Hoje é uma data especial para um dos grandes ídolos da história do Steelers. Vai ter bolo de 68 anos na casa de Terry Bradshaw!!!

Nascido em Shreveport, Louisiana, Terry Bradshaw foi o primeiro quarterback da liga a conseguir vencer quatro Super Bowls. Anos mais tarde Joe Montana, como o San Francisco 49ers e mais recentemente Tom Brady, com o New England Patriots conseguiram repetir o feito.

 Bradshaw chegou ao Steelers em 1970, como primeira escolha geral daquele Draft. Em 1969 o Steelers venceu apenas um de seus 14 jogos, sendo juntamente como Chicago Bears o pior time da temporada (difícil acreditar nisso nos dias de hoje, né?)

 Antes de entrarmos nos detalhes da carreira do ex-jogador, vamos conhecer um pouco de seu passado. Terry é filho de William “Bill” Marvin Bradshaw, falecido em 2014, e Margie Bradshaw. Passou parte de sua infância em Camanche, Iowa, onde decidiu que gostaria de se tornar um jogador de futebol americano profissional. Terry retornou para sua cidade natal alguns anos mais tarde, e estudou na Woodlawn High School, liderando o Knights para a final de 1965, seu time, todavia, perdeu para o Sulphur Golden Tornadoes por 12-9.

 Em 1966, Bradshaw optou por estudar e jogar pela Louisiana Tech University em Ruston. Com grande liderança e participação em eventos, a escolha de se manter na Louisiana fez sentido. Terry foi membro da fraternidade Tau Kappa Epsilon, era uma pessoa ativa na comunidade e costumava fazer discursos antes de eventos. No time da universidade, começou como backup imediato. Em 1968, já como titular, teve seu melhor ano e em 1969 já era considerado um dos melhores jogadores universitários do país.

 Tais atuações e personalidade o fizeram um dos jogadores mais visados do Draft de 1970. O Steelers com a primeira escolha geral não deu chances a ninguém e o selecionou. Para ter a primeira escolha, não bastou o Steelers ter tido a pior campanha. Como citado anteriormente, o Bears também teve um recorde 1-13, porém perdeu na moeda o direito da primeira escolha.

 Nos primeiros anos de sua carreira, o número de interceptações lançadas assustavam (foram 73 nos 4 primeiros anos) e o jogador acabou sendo ridicularizado pela mídia. Falava-se em um grande bust como QB do Steelers além de ser constantemente atacado por sua raiz rural e ser considerado por muitos um jogador com inteligência abaixo da média.

 Foram necessários mais alguns anos para Bradshaw conseguir se adaptar na NFL. Mesmo assim, suportado pela Steel Curtain, o Steelers se tornou um dos times mais vitoriosos da década de 70, e Terry sempre estava lá com seu poderoso braço e capacidade de fazer longos lançamentos (muitas interceptações vinham daí). Um dos seus passes mais famosos se tornou, na verdade, uma das recepções mais famosas da história da liga, quando em 1972 ele lançou a “Immaculate Reception”, bola que caiu nas mãos do então novato Franco Harris.

 Independente das estatísticas e de todo o barulho causado por não ser um QB muito confiável, Bradshaw era um vencedor, e se entregava em campo, com seus companheiros e comunidade. Suas melhores atuações aconteciam em jogos decisivos, em playoffs ou em Super Bowls, sendo eleito MVP duas vezes, nos Super Bowls XIII, contra o Dallas Cowboys e XIV, contra o Los Angeles Rams.

Em 1976, lesões no pescoço e punho forçaram Terry a ficar de fora em quatro jogos. Além dele, muitos jogadores do ataque também sofreram com lesões, o que tornou a defesa do título muito difícil para Pittsburgh, apesar da sequência incrível de vitórias que foi muito creditada à defesa liderada por Jack Lambert, que levou apenas dois touchdowns e 28 pontos em nove jogos.

Em 1978 veio o grande ano. Terry foi eleito o MVP da NFL e é até hoje o único jogador do Steelers a conseguir o feito. Nessa temporada foram 2.915 jardas para 28 touchdowns – líder da NFL – em 207 passes completos de 368 tentados. Ele também foi nomeado All-Pro.

De caipira e pouco inteligente para revistas. Após ter sido eleito MVP em dois Super Bowls seguidos, Bradshaw era capa da Sports Illustrated como o “Atleta do Ano”. As críticas já não vinham da mesma maneira que no início dos anos 70. Basta ganhar que muita coisa muda, essa é a vida nos esportes. Após seu segundo MVP em Super Bowls, Terry já era uma realidade mais próxima da aposentadoria, porém não tinha que provar mais nada. Já tinha quatro anéis de campeão, já havia sido eleito MVP da liga e tinha três seleções para Pro-Bowls. Chegava a hora de preparar o legado.

 Nas temporadas seguintes, as dores já eram companhias do ex-QB, porém ele conseguiu ainda boas atuações nas temporadas 1980 e 1981. A partir de então, seu corpo já começou a dar sinais que era hora de parar. Bradshaw ainda participou de mais duas temporadas, porém atuando muito pouco devido às sucessivas lesões. Sem muita escolha, Terry ainda esperou até o dia 24 de Julho de 1984 para anunciar oficialmente a sua aposentadoria. O Steelers prontamente tirou o número 12 de circulação, apesar de não ter aposentado oficialmente.

 Terry Bradshaw terminou sua carreira com 27.989 jardas, 212 touchdowns e 210 interceptações em 201 jogos, dos quais venceu 132. Vale ressaltar sua importância em jogos decisivos: nos quatro Super Bowls que jogou, foram 932 jardas, 9 touchdowns e 4 interceptações, com um rating de 112.7 dos 158.3 possíveis.

Após sua aposentadoria e pouquíssimo tempo “sem trabalho”, Bradshaw assinou como analista da NFL com a CBS ainda em 1984 e desde então trabalha na TV, tendo começado em 1994 sua carreira na FOX, como analista e co-apresentador do Fox NFL Sunday, onde está até hoje. O agora analista da NFL não mede palavras ao criticar jogadores e times e é frequentemente questionado sobre seu jeito caipira e “sem filtro” na hora de fazer suas análises. Ele nunca fez questão de mostrar carisma e ser um cara da mídia e que gosta de atenção (apesar de trabalhar na TV).

 Em 1989 teve seu merecido reconhecimento ao entrar para o Hall da Fama, em seu primeiro ano de elegibilidade. Em 1997 ele retornaria ao palco para discursar em homenagem a Mike Webster, que também estava entrando para o HoF. Bradshaw recebeu snaps das mãos de Webster durante 10 temporadas….e depois mais uma vez no paco do evento.

Bradshaw e Webster em 1997 na Cerimônia do Hall da Fama

Em 2002 Bradshaw retornou para a sideline do Steelers ao cobrir o 1000º jogo do time de Pittsburgh. A Fox cobria o evento e Terry foi o responsável por ser o repórter dentro de campo, interagindo com jogadores e comissão técnica durante a vitória contra o Indianapolis Colts. Em 2007 ele retornaria novamente para cobrir a 500ª vitória da história da franquia.

 Em 2006 causou polêmica ao recusar o convite para o desfile dos MVPs de Super Bowl antes do Super Bowl XL, entre Pittsburgh Steelers e Seattle Seahawks. As famosas “fontes” alegaram que o ex-quarterback havia exigido US$ 100.000 garantidos para participar do desfile. Após o Super Bowl e a vitória do Steelers, Bradshaw, durante o programa The Tonight Show with Jay Leno, desmentiu o rumor, falando que recusou participar do desfile, pois estava curtindo sua família, e que também odeia multidões e todo o circo da mídia em época de Super Bowl. Terry completou dizendo que atenderia a um desfile quando fosse a vez da FOX fazer a transmissão do jogo e que dinheiro nunca foi a razão de ter recusado a participação.

 O ex-jogador, analista e comentarista da NFL na TV também é ator. Após sua aposentadoria se aventurou nas telonas e nas telinhas. Dentre várias participações e papéis em filmes e séries, o também ator atuou no filme Failure To Launch (Armações Do Amor), com Matthew McConaughey e Sarah Jessica Parker, e também estará na comédia Bastards, com Owen Wilson, que tem previsão de estreia em 2017.

 A vida e carreira de Terry Bradshaw pode facilmente render um grande livro, visto o tempo em que ele está na ativa, desde os discursos pré-banquetes que dava na época de High School e College até o dia de hoje, dia de seu aniversário.

  FELIZ ANIVERSÁRIO TERRY!!!

Quem vestiu a #12 antes de Terry Bradshaw?

  • Terry Nofsinger (63-64);
  • Jack Scarbath (56-57);
  • Vic Eaton (55);
  • Stan Zajdel (51);
  • Nick Skorich (48);
  • Dick Riffle (42);
  • Morgan Tiller (42);
  • William Patterson (40);
  • Bill Davidson (37);
  • Henry Weisen-baugh (35);
  • Alex Rado (35).