jogo, que estava 10 a 7 para o Steelers. Foi aí que James Harrison fez o que nem o mais otimista torcedor do mundo poderia imaginar. Com uma ótima leitura, o linebacker intercepta Kurt Warner ainda na própria endzone e numa corrida frenética de tirar o ar dos pulmões dos torcedores (e do próprio jogador), cai 100 jardas depois na endzone adversária, segurando a bola como se estivesse segurando seu filho no momento do nascimento, para anotar um dos touchdowns mais empolgantes da história do Super Bowl. A jogada pode ser assistida aqui.

Após a apoteose defensiva no Super Bowl XLIII, Harrison continuou tendo atuações sólidas e se mantendo como titular no time. Muitas dessas atuações acabavam em polêmicas, devido a seus fortes tackles, o que o fez receber várias advertências e multas no período. Em 2010, o jogador também foi parte fundamental da ótima temporada do time, que terminaria na derrota para o Green Bay Packers no Super Bowl XLV.

Nas temporadas 2011 e 2012 Harrison totalizou 129 tackles e 15 sacks, mas os números não foram suficientes para mantê-lo com o time para temporada 2013, quando por razões financeiras foi dispensado. No mesmo ano o jogador assinou com o rival Cincinnati Bengals, mas não teve uma boa temporada, registrando apenas 30 tackles e 2 sacks em 15 jogos.

Em 2014 o jogador, até então sem time, anunciou sua aposentadoria. O Steelers assinou um contrato de 1 dia para que o jogador pudesse se aposentar como membro do time. Não muito tempo depois, Harrison seria novamente reintegrado ao time, saindo da aposentadoria para ajudar o fragilizado setor de linebackers. Com 36 anos e em plena forma física, o jogador não decepcionou e contribuiu 5,5 sacks, ajudando o time a chegar aos playoffs, após dois anos fora.

Em 2015 o jogador assinou um contrato de 2 anos com o Steelers, e fez parte da rotação entre as jovens promessas que chegaram ao time nos últimos drafts. Mesmo assim, Harrison produziu 5 sacks e 2 fumbles forçados.

Após incertezas com relação à participação do jogador na temporada 2016, James Harrison confirmou sua presença, apesar do calendário que conta com jogos no dia de Ação de Graças, Natal e noite de Ano novo.

O jogador entra na temporada 2016 com 726 tackles, 76,5 sacks, 31 fumbles forçados e 7 interceptações. James Harrison, com 38 anos é o jogador mais velho do atual elenco. Em sua carreira, o jogador foi selecionado para o Pro-Bowl 5 vezes, foi eleito para o time ideal da NFL em 2 ocasiões e ainda detém o recorde de interceptação retornada para TD mais longa da história do Super Bowl. Essa jogada também é a jogada defensiva mais longa da história da grande final.

Quem já vestiu a #92 antes de James Harrison?
  • Hebron Fangupo (13)
  • Jason Gildon (94-03)
  • Elnardo Webster (92)
  • Jerry Olsavsky (89)
  • Michael Minter (87)
  • Keith Gary (83-88)
  • Larry Aldrich (58)
  • Dom Penza (56)