A temporada de 2019 do Indianapolis Colts prometia muito. Um time jovem, com dois jogadores All-Pro (Quenton Nelson e Darius Leonard), uma linha ofensiva dominante e claro, com um dos melhores QBs da NFL: Andrew Luck. No entanto, menos de um mês antes da temporada começar, Andrew Luck alegou que tinha perdido a alegria em jogar futebol americano por ter que, seguidamente, ficar em processo de recuperação pelas diversas lesões sofridas.

O cenário atual

As palavras “Andrew Luck está aposentado” ainda doem no torcedor do Colts (inclusive em mim). Essa decisão fez com que Jacoby Brissett assumisse a titularidade da equipe para a temporada 2019. Brissett já havia estado à frente da equipe em 2017 enquanto Luck estava se recuperando da sua grave lesão no ombro. Em campo, Brissett comandou a equipe em 2019 para uma campanha com 7 vitórias e 9 derrotas, não dando aos Colts chances de brigar por algo maior na temporada.

Com um 2019 fraco, apesar da boa equipe ao seu redor e o bom coaching staff para suporte, Brissett não correspondeu às expectativas e terminou a temporada com os seguintes números:

Passes: 272/447, precisão: 60.9%, jardas: 2.942, passes por jardas: 6.6, jardas por jogo: 196.1, TD/INT: 18/6, Rating: 88.0

Como se pode observar, números bem abaixo de um QB com a pretensão de ser o futuro de uma franquia e brigar por coisas grandes na temporada. Esses números se justificam pelo que Frank Reich pedia do Brissett, que em termos gerais era mover as correntes e cuidar da bola. Outro ponto é o nosso escasso corpo de WRs, que perdeu, no primeiro jogo da temporada a principal contratação na posição, o WR Devin Funchess, além das lesões que tiraram de boa parte da temporada o principal recebedor da equipe, T.Y Hilton.

Portanto, a partir dos números e do fraco desempenho do QB à frente dos Colts, parto do pressuposto de que Jacoby Brissett, apesar de titular e com a confiança do staff e GM Chris Ballard, não é o QB que carregará a franquia por anos e anos assim como Andrew Luck faria.

Nessa perspectiva, nosso objetivo é fazer uma análise da atual situação na posição de quarterback do Indianapolis Colts e projetar algumas situações em que o GM Chris Ballard poderá estudar para qualificar a posição. As projeções aqui feitas serão com base no trabalho de Ballard até então à frente da franquia e também os rumores que tem se intensificado sobre os interesses do Colts no mercado da NFL na posição de QB.

No início já expus a atual situação da posição na franquia, Brissett não é o franchise QB que o Colts precisa para alçar voos maiores na temporada. O dono da franquia Jim Irsay convocou uma coletiva de imprensa recentemente e disse as seguintes palavras sobre a problemática situação dos Colts na posição de QB.

Pelo tweet acima, de Stephen Holder (referência entre jornalistas sobre a franquia de Indianapolis) o Colts está avaliando TODAS as opções na posição de quarterback. Tanto a continuidade de Brissett, quanto um QB via Draft, quanto um QB via free agency ou até mesmo um QB via troca. Há se debatido internamente todas as possibilidades de mercado (o que era de se esperar visto o desempenho na temporada anterior).

Já o GM Chris Ballard avaliou da seguinte forma a situação Brissett:

Ou seja, é natural da posição que grande parte da responsabilidade de um time estar 7-9 seja do QB. Ele citou ainda o mesmo discurso que vem seguindo desde que chegou ao Colts. As competições internas por posição, e que sempre haverá essa competição. Podemos dizer que essa competição não será com Brian Hoyer (reserva de Brissett).

Os QBs disponíveis via free agency

Dito isso, demonstrarei aqui as principais possibilidades de encontrar um bom QB para 2020 tanto via free agency, quanto via draft ou via troca. Começando pelos QBs disponíveis na free agency da NFL.

Pelos nomes no mercado, acredito que nunca se teve tanto QB bom no mercado, vamos a eles: Tom Brady, Drew Brees, Philip Rivers, Dak Prescott, Ryan Tannehill, Jameis Winston, Teddy Bridgewater, Marcus Mariota, Case Keenum, Geno Smith, Chase Daniel, Blake Bortles, Brett Hundley. Via (@wendellfp)

Tirando alguns nomes como: Daniel, Bortles, Hundley, Smith, Keenum, Winston, Tennehill e Prescott (apesar da pedida salarial tudo indica que irá renovar com o Cowboys) há alguns nomes interessantes como: Tom Brady, Drew Brees, PHILIP RIVERS, Teddy Bridgewater e Marcus Mariota.

Começando pelos quais não houve rumores:

Brees

Ao que tudo indica voltará para mais uma temporada pelos Saints.

Teddy Bridgewater

É um caso interessante. O ex-QB dos Vikings vinha em ascensão quando teve a gravíssima lesão no joelho que colocou em dúvida se ele voltaria a jogar futebol americano. Pois bem, ele voltou e na última temporada, se mostrou recuperado quando teve que assumir o lugar de Drew Brees nos Saints enquanto o titular estava machucado. Bridgewater teve os seguintes números (9 jogos):

Passes: 133/196, precisão: 67.9%, jardas: 1.384, passes por jardas: 7.1, jardas por jogo: 153.8, TD/INT: 9/2, Rating: 99.1.

Aqui é válido ressaltar o time o qual ele estava. O Saints de 2019 foi um dos melhores conjuntos em quase todas as posições. No ataque o Saints teve a 5ª melhor OL (@PFF), provavelmente o melhor WR da NFL ano passado (Michel Thomas) e o 9º melhor ataque no geral da liga (@ESPN).

Portanto, Bridgewater estava em uma situação boa, num time bem estruturado e com grandes talentos ao seu redor. Foi capaz de entrar, jogar e manter o Saints em alto nível. Teddy foi competente no comando do Saints.

Assim como Ballard falou sobre um QB ser responsável por um time ser 7-9, um QB, por melhor que seja o panorama do time, também é responsável quando se joga 9 jogos e não perde nenhum no competitivo mundo da NFL. Por esses motivos, vale ficar de olho.

Tom Brady

Está uma verdadeira novela mexicana. Depois daquela postagem emblemática pré-Super Bowl não se sabe exatamente o futuro do QB, ainda que tenha declarado ser uma ação de marketing. Segundo a imprensa há diversos boatos sobre interesse das equipes no lendário quarterback dos Patriots. O Las Vegas Raiders estaria preparando uma proposta de 2 anos e 60 milhões pelo QB. Segundo os veículos de imprensa Tom Brady e a esposa Giselle Bündchen foram até Nashville. O objetivo era procurar boas escolas para os filhos do casal (nada confirmado por Brady ou Giselle). Recentemente, no Combine do Draft de 2020, onde encontramos a maior concentração de dirigentes e veículos de imprensa que cobrem a NFL por m², surgiu um boato que o Indianapolis Colts teria tido conversas com os representantes do QB para uma possível vinda dele ao Indianapolis Colts.

Aqui é válido ressaltar que nessa época do ano, pré-abertura da FA e com o processo de scouting dos jogadores do Draft da NFL, os times sem QB viram um prato cheio para a imprensa americana na arte da especulação. Portanto, ao mesmo tempo que não podemos descartar as especulações, por conta dos contatos que todos os jornalistas tem com empresários, owners e funcionários das equipes, não podemos dizer que todas essas especulações realmente aconteceram.

Marcus Mariota

Segundo Tony Pauline da Pro Football Network os Colts e os Patriots teriam interesse no então QB dos Titans. Ao que tudo indica, será lançado na free agent pelos Titans depois de perder a posição de titular para Ryan Tennehill e vê-lo carregar a franquia para a final de conferência da AFC de 2019.

Mariota foi a segunda escolha geral do Draft de 2015 e tinha um teto alto para evolução na liga depois de fazer excelentes temporadas pela universidade de Oregon. Lá chegou a vencer o campeonato da NCAA e o Heisman Trophy de 2014. No entanto, a expectativa não se confirmou e Mariota acabou na reserva vendo seu time melhorar consideravelmente sem suas aparições no campo.

Mariota é um QB que tem mobilidade e pode resolver jogadas com as pernas, lançando, pelo o que tem se apresentado até então. É limitado dentro do pocket e fez sua melhor temporada em 2016 com 61.2% / 3,426 jardas / 26 TD / 9 INT / 95.6 rating. Pelo o que apresentou até aqui e pelos números não há nada que indique uma melhora significativa que elevaria o nível dos Colts. A não ser que o GM Chris Ballard acredite que com o sistema de ataque de Frank Reich possa favorece-lo grandemente e estourar com a camisa azul e branca.

Philip Rivers

Dito isso, chegamos agora ao QB que por enquanto mais teve rumores pela proximidade entre Frank Reich (HC do Colts) e PHILIP RIVERS. Reich foi técnico de QB’s dos Chargers em 2013 e OC entre 2014-2015 onde treinou o QB. Rivers dispensa apresentações. Passou anos à frente do San Diego Chargers, hoje Los Angeles Chargers, e se tornou ídolo por lá.

Não conquistou o tão sonhado anel, mas teve números impressionantes na carreira, o que o colocou como um dos melhores QB’s dos últimos 15 anos na liga. Dito isso, sabe-se que Reich e Rivers tem uma relação próxima e que o treinador gosta muito do QB. Segundo a mídia, mais precisamente Tony Pauline do @nflnetwork, em reportagem direto do Scout Combine 2020, “as pessoas que estão por lá estão confiantes que isso vai acontecer”. O mesmo repórter noticiou sobre o interesse do Colts em Mariota. Ainda segundo a informação, o RB Melvin Gordon havia dito que o seu ex-QB iria para Indy.

Levando em consideração a ligação de Reich e Rivers, os rumores da imprensa e das pessoas ligadas à NFL, além da abertura que o Colts está disposto a ter para mover peças na posição de QB, Rivers parece ser hoje o principal nome do Colts (tirando Brissett).

Encerrando as possibilidades de QB via FA, iremos agora para os rumores e a ciência nada exata que é o Draft da NFL e sua relação com os QBs.

Os melhores prospectos de QB no Draft

Todo time quer um franchise QB pra chamar de seu, geralmente é no Draft que você encontra isso. O Colts tem a 13ª escolha geral do Draft 2020 e precisa de um QB, assim como alguns times que estão à sua frente… em ordem:

#1 Bengals;

#3 Lions (possivelmente);

#5 Dolphins;

#6 Chargers;

#7 Panthers (possivelmente).

Bengals

A não ser que aconteça uma verdadeira TRAGÉDIA os Bengals irão escolher Joe Burrow (QB de LSU).

Lions

Alguns rumores indicam que estariam interessados em trocar Mattew Sttaford.

Dolphins

Sonham em poder contar com Tua Tagovailoa para reerguer a franquia aos dias de glória.

Chargers

Chegou a um acordo com Philip Rivers para o encerramento do seu vínculo e está em busca de um novo QB;

Panthers

Rumores de que estão desconfiados da saúde de Cam Newton.

Dentre os QBs que estão sendo cotados para primeiro round: Joe Burrow (LSU), Tua Tagovailoa (Alabama), Justin Herbert (Oregon), Jordan Love (Utah State). Alguns mocks colocaram Jacob Eason (Washington) na mira de times que precisam de QB na primeira rodada.

Não falarei de Joe Burrow (LSU) e Tua Tagovailoa (Alabama). A não ser que aconteça uma catástrofe, nenhum dos dois passa da quinta escolha geral. Meu foco fica em Justin Herbert (Oregon), Jordan Love (Utah State) e por que não, Jacob Eason (Washington).

Justin Herbert

Em 2019 (14 partidas): 286 de 428 passes, 66,8%, 3.471 jardas, 32 TDs, 6 INTs.

Herbert é um dos prospectos de QBs mais talentosos do Draft, tem bom braço, boa mobilidade, um teto alto pra evolução, boa leitura das coberturas. As dificuldades giram em torno de que aparentemente ele não é um bom líder, pode melhorar a precisão dos passes, saber lidar melhor com a pressão, por vezes acaba por ser mais mecânico do que instintivo e por não ser tão preciso quando lança no slot é onde tem as interceptações e desvios da defesa.

Jordan Love

Em 2019: 293 de 473, 62,0% , 3.402 jardas, 20 TD; 17 INT , 81 carrega, 175 jardas, 2,2 ypc.

Love é firme no pocket, mas consegue improvisar corridas, protege a bola junto ao corpo evitando fumbles. Tem força no braço e pra lançar a bola em janelas pequenas, se livra rápido da bola quando sente a pressão. De ruim: a precisão dos passes precisa melhorar, ele piorou o desempenho de 2018 para 2019. Foram 6 jogos com várias INTs, dificuldade de ler as coberturas e não consegue enganar a defesa com os olhos pra abrir janela de passe.

Jacob Eason

Em 2019 (13 jogos): 260 de 405 passes,  64,2%, 3.132 jardas , 23 TDs , 8 INTs.

Vai de Carson Palmer esticando o campo a Brock Osweiller nas leituras, tem potência no braço mas lhe falta presença no pocket e mobilidade fora dele. Tem dificuldade de ler e lidar com blitz, mas tem boa precisão nos lançamentos.

Dito isso dos 3 principais QBs (lembrem-se que isso não é uma ciência exata e que todas essas análises podem cair por terra rapidinho na NFL). Pelos mock drafts que tem sido feitos até aqui e pelo o potencial demonstrado por cada QB do Draft, uma tendência de que a sequência de QBs no draft seja Burrow > Tua > Herbert > Love >Eason/Jalen Hurts/Jack Fromm. As análises de suas características apresentadas aqui são baseadas em analistas do site oficial da NFL.

Projetando as ações de Ballard

Feito esse apanhado de informações vamos para o panorama do Draft e o perfil do Ballard nele. Quem acompanha o Colts sabe que Ballard AMA escolhas de draft, em 2018 assaltou o Jets num trade down e acumulou várias escolhas. Nesse mesmo draft veio o melhor jogador do Colts atualmente, OG Quenton Nelson, junto com o segundo melhor, LB Darius Leonard. Ballard tem a filosofia da base do time ser construída via Draft e fazer apenas contratações pontuais via FA.

Visto as suas ações na FAs mesmo com grande espaço no cap do Colts a contratação de maior impacto foi o EDGE Justin Houston. Ballard até aqui tem mostrado uma grande capacidade de avaliação de talento, pegando jogadores pontuais tanto no Draft (Nelson, Leonard, Turay, B. Smith, Hines, Willis, Banogu, Okereke) quanto via FA (Desir, Moore II, Autry, Houston).

Todos jogadores que elevaram o nível do Colts, assim como a contratação do coaching staff pós-desistência (graças a Deus) de Josh McDaniels. Frank Reich ex-OC dos Eagles assumiu como HC, Nick Sirianni ex-WR coach dos Chargers assumiu como OC. Defensivamente Matt Eberflus ex-DB coach dos Cowboys assumiu a posição de DC.

Nesse contexto, não me parece muito do perfil do Ballard fazer um trade up e ir atrás de um Justin Herbert ou até mesmo do Jordan Love no Draft na primeira rodada (onde as trades geralmente custam caro). Visto como os mock drafts estão sendo montados até aqui, é improvável que Justin Herbert sobre na escolha 13. O cenário mais plausível via draft até o momento é o de Jordan Love sobrando para o Colts.

Ballard recentemente deu uma entrevista em que um dos temas abordados por ele foi a avaliação de QBs:

Ou seja, destacou que uma das características que mais tem chamado atenção na avaliação de QBs é a precisão. Jordan Love corre no sentido oposto a isso, vários analistas destacam sua falta de precisão no passe como ponto contra seu jogo.

Dito isso, parto para uma terceira e última possibilidade (a qual particularmente, é a minha preferida).

Já foi citado que o Detroit Lions estaria aberto para uma troca envolvendo o QB Mattew Stafford. Apesar de desmentido pelo GM dos Lions, Bob Quin que disse que os boatos eram 100% falsos, no Combine dessa semana, surgiu uma notícia que na verdade quem pediu para ser negociado foi o próprio Stafford (Michael Silver da NFL Network).

Stafford está em uma franquia que há anos está no marasmo. Sempre chega nas temporadas regulares sem muitas expectativas de ser contender e nem de ser uma das piores (apesar de ter sido esse ano). Acredito que com a possibilidade de draftar Tua Tagovailoa (QB Alabama), mais um capital de Draft via troca pelo Stafford poderia colocar um ponto final nesse ciclo. Obviamente, não estou falando que a culpa do marasmo dos Lions seja do Stafford, até por que, não é. Mas uma mudança de ares poderia fazer bem tanto para o QB quanto para a franquia Detroit Lions.

A realidade do Colts hoje é “ruim” na posição QB, mas boa em elenco, tem ótimos jogadores, ótimos setores como as trincheiras (apesar do Ballard falar que quer mais profundidade na DL), tem uma defesa que é extremamente eficiente em campo. Não era à toa que o Colts antes da temporada de 2019, em meados de agosto, com Andrew Luck ainda ativo, era considerado um dos melhores times da temporada e candidato ao Super Bowl. Para alçar voos maiores, é necessário um QB que tenha nível de jogo pra isso, não só talento, mas convicção, que consiga ganhar jogos apertados, fazer campanhas vitoriosas nos minutos finais de um jogo. E convenhamos, Jacoby Brissett pelo o que já demonstrou na liga com certeza não é esse quarterback.

Exposto isso, colocarei aqui agora os caminhos que eu acredito que Ballard irá seguir em ordem de probabilidades. Levando em consideração os rumores e as declarações do então GM e do dono da franquia Jim Irsay:

  1. Philip Rivers na FA;
  2. Ficar com o Brissett;
  3. Jordan Love na #13.

Lembrando que uma coisa não exclui a outra de acontecer. É difícil prever o que vai de fato acontecer, apenas tentar interpretar os rumores, o histórico do GM e suas declarações.

DEIXE UMA RESPOSTA