Entrevista com John Hendrix (@JohnJHendrix), Colunista do Canal St. Chronicles. Entrevista Realizada no dia 07/02/2017

 

Fala Galera! Para finalizar a série de entrevistas com insiders do New Orleans Saints, fechamos com o papo que tivemos com John Hendrix (@JohnJHendrix), também colunista do Canal St. Chronicles. Lembrando que já foram publicadas as entrevistas com Nick Underhill (The Advocate) e John Sigler (Canal St. Chronicles). Lembrando que as entrevistas foram realizadas por e-mail, e que fizemos as mesmas perguntas a todos com o objetivo de ter a visão de cada um sobre a atual situação do Saints.

Vivendo os altos e baixos de um time

 

John Hendrix é mais que apenas um insider do saints, ele também é um torcedor. Assim como John Sigler, ele cresceu vendo o Saints e indo aos jogos. Ele destaca que viu uma boa quantidade de jogos, tanto nos momentos de auge, quanto nos momentos ruins. “vi a minha cota de altos, baixos e na maioria baixos. Ainda assim, os fãs permaneceram fiéis. Eles possuem uma história maravilhosa com um histórico de grandes jogadores.”

Sobre a  passividade da torcida, Hendrix fez uma defesa fervorosa, falando que é difícil achar alguma torcida que seja mais apaixonada que a do Saints. Ele explica que a TV não tem como mostrar tudo e acaba passando uma impressão errada. Segundo ele, sempre antes dos jogos, a torcida faz uma festa na Champions Square (Espaço aberto em frente ao Superdome), mas que “É difícil ver eles felizes quando as coisas não vão bem, mas eu garanto para vocês que a atmosfera era de arrasar e os torcedores amam o seu time.”    

 

O duro golpe das lesões e o ensinamento de 2016

 

O ano de 2016 logicamente foi frustrante, mais uma temporada negativa, mais uma temporada sem ir aos playoffs, mais um ano desperdiçado de Drew Brees. Porém, não podemos descartá-lo por completo. Hendrix também viu evolução, e afirma que tiveram jogos em que o ataque falhou e a defesa endureceu e nos manteve no páreo. Mas as lesões no corpo de Cornerbacks foi um golpe muito duro para ficarmos de pé. Segundo ele, mesmo com Sterling Moore e B.W. conseguindo encaixar de alguma forma ao sistema, a velha defesa desastrosa apareceu em algumas situações, principalmente no início da temporada. Aliado às lesões, os desapontantes linebackers James Laurinaitis e Stephone Anthony, dificultaram ainda mais a vida da defesa. O surgimento de Craig Robertson além de dar algum talento para o combalido corpo de linebackers, ensinou a maior lição de 2016 segundo Hendrix, a importância de ter profundidade no Elenco

Quanto ao ataque, ele garante que enquanto tivermos a dupla Drew Brees e Sean Payton, o ataque será espetacular. Além disso, as 1000 jardas de Mark Ingram provam que o Saints procurou um melhor balanceamento no ataque, entregando mais vezes a bola para os Running Backs, e isso trouxe aspectos muito positivos para o time. No entanto, ele afirma que foi muito frustrante ver jogos em que o ataque ia bem e a defesa ia mal e vice-versa, além claro, do constante desastre que foi nosso Special Team, para vencer os times tem que conseguir jogar bem em todas as fases do jogo.

 

Geaux Saints Awards

 

Assim como fizemos com Nick Underhill e John Sigler, pedimos para John Hendrix participar do Geaux Saints Awards, indicando nomes para os Prêmios de MVP, Offensive Player of the Year (OPOY), Defensive Player of the Year (DPOY), Rookie of The Year (ROY), Surpresa do Ano e Decepção do Ano. Diferente dos outros, Hendrix indicou apenas os vencedores, sem justificar a escolha:

– MVP: Drew Brees

– OPOY: Brandin Cooks

– DPOY:

– ROY: Michael Thomas

– Surpresa do Ano: Wil Lutz

– Decepção do Ano: James Laurinaitis e Stephone Anthony

 

Após a participação de todos os insiders o Geaux Saints Awards ficou assim:

 

Participantes MVP OPOY DPOY ROY Surpresa Decepção
Ezaú C. Jordan M. Ingram K. Vaccaro M. Thomas C. Robertson C. Fleener
Jéssica D. Brees M. Ingram K. Vaccaro M. Thomas D. Allen C. Fleener
Mário D. Brees M. Ingram C. Jordan M. Thomas Z. Strief C. Fleener
Matheus D. Brees M. Thomas K. Vaccaro M. Thomas K. Crawley C. Fleener
Maxuel D. Brees M. Thomas C. Jordan S. Rankins K. Vaccaro D. Breaux
Nick Underhill D. Brees M. Thomas C. Jordan M. Thomas W. Lutz S. Anthony
John Sigler D. Brees M. Ingram C. Jordan M. Thomas J. Kuhn S. Anthony
John Hendrix D. Brees B. Cooks ————— M. Thomas W. Lutz S. Anthony

 

Utilizando os votos de todos que participaram dessa nossa brincadeira temos Drew Brees como MVP quase unânime (só Ezaú mesmo). Mark Ingram vencendo como OPOY com apenas um voto de diferença para o calouro Michael Thomas. Cam Jordan ganha como DPOY também com apenas um voto de diferença, só que agora para Kenny Vaccaro. E também quase unânime, Michael Thomas leva como ROY (Maxuel querendo polemizar). Já na surpresa do ano, os votos foram muito dispersos e único que teve dois votos foi Wil Lutz. Finalizando em decepção do ano, Coby Fleener leva por um voto a mais que Stephone Anthony

 

Offseason é só defesa, defesa… e um Guard

 

Voltando a Entrevista de Hendrix, mudamos o papo para 2017 e mais precisamente para a offseason 2017 e as necessidades no elenco do Saints. Para ele a maior necessidade é pass rush, e logo após um rápido upgrade no corpo de linebackers. Hendrix ainda gostaria de um cornerback mais veterano e dependendo de como vai ser resolver a situação de Jahri Evans, guard também será uma necessidade.

Ao questionarmos o que seria melhor reforçar na Free Agency e que nomes ele gostaria que viessem, ele quer um pass rush que viesse para rotação, um linebacker que seja mais versátil, um Guard, um retornador e se der, um Cornerback. Os nomes preferidos dele são Andre Branch, Defensive End do Miami Dolphins, Gerald Hodges, Linebacker do San Francisco 49ers, e Ronald Leary, Guard do Dallas Cowboys. Se o Saints trouxer esses nomes, no draft ele gostaria de Derek Barnett, Defensive End de Tennessee na primeira rodada, Zach Cunningham, Linebacker de Vanderbilt na segunda rodada e qualquer jogador que supra uma necessidade do elenco na terceira rodada.

Para finalizar, como fizemos com todos, perguntamos se seria 2017 o último ano de reconstrução da franquia. Hendrix acredita que um insucesso em 2017 provocaria mudanças profundas na organização, mas que acredita que em 2017 o Saints tem tudo para voltarem a ser competitivos. “Eles só estão precisando de mais peças para serem um time competitivo, e com dinheiro para gastar na free agency e escolhas do draft para usar, eu não vejo motivos para eles não terem sucesso em 2017”.