Franco Harris começou sua carreira na NFL e no Steelers em 1972, ao ser selecionado na 13ª escolha geral do Draft daquele ano. O ex-jogador, que é até hoje o líder em jardas corridas da história do Steelers, passou 12 temporadas vestindo preto e amarelo. Se na década de 70 a Steel Curtain dominava a liga e era a cara do Steelers, no ataque Franco Harris era um dos pontos-chaves do também poderoso jogo ofensivo, que tinha o quarterback Terry Bradshaw e o wide receiver Lynn Swann.

O impacto foi imediato, já em seu primeiro ano nascia uma estrela. Suas 1.055 jardas (5,6 por carregada) e 10 touchdowns foram o cartão de visita do número 32 para a liga. Harris se tornou apenas o 4º rookie, na época, a correr para mais de 1.000 jardas em sua temporada de estréia.

Outro cartão de visita dado por Franco aconteceu no dia 23 de Dezembro de 1972. Ainda em seu primeiro ano, Harris e o Steelers enfrentava o Oakland Raiders no Three Rivers Stadium, em Pittsburgh, no Divisional Game da AFC. O jogo estava 7 a 6 para o Raiders faltando apenas 22 segundos para o fim, quando o improvável aconteceu. Em uma das jogadas mais famosas e espetaculares de toda a história da liga, o Steelers finalmente conseguiu sua primeira vitória em playoffs, e veio das mãos imaculadas de um calouro iluminado. 13 a 7 para o Steelers, que infelizmente perderia para o Miami Dolphins na final da AFC.

A jogada não merece ser escrita, e sim assistida. Clique aqui e assista a jogada que ficou conhecida como “Immaculate Reception” (Recepção Imaculada). Já se foram mais de 40 anos e até hoje essa jogada causa discussão, mas o fato é que ela está imortalizada na história da liga, e também do Aeroporto de Pittsburgh, com uma estátua de Franco Harris fazendo a recepção. Não tem como falar de NFL sem falar de “Immaculate Reception”. 

Estátua de Franco Harris, localizada no aeroporto de Pittsburgh, realizando a Recepção Imaculada

Em suas 13 temporadas – jogou a última pelo Seattle Seahawks em 1984 – Harris contabiliza 12.120 jardas (11.950 com o Steelers) para 91 touchdowns, todos com Pittsburgh . Em toda sua carreira, foram oito temporadas correndo para pelo menos 1.000 jardas e 47 jogos correndo para mais de 100. Seria muito legal se Harris tivesse atingido 100 touchdowns…e ele conseguiu. Para isso ele recebeu 307 passes para 2.287 jardas e 9 touchdowns, conseguindo entrar na endzone 100 vezes na carreira.

Nascido em Fort Diz, New Jersey, no dia 7 de Março de 1950, Harris coleciona honras e prêmios de causar inveja em muito running back da atualidade. São nove seleções para o Pro-Bowl, foi All-Pro em três temporadas (duas no segundo time), calouro ofensivo do ano em 1972, Walter Payton Man of The Year em 1976, está presente no time ideal da década de 70 da NFL, é parte do time ideal da história do Steelers, tudo isso além de estar presente nos quatro Super Bowls vencidos por Pittsburgh. No Super Bowl IX, contra o Minnesota Vikings, Harris foi eleito o MVP da partida, após terminar o jogo com 158 jardas terrestres e um touchdown. Todo o time do Vikings correu para apenas 17 jardas. Nos quatro Super Bowls que disputou, Franco Harris correu para 354 jardas e 4 touchdowns. O número 32 também foi tirado de circulação logo após sua aposentadoria.

Em 1990 o jogador entrou para o Hall da Fama da NFL. No mesmo ano fundou a companhia alimentícia Super Bakery, que produz e fornece alimentos voltados para o bem estar. Em 2011, Harris se tornou co-proprietário do Pittsburgh Passion, time feminino de futebol americano da cidade. Assim como muitos ídolos do passado, Franco Harris e sua família residem em Pittsburgh e tem participação ativa na cidade.

Quem vestiu a #32 antes de Franco Harris?

  • Hubie Bryant (70);
  • Ken Liberto (69);
  • Byron McCabe (68);
  • Joe Womack (62-63)
  • Willie Simpson (61);
  • Ted Wianowski (56);
  • Charles Gauer (43);
  • Tom Brown (42);
  • Ben Vaznelis (42);
  • Henry Marker (34).