Houston Texans defensive end J.J. Watt (99) is helped off the field after an injury during the first half of an NFL football game Sunday, Oct. 8, 2017, in Houston. (AP Photo/Eric Christian Smith)

Com uma ruptura do músculo peitoral durante a partida da semana oito contra o Oakland Raiders, o líder da defesa do Houston Texans e três vezes defensor do ano da NFL, J.J Watt, está fora da temporada.

Com um histórico sério de lesões – três nas ultimas quatro temporadas – não é a primeira vez que Watt fica fora da reta final da temporada. Ele confirmou a baixa em sua conta oficial do Twitter:

“Este esporte pode ser lindo, mas também pode ser brutal. Estou muito desapontado porque não vou conseguir terminar a temporada com meu time. Amo este esporte e não suporto decepcionar vocês. Obrigado pelos pensamentos positivos”, disse Watt.

Com uma campanha 5-3 e o segundo lugar na divisão sul da AFC, os Texans ainda podem sonhar com os playoffs mesmo sem seu principal jogador?

Sem J.J Watt em 2016 e 2017

Em 2016 (quando Watt teve sua primeira lesão séria na semana 3), os Texans terminaram a temporada com 9 vitórias e 7 derrotas, cavando uma vaga pelo wild card nos playoffs daquele ano. Eliminou o Raiders no WC, mas acabou caindo diante do New England Patriots no Divisional.

O grande ‘substituto’ de J.J foi Jadeveon Clowney. O EDGE terminou o ano de 2016 com o seu primeiro Pro Bowl e foi nomeado para o First All-Pro Team, com 6 sacks, 16 tackles para perda de jardas, 52 tackles totais e 1 fumble forçado.

Na temporada de 2017, a equipe draftou o QB Deshaun Watson, que começou a temporada encantando os olhos do torcedor texano. Mas tanto ele, quanto J.J Watt, acabariam no IR durante grande parte da temporada, forçando o Texans para uma fraca campanha de apenas 4 vitórias. Novamente, o companheiro de Watt, Jadeveon Clowney, terminou a temporada com um Pro Bowl.

Em 2018, J.J Watt se manteve saudável e fez uma temporada no nível J.J Watt, com 16 sacks (atrás apenas de Aaron Donald dos Rams no ano) e ajudando os Texans a novamente alcançarem os playoffs. Apesar do título da divisão, a equipe terminou eliminada diante do rival Colts no WC.

O Texans de 2019

Para a temporada de 2019, os Texans foram atrás de reforçar a sua linha ofensiva (principal ponto fraco da equipe nos últimos anos). Usou sua pick de primeira rodada no draft para recrutar o T Tytus Howard e aproveitando o ‘saldão’ nos Dolphins, trouxe o T Laremy Tunsil. Outros movimentos que os Texans realizaram foi a troca do EDGE Jadeveon Clowney para o Seahawks e o S Tyrann Mathieu que está no Kansas City Chiefs.

Após uma primeira metade satisfatória (vencendo os Chiefs com Mahomes no Arrowhead) com 5 vitórias, o ataque vem convencendo. Apesar de ter cedido 24 sacks até o momento na temporada, a linha ofensiva mostrou melhora na proteção do jogo corrido. O Texans é o time com o 4º melhor número de jardas por partida até o momento e o 6º em jardas terrestres. Graças a habilidade de Watson sair no ‘scramble’ (quando o quarterback sai do pocket, aliviando a pressão ou buscando um melhor ângulo), a equipe é a 10ª melhor em jardas aéreas. São números sólidos, números que garantiriam a equipe em playoffs, por exemplo.

J.J Watt agora não joga mais. E com a saída de Clowney, os Texans precisam de um novo líder na defesa. A equipe até o momento é top 5 contra o jogo corrido. Mas não isso não é novidade para ninguém. O grande problema é a secundária. Com a perda de Tyrann Mathieu, fica claro o desbalanceamento entre o front-7 e o terceiro nível.

A equipe é a 28º pior contra o jogo aéreo e sem J.J Watt, esse número pode piorar. São 17 sacks na temporada para a defesa de Houston e apenas 3 interceptações. Apesar de apenas 4 sacks, a presença de Watt em campo obriga os técnicos ofensivos adversários à bloqueios duplos e ajustes para parar o 3x defensor do ano.

Sem Watt, o front-7 de Houston perde muito sua força. Apesar de um ano sólido que o LB Whitney Mercilus vem fazendo (com número até melhores que Watt), perder um jogador do nível de J.J impacta qualquer equipe, principalmente depois de perder Clowney (com quem a atenção era dobrada).

Houston ainda depende só de si para chegar os playoffs (caso a temporada regular terminasse hoje, a equipe texana estaria na pós-temporada), mas é necessário se analisar a tabela:

Wk 9: @ Jaguars
Wk 10: bye
Wk 11: @ Ravens
Wk 12: vs Colts
Wk 13: vs Patriots
Wk 14: vs Broncos
Wk 15: @ Titans
Wk 16: @ Buccaners
Wk 17: vs Titans

É difícil prever o que pode acontecer nessas semanas, pois em um snap uma temporada pode mudar. Porém é uma tabela no mínimo complicada. São quatro confrontos de divisão, os quais são cruciais para a sobrevivência texana.

As partidas contra Ravens e Patriots podem ser consideradas “derrotas normais”, mas perante outras equipes, o Texans pode sim bater frente mesmo sem J.J Watt. Confrontos de divisão sempre são disputados, não se pode destacar um favorito. Jaguars tem uma defesa muito forte, Colts conta com o ótimo trabalho de Frank Reich e os Titans ganharam sobrevida após a primeira vitória de Tannehill como QB titular.

Já contra Broncos e Bucs, a equipe até entra favorita para vitória, tendo em vista que o ataque de Denver está muito abaixo na temporada e os Bucs ainda não se encontraram com Bruce Arians e Jameis Winston já não passa mais confiança para ninguém.

Caso a equipe vença 4 ou 5 jogos, é muito provável que alcance a pós-temporada. Mas para isso, a defesa contra o jogo aéreo deverá melhorar e Deshaun Watson deverá contribuir mais no jogo aéreo, tendo em vista que o jogo corrido anda fluindo bem.

O Head Coach Bill O’Brian também deverá tornar esse ataque mais agressivo, com mais options para Watson, utilizando sua mobilidade como arma contra as defensas adversárias. Watson tem apenas 242 jardas terrestes e cinco touchdowns corridos. O play action visando passes longos (principalmente com Kenny Stills e Hopkins) pode congelar as secundarias rivais, já que o jogo terrestre de Houston vem sendo uma preocupação dos treinadores defensivos, é outra opção.

Já a defesa, deve encontrar em conjunto uma solução para pressionar mais o quarterback adversário, assim ajudando a secundária a ser menos ‘queimada’, já que até o momento o terceiro nível defensivo dos Texans vem sendo muito ruim. Será necessário treinar em dobro para cobrir a falta de Watt, mas não é o fim da temporada. Deshaun Watson ainda pode salvar o ano e surpreender o mundo da NFL.

DEIXE UMA RESPOSTA