O MVP, prêmio de melhor jogador da NFL, é um dos prêmios mais prestigiados da liga. Porém, muitas vezes a Associated Press comete alguns deslizes na seleção do jogador mais valioso. 

Drew Brees – 2008

Com a primeira temporada de 5000 jardas aéreas desde Dan Marino em 1984; Brees tem a primeira de suas cinco temporadas alcançando tal número (nenhum outro possui mais de uma). Liderando um time mediano dos Saints que acabou com um simples 8-8; apesar de liderar o melhor ataque no ano, Brees perdeu sua primeira chance real para Peyton Manning. 

Manning será um nome recorrente nessa lista por ter ganhado o prêmio 5 vezes. Em 2008 ele teve uma performance mediana liderando os Colts à doze vitórias com números medianos (4002 yds; 27 TDs; 12 INTs); e apesar de não ter feito nada para desmerecer o prêmio, esse seria o ano mais favorável para que Brees pudesse se aposentar com esse prêmio no bolso.

Rendall Cunningham (& Derrick Thomas) – 1990

Em tempos onde os quarterbacks “dual-threat” não eram apreciados, Cunningham teve uma temporada histórica, como nada que a NFL tinha visto até então. Com 3446 jardas aéreas e 942 corridas somados a 35 touchdowns totais, o quarterback dos Eagles mostrou um pouco do que seria do futuro da liga; e por não ser visto da maneira correta, seus feitos na temporada foram ignorados.

O vencedor do ano foi Joe Montana; com o maior número de interceptações da carreira (16) e um ano abaixo da média em todos os quesitos que não fossem jardas aéreas, onde atingiu o maior de sua carreira 3994.

Vale também uma menção honrosa, considerando que a NFL já teve vários co-MVPs, a Derrick Thomas; o linebacker dos Chiefs que em seu segundo que atingiu a marca de 7 sacks em apenas um jogo. Com um total de 20 na temporada, meio sack a menos do que Lawrence Taylor quando ganhou seu MVP em 1986, é difícil entender como seu nome não foi nem uma vez mencionado na conversa

Priest Holmes – 2002 ou 2003

Um dos únicos jogadores que conseguiu ser ignorado por dois anos consecutivos, que após se juntar aos Chiefs, Holmes viu o renascimento de sua carreira; fechando as duas temporadas com médias de 97 e 115 jardas corridas respectivamente, no mínimo 600 jardas aéreas e 24 touchdowns totais.

Com esses números, o running back de Texas basicamente carregou o time de Kansas City no início da década; estabelecendo na época um grande número de recordes na posição que seriam quebrados apenas por outros MVPs como Ladainian Tomlinson ou Shaun Alexander.

Os ganhadores dos anos foram Rich Gannon em 2002 e Steve McNair e Peyton Manning como co-MVPs em 2003. Apesar de eles terem jogado de maneira impressionante, nenhum deles chegou a representar tamanha eficiência na posição como Holmes.

J.J. Watt – 2014

O MVP é um dos prêmios mais prestigiados da NFL. Porém, muitas vezes a Associated Press comete alguns deslizes na seleção do jogador mais valioso. 

O defensor obrigatório nessa lista, Watt continua sendo um dos jogadores que a NFL não deu a importância que devia durante seu ápice. Apesar de ir de frente com uma das melhores temporadas da história com Aaron Rodgers em 2014, essa é a que mais exemplifica a excelência de Watt.

Tanto sua temporada de 2012 como a de 2014 foram sensacionais, já que em ambas o jogador de linha emplacou 20 sacks. No entanto, a quantidade absurda de touchdowns em 2014 merece um destaque.

No total, Justin James Watt terminou sua temporada com 78 tackles, 20.5 sacks, uma interceptação retornada para touchdown, um fumble retornado para touchdown e ainda três TDs jogando como um tight end no ataque. Se essa temporada não exemplifica o talento absurdo de Watt, nada mais consegue.

Chris Johnson – 2009

Uma temporada de 2000 jardas corridas é um feito realizado apenas 7 vezes na história da liga, e Chris Johnson ainda retém o título de maior número de jardas de scrimmage com 2509.

Quando o jogador ganha um apelido que o segue até o final da carreira por um feito, e esse jogador nem chega a ser considerado como MVP, aí sim as coisas começam a ficar mais complicadas. CJ2K perdeu a disputa para Peyton Manning, que aparece na lista mais uma vez, e dentre suas cinco vitorias, essa pode ser uma das mais estranhas.

Russel Wilson – 2019

O MVP é um dos prêmios mais prestigiados da NFL. Porém, muitas vezes a Associated Press comete alguns deslizes na seleção do jogador mais valioso. 

Assistir Lamar Jackson jogar é perfeito, sua habilidade como titular não pode mais ser questionada já em seu segundo ano na liga; mas, seu prêmio de MVP talvez tenha sido um pouco precoce.

O problema aqui não é que Wilson jogou melhor que Jackson, no máximo eles jogaram em níveis iguais; mas, Russel Wilson ter recebido um total de 0 votos na competição, no melhor ano de sua carreira, pode ter sido uma das maiores piadas com o prêmio em anos recentes. O argumento pode se estender ao fato de que Lamar poderia ter ficado como offensive player of the year, ou até co-MVP, mas a unanimidade conta na história um fato que não foi bem assim.

A probabilidade é que a falta de um elenco de suporte, ou a insistência no jogo corrido por parte dos técnicos dos Seahawks, possam ter afetado a campanha de Wilson mais do que qualquer outra coisa que ele possa ter feito. Mas, o jogador definitivamente merece mais reconhecimento e respeito

DEIXE UMA RESPOSTA