O número 36 significa muito para a história do Steelers, e a maior razão é conhecida como Jerome Bettis, ou como ficou famoso na liga…The Bus.

Nascido no dia 16 de Fevereiro de 1972 em Detroit, Michigan, Bettis é o caçula de três filhos de Gladys Elizabeth e Johnnie Bettis. Até o colegial, Jerome não havia jogado futebol americano já que tinha sido diagnosticado com asma quando tinha apenas 14 anos.

Fã de boliche na infância, Jerome começou a se destacar no futebol americano no colegial, jogando por Mackenzie em Detroit. Lá ele começou sua carreira como running back e linebacker. No seu último ano foi classificado como um dos melhores jogadores do Estado.

Em 1990, Bettis foi estudar pela universidade de Notre Dame e teve ótimos números em todos os anos que ficou por lá. Teve seu melhor ano em 1991, quando terminou com 168 carregadas para 972 jardas e 16 touchdowns, também teve 17 recepções para 190 jardas e 4 TDs. Jerome terminou sua passagem pela universidade com um total de 337 carregadas para 1.912 jardas e 27 touchdowns. Também recebeu 32 bolas para 429 jardas e 10 touchdowns.

Em 1993, Jerome Bettis se inscreveu para o Draft da NFL e não fez feio. Selecionado pelo então Los Angeles Rams na 10ª escolha geral daquele Draft, Bettis já chegou causando impacto. Correndo para incríveis 1.429 jardas (segundo na liga), o running back foi eleito o calouro ofensivo da temporada, foi selecionado para o Pro Bowl e foi All-Pro. Em 1994, apesar da queda de desempenho, Jerome também superou as 1.000 jardas corridas e foi novamente selecionado para o Pro Bowl.

Em 1995, com o Rams se mudando de Los Angeles para St. Louis, o novo técnico do time, Rich Brooks, quis mudar a filosofia do time para um jogo mais aéreo. Isso limitou o jogo terrestre de Bettis, que terminou a temporada com apenas 637 jardas. Devido ao seu tamanho e força, o treinador fez a seguinte proposta para Bettis: “Você pode jogar de fullback ou ser trocado, o que você prefere?” Bettis considerou que poderia ser mais eficiente ao continuar jogando de RB, porém essa decisão faria com que ele perdesse seu espaço em St. Louis. É aí que entra o Steelers.

Em 20 de Abril de 1996,o Steelers enviou uma escolha de segunda rodada do Draft daquele ano e uma de quarta rodada do Draft de 1997. Recebeu em troca o jogador e uma escolha de terceira rodada do Draft de 1996.

Jerome Bettis provou de maneira imediata que poderia continuar sendo um dos melhores jogadores da liga correndo com a bola. Já no primeiro ano com o Steelers, correu para 1.431 jardas e fez 11 touchdowns, sendo eleito o Comeback Player of the Year. Além disso, foi selecionado para o seu terceiro Pro Bowl e foi All-Pro. Aliás, Bettis correu para mais de 1.000 jardas em suas primeiras seis temporadas com o Steelers, tendo corrido para 1.665 em 1997, sua melhor marca na carreira.

Os demais anos continuaram sendo bons na carreira de Bettis. Após a temporada 2002, seus números começaram a cair, e o jogador começou a perder espaço na disputa pela titularidade, mas continuava com o time, sua presença era importante para os mais jovens, com uma grande presença no vestiário.

Em 2005 – seu último ano na liga – Bettis perdeu a titularidade, mas mesmo assim continuou contribuindo com a equipe. Sendo utilizado mais em jogadas perto da endzone, The Bus terminou a temporada regular com nove touchdowns, ajudando o time a fisgar uma das vagas no Wild Card para jogar os playoffs. Após passar pelo Cincinnati Benglas na primeira rodada da pós temporada, o Steelers enfrentaria o Indianapolis Colts, valendo uma vaga na final da AFC.

Um dos momentos mais marcantes da história recente do time envolve diretamente Jerome Bettis. O Steelers vencia o Divisional Game por 21 a 18 faltando 1 minuto e 20 segundo para o fim da partida. Pittsburgh tinha a bola na linha de 2 jardas, e Bettis “só” tinha que carregar a bola para mais um touchdown e finalizar a partida. Sem muito sofrimento, certo? ERRADO!

Nosso querido “Busão” sofre um fumble – seu primeiro na temporada – e vê o Indianapolis Colts, com Nick Harper recuperar a bola e correr praticamente livre na tentativa de fazer o touchdown da improvável vitória do Colts. Mas antes de ficar de cara para o vento e levar o Colts para a final da AFC, Harper teria que passar por um Ben Roethlisberger, em seu segundo ano na liga. Aí, meus amigos, é histórico. Big Ben consegue efetuar um pequeno milagre e parar o defensor ainda na linha de 42 jardas do campo de defesa do Colts. Clique aqui para assistir esse pequeno milagre.

O Colts ainda teria a chance de empatar o jogo, com 17 segundos para o fim, o kicker Vanderjagt tinha a bola na linha de 46 jardas para acertar o field goal e levar o jogo para a prorrogação, mas o jogador, até então perfeito em casa, erra o chute e Jerome Bettis e toda a torcida do Steelers finalmente respiraram aliviados.

Em 2015, ao entrar para o Hall da Fama, Bettis fez um discurso emocionante, onde num momento agradeceu Big Ben pelo tackle salvador nesse jogo contra o Colts. A partir do minuto 30 do vídeo abaixo, é possível ver Jerome Bettis agradecendo seus companheiros, mas eu insisto, mesmo com quase 35 minutos de discurso, assistam o vídeo completo, vale a pena cada palavra que esse grande ídolo falou durante o evento em Canton, Ohio.

Após vencer o Colts, Jerome e o Steelers venceram o Denver Broncos na final da AFC . O Steelers seguiria então para Detroit, terra natal de Jerome Bettis, para se sagrar campeão pela quinta vez do maior evento do planeta. Bettis perseguiu esse título durante os 13 anos de NFL, e foi em casa que ele o encontrou…. Detroit viu seu filho se aposentar como campeão, e o Steelers conseguiu sair da longa fila de espera.

Bettis se aposentou com 13.662 jardas (6º da história da liga), 200 recepções para 1.449 jardas e 91 touchdowns ao todo. São seis seleções para o Pro Bowl, três vezes All-Pro, sendo uma no segundo time, foi também o Walter Payton Man of the Year em 2001, está presente no time ideal da história do Steelers e desde 2015 está imortalizado no Hall da Fama. Desde que decidiu parar de jogar, o número 36 foi tirado de circulação pelo Steelers.

Após aposentadoria, Jerome Bettis passou por alguns canais de TV e rádio, e hoje lidera o The Jerome Bettis Show na WPXI-TV. Seu programa é filmado no Heinz Field, sua nova casa. Além do seu próprio show, ele é analista para diversos programas da ESPN relacionados à NFL.

Quem vestiu a #36 antes de Jerome Bettis? 

  • Fred Foggie (94);
  • David Hughes (86);
  • Todd Spencer (84-85);
  • Guy Ruff (82);
  • Wentford Gaines (77);
  • Dave Brown (75);
  • Jim Brumfield (71);
  • Don McCall (69);
  • Charlie Blvins (67);
  • Clarence Peaks (64-65);
  • Andy Russell (64);
  • Wilbert Scott (61);
  • Rudy Hayes (60, 62);
  • Marion Motley (55);
  • Don Samuel (49-50);
  • John Woudenberg (40, 42);
  • Ed Karp (36-37, 40);
  • Basilio Marchi (34).