Depois de longos meses esperando o retorno do Colts ao campo, começou a pré-temporada. O que o torcedor mais esperava enfim aconteceu: Andrew Luck está de volta! Ainda que os jogos que antecedem a temporada regular não digam muito sobre o que esperar de um time na temporada regular, era inegável a felicidade de adentrar a madrugada vendo um jogo do time de Indianápolis. Dessa vez não vamos nos estender muito quanto ao jogo porque praticamente metade dos jogadores serão cortados antes do início da temporada. Destacaremos as atuações que chamaram atenção, os pontos fortes e fracos do time no embate contra o Seattle Seahawks no CenturyLink Field.

O LADO BOM DO JOGO

Andrew Luck está de volta!

Primeiramente, depois de mais de 500 dias o torcedor do Colts enfim pode ver o seu franchise QB em campo novamente. Os questionamentos sobre “quando” Andrew Luck lançaria novamente uma bola de futebol passaram a ser “se” ele seria capaz de lançar. Ainda mais porque próprio jogador duvidou de si mesmo nesse longo caminho longe dos campos. Recentemente, em entrevista antes da Semana 1 da pré-temporada, o atleta declarou que pensou por uma ou duas vezes se conseguiria retornar ao futebol profissional.

No entanto vimos um novo Andrew em campo. Um passe rápido para o RB Marlon Mack foi a primeira jogada da partida. Os corações dos torcedores foram testados rapidamente porque Bobby Wagner fez um tackle após Luck tentar alcançar a primeira descida com as próprias pernas. Coração e respiração parados por alguns segundos. Provavelmente nenhum torcedor conseguia ouvir ou reagir a algo até o QB se levantar e sorrir, como se precisasse de uma pancada para sentir que estava de volta.

Sustos à parte, o ataque se portou como o esperado sob o novo comando de Frank Reich: Running Backs muito usados, não apenas no jogo corrido, mas também recebendo. Passes curtos e seguros, tirando a bola rápido da mão de Luck. E, o que se esperava ao escolher Quenton Nelson no Draft, um interior de linha ofensiva extremamente sólido. O nosso QB1 terminou o jogo com 64 jardas e 6 passes completos de 9 tentados.

Quenton Nelson

O jogador dispensa apresentações. Basta ver os melhores momentos do jogo ou procurar um vídeo dos snaps do novo LG do Colts. Nelson foi impecável. Conseguiu bloqueios com relativa facilidade, finalizando todas as jogadas, chegando algumas vezes ao segundo nível do campo para ajudar nos avanços do ataque. Na única jogada onde foi batido inicialmente, se recuperou de forma rápida e impediu que o defensor chegasse ao Luck. Tudo indica que, com o retorno de Castonzo para a posição de LT o lado esquerdo da linha seja muito forte para a temporada. Quanto ao lado direito, ainda que Matt Slauson tenha feito bom jogo o titular para RT não está definido, o que pode preocupar comissão e torcedores. No entanto, a OL do Colts com certeza será a melhor desde que Luck entrou na Liga.

Hassan Ridgeway e a profundidade da DL

Vamos falar sobre a pouca efetividade na pressão a Russell Wilson, quando a DL titular estava em campo. Contudo, vimos Hassan e John Simon bastante confortáveis em campo. O primeiro conseguiu dois sacks no jogo, já contra o ataque reserva do Seahawks, mas é importante a observação para possíveis chances na formação titular. Já Simon, que antes do Training Camp parecia sem posição definida, recebeu elogios de Reich, que se mostrou satisfeito com o desempenho do jogador agora como defensive end e certamente irá se adaptar bem.

Marlon Mack e Jordan Wilkins

Marlon Mack, que parecia que ganharia o posto de RB starter naturalmente nessa temporada, começou muito bem o jogo. Os lampejos que mostrou na temporada passada parecem estar mais próximos a um jogo sólido do RB. Evoluindo também no jogo aéreo. Entretanto veio o susto. O jogador sentiu uma lesão e foi retirado do campo. Consequentemente, abriu-se espaço para Robert Turbin (que irá perder os quatro primeiros jogos da temporada por punição) e Christine Michael mostrarem serviço aos treinadores. Já entre os novatos, Jordan Wilkins também teve grande destaque. Foram 6 carregadas para 21 jardas em boas jogadas, que de certa forma impressionaram.

Kasen Williams e KJ Brent

Ótima atuação de Williams, liderando a equipe em recepções e jardas recebidas. A briga continua forte pelas posições no roster para WRs, não a toa que até mesmo o corte de draftados pode acontecer. Outro que já se destacava nos treinos era KJ Brent, que fez partida sólida, e pode ainda brigar por uma vaga nos 53 do elenco para a temporada. Certamente irão ajudar o Colts.

Vitória

Sabemos que vitória em pré-temporada não pode ser muito comemorada porque existem coisas mais importantes neste tipo de jogo, entretanto é sempre bom vencer. O placar de 19×17 foi construído através de 4 fieldgoals (Três do nosso vovô Adam Vinatieri e um do Michael Badgley) e um touchdown em passe de Phillip Walker para o TE Darrell Daniels.

 

O LADO RUIM DO JOGO

A defesa

Antes de Ridgeway poder se destacar contra os times reservas de Seattle, nossos titulares falharam na tentativa de pressionar Russell Wilson. A pressão no quarterback adversário foi praticamente nula, ainda que a OL do Seahawks não seja das melhores. Apenas Denico Autry, que já vinha se destacando nos treinamentos, conseguiu incomodar.

Quanto aos linebackers, ainda que esperássemos falhas de posicionamento, erros de leitura, o que não se esperava era a quantidade de tackles errados. Há anos os jogadores do Colts parecem não conseguir executar uma técnica básica para a posição. O que foi apresentado não foi muito diferente, ainda que estejamos falando de jogadores jovens nesse caso.

Na cobertura de passe, pudemos ver boas leituras e uma boa jogada de Skai Moore, que quase interceptou Russell Wilson. Com o jogo corrido estabelecido, o time da casa passou a usar o play action e nossa defesa parecia vendida. A secundária também não foi nada bem, com exceção a Nate Hairston. O CB tem sido no mínimo sólido desde a temporada anterior, quando era calouro. O jogador conseguiu ainda uma interceptação na redzone, já contra o time reserva de Seattle. Um presente de Austin Davis, premiando a boa movimentação e marcação do jovem cornerback.

Expectativas não correspondidas

Depois das notícias dos insiders quanto aos treinos, esperávamos ver Nyheim Hines como importante arma no ataque. No entanto, o que se viu foram erros como retornador. Um fumble e duas bolas “mufadas”, noite para ser apagada da memória, ou então servir de exemplo para evoluir. Braden Smith foi outro jogador que esperávamos que conseguisse uma vaguinha OL ao decorrer da temporada. No entanto observamos uma grande necessidade de evolução, especialmente na proteção contra o passe.

Mark Glowinski fora já!

Chamar de ponto negativo pode até mesmo ser elogio para a atuação do center. Ele e Brad Kaaya protagonizaram cenas bizarras quando precisaram colocar a bola em jogo. O resumo foi um touchdown entregue de graça aos Seahawks depois de fumbles. Logo, Joe Haeg teve que finalizar o jogo como center. Ele precisou entrar em campo para enfim o Colts conseguir fazer snaps sem entregar a bola ao adversário.

Lesões

Como dito acima, Marlon Mack acabou saindo do jogo sentindo uma lesão na parte posterior da coxa. Dessa forma terá que ficar algumas semanas afastado dos treinos. A situação mais grave foi a do WR calouro Deon Cain. O jovem de Clemson rompeu o ligamento cruzado anterior e está fora da temporada 2018-2019. Uma situação triste para um jogador que estava se destacando nos treinos e seria importantíssimo para o já combalido setor de WR do Colts.

 

A próxima partida do Colts será na próxima segunda-feira, dia 20/8, em casa, contra o Baltimore Ravens. Após uma semana de treinos em conjunto com esta mesma equipe, o ataque se destacou perante à defesa adversária. Outro ponto a ser destacado foi a nossa defesa ter mostrado evolução. Inclusive com TJ Green (!) interceptando um passe de Lamar Jackson. Além disso Quenton Nelson conseguiu se portar bem contra o DT Brandon Williams (um dos melhores na posição na Liga). O jogo terá transmissão da ESPN para o Brasil a partir das 21h. Esperamos ver melhores atuações, principalmente no lado defensivo do time.

DEIXE UMA RESPOSTA