Alguns torcedores já soltaram o famigerado #Empolgou, e eles não estão errados. A um dia de começar a Semana 4 da temporada regular, alguns jogadores vêm dando o que falar, e no bom sentido. Na offseason e na pré-temporada muitos desses mesmos torcedores estavam queimando neurônios em tentar entender o que seus respectivos front offices fariam para suprir as ausências de suas estrelas, ou suspensas, ou lesionadas.

Alguns casos mais notáveis, como o do Patriots, que já sabíamos com alguma antecedência do desfalque de Tom Brady, que pegou 4 jogos de suspensão pelo caso das bolas murchas em 2014, do Broncos, que perdeu Peyton Manning (aposentado) e Brock Osweiler (assinou com o Houston Texans) e outros que foram se tornando notícia no decorrer do tempo, como a lesão de Tony Romo em Dallas e a luta pela titularidade em Philadelphia.

Vamos falar a verdade, independente do time que você torça, se você é fã do esporte é gratificante ver algumas surpresas pintando, alguns jogadores que muitos nem esperavam jogar em 2016 estarem jogando de maneira sólida e com muita personalidade. Listo abaixo alguns exemplos:

Trevor Siemian – Denver Broncos

trevor-siemian

Faço questão de começar com esse jogador, pois foi uma das principais surpresas ao ser anunciado como titular a partir da semana 1, estreando em casa, contra o adversário que perdeu o Super Bowl 6 meses antes. Não vamos nos atentar aos stats, apesar deles mostrarem muita coisa. Siemian, um jogador quase esquecido no Draft de 2015 era um mero figurante em Denver, mesmo após o time perder seus dois principais QBs. Mark Sanchez chegou obviamente para ser titular enquanto o time desenvolvia o novato Paxton Lynch, 26ª escolha geral do último Draft.

Siemian, escolhido na 250ª posição em 2015, acabou vencendo a batalha na pré-temporada e herdou a posição de um dos maiores jogadores a pisar nos gramados da NFL. Logo em seguida, Sanchez foi dispensado e Lynch se tornou o backup imediato e possível dono da posição no futuro (será?). Três jogos se passaram, o Denver venceu todos eles, claro que com uma defesa ainda jogando em alto nível, mas o comportamento do jovem camisa #13 está chamando a atenção do mundo da NFL.

Trevor começou um pouco nervoso, o que é normal, mas tem se mostrado muito seguro no pocket e também quando precisa sair dele. Vem tendo um aproveitamento de 62,8% nos passes, e no último jogo, contra o Cincinnati Bengals fora de casa, fez uma partida espetacular, lançando 4 touchdowns e 312 jardas, tendo um rating de 132.1. Sabemos que Siemian pode perder a posição de titular quando John Elway e cia acharem que Lynch esteja pronto, mas talvez na pior das hipóteses, o Broncos conseguiu em sua escolha de 7ª rodada uma bela moeda de troca.

Dak Prescott – Dallas Cowboys

dak-prescott

O jovem camisa #4 chegou muito questionado ao Draft após ter seu nome envolvido em diversas polêmicas. Caiu para a 4ª rodada do Draft, sendo escolhido pelo Cowboys na 135ª escolha. Romo, como muitos já esperavam, se machucou, e o novato de Mississippi State ganhou a oportunidade de mostrar o seu valor. Assim como era de se esperar começou nervoso, apesar de mostrar uma boa postura como signal caller desde a pré-temporada, sofreu no primeiro jogo, na derrota em casa para o rival de divisão New York Giants. Mesmo assim cuidou bem da bola e não deixou se abater pela pressão de ser um QB de 4ª rodada começando a temporada como titular. Seu único TD passando a bola só chegou no último Sunday Night Footaball, contra o Chicago Bears, mas na semana 2 já havia corrido para um, além de ter acertado 73,3% dos passes tentados. Até o momento não lançou interceptações nos 66 passes tentados, tendo 66,7% de aproveitamento no fundamento.

Mostrando muita tranquilidade, postura de líder e dando um passo de cada vez, o Cowboys pode ter achado em Prescott o substituto para Romo, quando este se aposentar. Sim, é muito cedo para falar, mas o comportamento apresentado por Dak dentro de campo já é um bom indício disso, tem muito que se desenvolver ainda, está muito cru, mas só tem 23 anos e já está dando o que falar.

Carson Wentz – Phildelphia Eagles

carson-wentzOk, era de se esperar que um jogador cotado para ser 1ª ou 2ª escolha geral tinha que ir bem logo de cara. Não necessariamente. É verdade que Wentz já era dado como o QB mais preparado para jogar na NFL desde antes do Draft, porém, mesmo assim é normal o time desenvolver um jogador nessa situação no início de sua carreira, deixando de backup de um QB mais experiente. De novo, a palavra de ordem aqui é “comportamento”. Nas próximas rodadas esses jogadores podem jogar mal, pegar uma defesa que amedronta e não cuidar tão bem da bola, isso faz parte do desenvolvimento.

Carson Wentz vem jogando o “fino da bola”, sendo, na minha opinião o QB mais inteligente dentre os que estão dando o que falar. Tem algumas atitudes questionáveis? Sim, claro. Aceita pancada demais, os torcedores do Eagles devem ter mini ataques cardíacos quando veem seu novo QB enfrentando a DL ou LBs fora do pocket. Porém, a tranquilidade dele quando está sob pressão é algo extraordinário, é um baita talento e tem uma cabeça muito fria, tem tomado decisões corretas e cuidado muito bem da bola. Em três jogos, são 5 touchdowns e nenhuma interceptação em 102 passes tentados, novo recorde da NFL para um novato.

Jimmy Garoppolo – New England Patriots

jimmy-garoppolo

Onde Bill Belichick arruma esses garotos? Ou será que o head coach do Patroits é o maior diferencial aqui? Sinceramente, não sei. O fato é que enquanto esteve em campo Jimmy Garoppolo foi muito bem. Toda a desconfiança mostrada no jogador na pré-temporada parece ter diminuído (para não dizer desaparecido). O jogador, que chegou ao Patriots através do Draft de 2014 (2ª Rodada), teve sua real chance nessa temporada com a suspensão de Tom Brady e não desapontou. O primeiro jogo? Fora de casa contra o que esperávamos ser uma defesa sólida e muito forte do Arizona Cardinals. Quase 73% dos passes completos e 1 TD. No jogo seguinte, antes de se machucar já havia lançado 3 touchdowns contra o rival de divisão Miami Dolphins. Com 71,2% de aproveitamento nos passes, o jogador se mostrou muito confiante nesses dois primeiros jogos e com certeza está de olho no decorrer da carreira de Tom Brady para sonhar mais alto.

Menção honrosa: Jacoby Brissett (Patriots) entrou após a contusão de Garoppolo e também não desapontou. No pouco tempo que ficou em campo nos dois jogos, mostrou muita mobilidade e capacidade de improvisação, quando o pocket se quebra. Teve um belo TD terrestre de 27 jardas contra o Texans.

Notas finais: Julgar jogadores jovens como os citados nesse texto após 3 semanas de temporada pode ser um tiro no próprio pé. Mas por que então escrever? De novo, os comportamentos desses jogadores chamaram muito mais a minha atenção do que suas estatísticas. É aquele feeling de que temos muito mais talento em campo do que imaginávamos. Espero, com todas as forças do mundo que esses jogadores se tornem sólidos na liga e possam fazer parte do futuro dela, mas sabemos que o caminho a ser trilhado por esses jovens é muito escuro e cheio de obstáculos. Destaque especial para os head coaches que são e serão parte fundamental no desenvolvimento deles, ou seja, estar no lugar certo e na hora certa também é um elemento importante aqui.