Primeiramente, a ideia aqui não é menosprezar as funções de ambas as posições dentro dos times. Obviamente elas são de extrema importância, assim como qualquer outra. Kickers e Punters são sempre lembrado em momentos decisivos, porém, geralmente quando erram. Esse ano a coisa está feia, principalmente para os kickers, que tem sofrido muito para acertar seus chutes, sejam eles de FG ou extra point.

Vimos um empate terrível no Sunday Night Football da semana 7 entre Seattle Seahawks e Arizona Cardinals. O jogo, que terminou 6 x 6 teve participação importante (ou não) dos dois kickers. Na prorrogação, restando 3:26 no relógio, Chandler Catanzaro (ARI) erra um FG de 24 jardas e dá sobrevida ao Seahawks, que com 11 segundos no relógio vê Steven Hauschka errar o chute de 28 jardas…ambas as distâncias são menores que a do extra point (33 jardas). No último jogo da temporada em Londres, Bengals e Redskins faziam um belo duelo. Na prorrogação, com o jogo empatado em 27, Kirk Cousins lidera o ataque de Washington para posicionar Dustin Hopkins para o chute da vitória… O jogador foi lá e….NO GOOD. 34 jardas era a distância e nada feito para Washington. Jogo também terminou empatado. Aliás, foram três FGs e um extra point errados nesse jogo entre Hopkins e Nugent.

Enfim, essa pequena historinha para lembrar que os kickers estão sofrendo. Assistindo os últimos jogos do Tampa Bay Buccaneers, percebemos a dificuldade do jovem novato Roberto Aguayo, ganhador do prêmio Lou Groza em 2013, que é dado ao melhor kicker universitário. Em 8 jogos, foram 12 tentativas para apenas 7 acertos. Uma coisa posso dizer, se é um K não draftado, a paciência já teria acabado e Aguayo estaria procurando emprego agora. Kickers são dispensados por muito menos. Mas o que segura Aguayo em Tampa? Simples, o fato de o Bucs ter gastado uma escolha de segunda rodada nele. Escolhido na 59ª geral, a paciência precisa ser um pouco maior. Mas não a paciência só com o jogador, com o Front Office também, já que precisa de alguma maneira moldar o jogador para que ele tenha um sucesso rápido. Como explicar a dispensa de uma escolha de segunda rodada?

Em 2000, o Oakland Raiders utilizou a 17ª escolha geral do time para recrutar Sebastian Janikowski. Em sua 17ª temporada, o jogador chegou a marca de 502 Field Goals tentados, convertendo 401. Não é um aproveitamento lá essas coisas, porém o jogador tem seus méritos e está vestindo a camisa número 11 do Raiders desde que chegou ao time.

Se pensarmos por um lado mais comparativo, não precisaremos ir tão adiante para colocar na balança o sucesso de certos jogadores (de qualquer posição) em relação aos kickers e punters draftados…principalmente aqueles com escolhas altas.

Um dos ótimos punters da liga, Pat McAfee (Colts) foi draftado na 7ª rodada, escolha número 222.
Um dos ótimos punters da liga, Pat McAfee (Colts) foi draftado na 7ª rodada, escolha número 222.

Vamos voltar até 2010. De lá para cá foram 23 jogadores “zika das bicudas” escolhidos em Drafts, desses, apenas 3 foram escolhidos até o quarto round. Na 4ª rodada de 2011 o Philadelphia Eagles escolheu o K Alex Henery, que durou até a temporada 2014, quando foi dispensado. Chegou a tentar algo em Detroit, mas também não durou no Lions. Não atua na NFL desde então. Henery foi escolhido antes de jogadores com o TE Julius Thomas e o CB Richard Sherman. O caso mais famoso da história recente pertence ao Jacksonville Jaguars, que na 3ª rodada do Draft de 2012 escolheu o punter Bryan Anger (70ª escolha geral). Sabe quem saiu 5 posições após Anger? Um QB chamado Russell Wilson, duas vezes participante do Super Bowl, com um título. O WR T.Y. Hilton, do Colts saiu na posição 92 geral.

Abaixo a lista dos 23 Punters e Kickers draftados desde 2010.

tabelakickersepunters

É claro que fica fácil julgar com o passar dos anos. Mas a ideia aqui não é defender o “se o Jaguars tivesse draftado Russell Wilson” e sim mostrar que, apesar de peças fundamentais nos elencos, queimar altas escolhas nessas posições podem custar caro. Você pode até conseguir um ótimo jogador, porém defendo que o risco de você deixar passar um outro ótimo jogador é maior. Não é todo Draft que veremos um Tom Brady (escolha 199 geral) ou Antonio Brown (escolha 195 geral) surgindo pro mundo, mas com certeza “queimar” uma escolha de quarta rodada ou menos num K ou P é extremamente arriscado.

Não gostaria de ver meu time fazendo isso, se for para draftar, que seja na sexta ou sétima rodada, mas defendo mesmo os tryouts da vida e a tentativa de algum jogador disponível no mercado. Cairo Santos está aí para provar que é possível achar talentos fora do Draft, e Adam Vinatieri, hoje aos 43 anos de idade e ainda ativo talvez seja o maior exemplo disso. Em 2015 o Steelers mandou uma escolha de Draft para o Jaguars pelo K Josh Scobee, que durou apenas 4 jogos, após errar 4 FGs. O time foi achar disponível no mercado o bom Chris Boswell, que apesar da pior tentativa de onside kick da história na última semana contra o Ravens, passa confiança para a torcida.

Adam Vinatieri (esq) e Cairo Santos (dir), ambos undrafted kickers
Adam Vinatieri (esq) e Cairo Santos (dir), ambos undrafted kickers

Não sabemos o que será de Aguayo, mas o fato é que a pressão é gigantesca nele e no front office do Bucs por uma aposta tão alta. Sinceramente espero que ele dê a volta por cima e se torne um grande kicker, e mesmo que isso ocorra, ainda continuo não achando válida tal aposta.

Sucesso ao Aguayo e todos os kickers e punters da liga, muito dos sucessos de suas franquias passam pelos seus pés.

#KickersAndPuntersArePeopleToo